O UFC Philadelphia trouxe mais uma dose de combates escaldantes. Na madrugada de sábado, assistimos a quatro finalizações nos seis combates do cartaz principal! A luta da noite foi na divisão de peso-leve, entre Edson Barboza e Justin Gaethje, mas as performances de Jack Hermansson e de Paul Craig não passaram por despercebidas.

A grande atração da noite, e o combate principal, foi entre o brasileiro Edson Barboza e o americano Justin Gaethje. Ambos são conhecidos pelos seus instintos finalizadores, por darem tudo o que têm dentro do octógono. Barboza tem 13 finalizações em 20 vitórias, enquanto Gaethje tem 18, em 20. O brasileiro é o único lutador do UFC que já finalizou lutas com pontapés na cabeça, no corpo e nas pernas. O americano nunca foi a uma decisão desde que chegou à promoção: venceu por três vezes por KO (nocaute) e perdeu duas vezes também por KO.

Ambos os lutadores iniciaram a luta a dar tudo o que tinham. Cada golpe deferido era à procura da finalização. Apesar da determinação de Barboza, Gaethje terminou rapidamente com as aspirações do brasileiro: aos 2 minutos e 30 segundos da primeira ronda, o americano acertou um cruzado de direita que deixou Barboza completamente inconsciente. No final do evento, esta luta venceu o prémio de “Luta da Noite” atribuído pela direção do UFC.

O “co-main event” da noite foi entre o americano David Branch e o sueco Jack Hermansson. Branch vinha de uma derrota por KO técnico frente a Jared Cannonier no UFC 230 e procurava regressar às vitórias na divisão de peso-médio. Por sua vez Hermansson vinha inspirado após duas vitórias por finalização consecutivas: por KO técnico frente a Thales Leites no UFC 224, e por submissão via guilhotina contra Gerald Meerschaert no UFC on Fox 31.

Anúncio Publicitário
Hermansson festeja depois de finalizar David Branch
Fonte: UFC

Quem pestanejou não viu este combate: durou apenas 49 segundos! Nos instantes iniciais Hermansson projetou Branch, e conseguiu o controlo lateral após Branch tentar colocar-se em pé. O sueco agarrou o pescoço do seu adversário de uma forma pouco vista no MMA, e aplicou uma guilhotina bem fechada. Foi a terceira vitória consecutiva de Hermansson, e a segunda finalização por guilhotina seguida. A sua excelente exibição valeu-lhe o prémio de “Performance da noite” atribuído pela direção do UFC.

Josh Emmett e Michael Johnson protagonizaram uma luta intrigante. No total, Emmet lançou 22 golpes significativos em 87, enquanto Johnson lançou 24 em 128. O combate estava demasiado técnico, ambos os lutadores a respeitarem muito o adversário e a não quererem entrar em trocas de golpes agressivas. Emmett procurava mais o erro de Johnson para conseguir acertar um forte cruzado direito em contra-ataque. Johnson planeava movimentar-se longe do adversário, utilizar o direto de forma a usufruir da maior distância de braços que tem. Após quase 15 minutos de combate, Emmett consegue acertar um direto de esquerda no corpo de Johnson, que o fez baixar as mãos. Isto deixou o seu queixo completamente desprotegido, e permitiu a entrada do tal forte cruzado de direita que Emmett procurou toda a noite. Venceu assim por nocaute, aos 4 minutos e 14 segundos da terceira ronda.

A única luta entre duas mulheres no cartaz principal foi entre Karolina Kowalkiewicz e Michelle Waterson.  Waterson vinha de duas vitórias consecutivas frente a Cortney Casey no UFC on Fox 29, e Felice Herrig no UFC 229. Encontrava-se em #9 no ranking da divisão de peso-palha e este combate era uma boa oportunidade para subir alguns lugares, visto que a adversária se encontrava em #6.
A vida de Kowalkiewicz não andava fácil. Desde a derrota contra Joanna Jedrzejczyk, a polaca só venceu duas lutas em seis. À entrada para este combate vinha de uma derrota por KO na primeira ronda frente a Jessica Andrade no UFC 228.

Waterson foi mais ativa durante o combate. A nível de striking lançou 82 golpes, dos quais 64 foram significativos. Em contraste, Kowalkiewicz lançou 77 golpes e 57 desses foram significativos. Waterson conseguiu projetar a polaca por duas vezes, em quatro tentativas.
No final, a decisão foi unânime: Michelle Waterson venceu por decisão.

Paul Craig foi um dos vencedores do prémio “Performance da noite”. Lutou contra o estreante no UFC Kennedy Nzechukwu, e surpreendeu pela positiva com o seu striking. Muitos pensavam que ele ia ser dominado em pé, mas conseguiu ter uma boa estratégia para implementar o seu jogo. Perto do fim da terceira e última ronda do combate, Craig conseguiu meter o seu adversário na sua guarda e aplicou um triângulo, finalizando Nzechukwu.

Por fim, Sodiq Yusuff venceu Sheymon Moraes por decisão unânime. O americano dominou o combate no aspeto do striking: lançou 99 golpes, 73 deles foram significativos; e ainda conseguiu uma knockdown, ou seja, quase nocauteou o seu adversário. Moraes por sua vez, lançou 58 golpes, com 54 significativos. É a segunda vitória de Yusuff no UFC, lutador que espera crescer cada vez mais na divisão de peso-pena.

O próximo evento da promoção será o UFC 236 a 14 de abril. O cartaz é protagonizado por Max Hollway e Dustin Poirier, combate a valer o título interino de peso-leve.

Foto de Capa: UFC