Cabeçalho modalidades

A seleção nacional de futebol de praia apurou-se esta noite para os quartos de final do mundial da modalidade. A equipa das quinas precisou de sofrer bastante e ir a prolongamento para levar de vencida os Emirados Árabes Unidos pela margem mínima.

Esta terceira partida foi um espelho fiel daquilo que foi o percurso da nossa seleção na fase de grupos, que passarei a analisar. À partida, as perspetivas eram animadoras para a competição. Portugal tinha os mesmos doze convocados e a mesma estrutura que levaram o nosso país ao título mundial há dois anos, em Espinho. O grupo também não era considerado muito difícil, e Portugal abriu a competição frente a um estreante nestas andanças, o Panamá. Portugal entrou muito bem no jogo, com três golos muito repentinos e o jogo decorreu sem grande história, com Portugal a avolumar o marcador e a tirar claramente o pé do acelerador. A seleção orientada por Mário Narciso entrou bem na competição, com uma vitória por 7-0. Apesar de a exibição não ter sido de encher o olho, ninguém podia esperar o que aconteceu no domingo.

A seleção nacional enfrentou o Paraguai e teve um comportamento péssimo, tendo perdido por 5-3 frente aos sul americanos. Foi um jogo horrível da nossa seleção, com as nossas principais figuras claramente em défice de qualidade. Os paraguaios, que tinham perdido na primeira ronda frente aos Emirados Árabes Unidos, ficaram assim em vantagem perante a nossa equipa. Valeu a Portugal que os Emirados apenas bateram o Panamá nas grandes penalidades, no encontro da segunda ronda.

Jordan marcou dois golos ao Paraguai e tem sido dos melhores na seleção nacional Fonte: FIFA
Jordan marcou dois golos ao Paraguai e tem sido dos melhores na seleção nacional
Fonte: FIFA

Assim, chegámos a esta última ronda onde Portugal apenas tinha uma missão: vencer. Já sabendo de antemão que o Paraguai tinha goleado o Panamá e tinha assegurado a qualificação, Portugal, defrontava a seleção asiática. Apesar de se notar uma melhoria exibicional, notou-se claramente que esta está longe de ser a melhor versão da turma das quinas. Madjer não marcou um único golo em toda a fase de grupos e também não tem estado muito tempo em campo. Belchior está demasiado intermitente, apesar de ter estado claramente melhor hoje do que no jogo frente ao Paraguai. Como mais ninguém se tem destacado pela positiva entre os jogadores de campo, fica difícil à nossa equipa desequilibrar. Os portugueses chegaram à vantagem com um golo de Belchior no segundo período, mas o guarda redes contrário empatou a partida no último minuto. No prolongamento, valeu um golaço de Bruno Novo a dar o apuramento a Portugal.

Ainda assim, há que relevar um nome nesta qualificação: Elinton Andrade. O guarda redes luso-brasileiro tem estado em grande no Mundial e, depois de um jogo tranquilo frente ao Panamá, segurou as pontas possíveis da equipa frente ao Paraguai e foi um herói no jogo desta madrugada. Foi Andrade que manteve Portugal em jogo e que segurou depois a vitória, com muitíssimo mérito.

Na próxima quinta feira, Portugal joga para os quartos de final, frente ao rival de sempre na modalidade, o Brasil. O primeiro lugar no grupo era fulcral para evitar defrontar já os “canarinhos”, mas também é verdade que uma equipa que quer ser campeã não pode ter medo de defrontar ninguém. Assim sendo, que venham os brasileiros! Contudo, Portugal tem de melhorar, e muito, a sua qualidade exibicional. A jogar como fizemos na fase de grupos, podemos ser goleados.

Foto de capa: Seleções de Portugal

Comentários