Depois de três anos sem ter um português como o “Rei das Areias”, foi a vez de Jordan Santos, pela primeira vez como profissional, conseguir alcançar este título. Num ano de sonho, o internacional português venceu tudo e, se realmente houvesse mais competições, teria arrecadado também esses mesmos troféus.

Na Gala Beach Soccer Stars 2019, no Dubai, o jogador recebeu o prémio de Melhor Jogador do Mundo e ultrapassou uma concorrência forte do brasileiro Rodrigo e do italiano Gori. Este é um prémio que tem em conta uma votação de capitães e dos selecionadores de cada seleção que está integrada nas competições da Beach Soccer WorldWide. Pela segunda vez na história da modalidade, um jogador português conseguiu arrecadar este troféu para o nosso país.

Ainda temos de destacar que o melhor evento do ano de 2019 foi o Jogos Europeus de Minsk. E por quê realçar este evento? Pelo simples facto de que traz boas recordações para as cores nacionais. Foi nas areias da capital da Bielorrússia que Portugal ganhou o ouro e onde, por acaso, Jordan acabou por inscrever o seu nome na lista dos marcadores na Final contra a Espanha.

UMA ÉPOCA RECHEADA DE TÍTULOS

Foram oito os troféus coletivos que o número cinco da seleção portuguesa e do SC Braga conseguiu vencer numa só época. Época que acabou da melhor maneira com a condecoração do Melhor Jogador do Mundo da modalidade. Contudo, Jordan Santos não esqueceu aqueles que, ao longo do ano, estiveram ao seu lado. «Só é possível ganhar estes prémios jogando ao lado de grandes jogadores», afirmou o jogador.

A representar a seleção portuguesa, o jogador venceu a Liga Europeia, a medalha de ouro nos Jogos Europeus de Minsk, o Mundialito e ainda o Torneio Internacional da China. Mas não foi só de Quinas ao peito que se destacou pelos areais, Jordan Santos ainda conseguiu fazer uma época excelente com o SC Braga. Com os “Guerreiros do Minho”, foi tricampeão nacional, tricampeão europeu, vencedor do Mundialito de Clubes e ainda ergueu a primeira edição da Taça de Portugal.

Para além de ser o Melhor do Mundo, o internacional português ainda integrou o melhor cinco da época. O russo Chuzkov, o japonês Ozu, o brasileiro Rodrigo e o italiano Gori completaram os outros quatro lugares disponíveis no areal. Um cinco de ouro que, se alguma vez, se juntasse para jogar seria quase impossível de ser vencido.

Assim, Portugal volta a estar no mapa do Futebol de Praia mundial – se é que alguma vez tenha saído do mesmo. Desde já, felicitamos o Jordan Santos pelo prémio arrecadado no Dubai. Agora é tempo de olhar para o Mundial no Paraguai, porque tanto o Jordan, como todos os portugueses, deve ter já esta competição no pensamento. E, de certeza, também terá uma outra vontade: a de vencer já esta competição.

Foto de Capa: FPF

Artigo revisto por Joana Mendes

Comentários