Terminadas que estão as XXIII Olimpíadas de Inverno, é tempo de se fazerem rescaldos e olhar para os atletas que marcaram esta edição da prova rainha do Desporto e que garantiram o seu lugar de destaque na história. Houve, como é habitual nestes certames, um pouco de tudo, grandes campeões que confirmaram o seu estatuto, novas promessas que se revelaram ao mundo e veteranos a mostrar que ainda estão aí para as curvas. A maior semelhança é o domínio dos países do Norte da Europa, com a Noruega a voltar a reinar no quadro das medalhas.

De entre os 2922 participantes oriundos de 92 nações, estas são as figuras que ficam para a posterioridade.