Cabeçalho modalidadesCampeões em Siófok! Depois da conquista da etapa realizada na Nazaré, Portugal derrotou, este domingo, a Bielorrússia por 3-1 e garantiu a conquista da etapa realizada na Hungria. Além disso, a seleção nacional chega imbatível à Superfinal, tendo vencido quatro jogos em tempo regulamentar, um no prolongamento e outro nas grandes penalidades.

O encontro teve um início morno e equilibrado, com a seleção da Bielorrússia a estar um pouco por cima, embora não conseguisse criar grande perigo para a baliza de Andrade.

Jogados cerca de três minutos, Bryshtsel rematou de bicicleta por cima e no contra-ataque, Bruno Novo não conseguiu aproveitar um passe de um colega de equipa, mas na recarga Léo Martins abriu o marcador. A Bielorrússia respondeu e um minuto depois, Samsonov disse sim a um lançamento do seu guarda-redes e restabeleceu o empate. Contudo, a nova igualdade poderia ter durado pouco, não fosse uma defesa de Andrade a um livre perigo batido por Samsonov.

Com o andamento da primeira parte o equilibro manteve-se e nenhuma das seleções se conseguia superar à outra.

Ainda antes do intervalo, Portugal beneficiou de um livre perigoso em zona frontal, mas Jordan não conseguiu bater Makarevich.

Anúncio Publicitário

Chegado o final do primeiro período, Portugal e Bielorrússia empatavam a 1-1. Resultado adequado ao apresentado no areal de Siófok.

Fonte: FPF
Fonte: FPF

No retomar do jogo, o equilíbrio manteve-se, mas a primeira seleção a criar perigo foi a Bielorrússia. Com pouco mais de dois minutos, Andrade teve que se aplicar para defender um pontapé de bicicleta de Chaikouski. Volvidos alguns segundos, Portugal usufruiu de um livre perigoso, mas Madjer não conseguiu concretizar.

Os minutos iam passando e as oportunidades acumulavam-se para os dois lados, mas ninguém conseguia chegar ao 2-1. Inicialmente, foi a seleção nacional a ter três chances, por intermédio de Bê Martins, Coimbra e Jordan, mas o guarda-redes bielorrusso defendeu tudo. Depois, foi a vez da Bielorrússia estar perto do segundo. Aos dezassete minutos, Miranovich esteve perto de aproveitar um lançamento de Makarevich, mas o seu remate saiu um pouco ao lado do poste direito da baliza portuguesa. Três minutos depois, novo susto para Portugal, em virtude de um pontapé de bicicleta de Savich, espetacularmente defendido por Andrade. Porém, a história da segunda parte ainda não estava contada e a menos de um minuto da pausa, Bryshtsel, o capitão da Bielorrússia, enviou um remate à barra. Andrade estava batido.

Finalizado o segundo período, o resultado continuava na mesma. Porém, era a seleção da Bielorrússia quem ia tendo mais e melhores oportunidades para se adiantar no marcador.

No inicio do derradeiro período, Portugal tentava impor a matriz de jogo a quem nos tem vindo a habituar nos últimos jogos, mas sem grande êxito e quem esteve perto de marca foi a Bielorrússia, em virtude de um mau atraso de Bruno Novo. Valeu Andrade. Pouco depois, a seleção nacional esteve quase a aumentar a vantagem, mas o pé cego de Jordan enviou o esférico por cima. Todavia, passados alguns segundos, Bryshtsel cometeu falta sobre Léo Martins em zona perigosa e o número três não desperdiçou e colocou a seleção das quinas na frente.

O golo fez bem a Portugal, que tomou conta do encontro, circulando o esférico e criando algumas oportunidades para aumentar o score, enquanto que a Bielorrússia tentava responder, mas sem conseguir criar grande perigo.

A pouco mais de três minutos para o final, o conjunto de Mário Narciso esteve perto de acabar com o jogo, mas uma defesa para fotografia de Makarevich, impediu um golo de bandeira a Madjer. Mesmo assim, a superioridade de Portugal era notória e passado cerca de um minuto, Ricardinho esteve perto do terceiro, mas o guarda-redes voltou a negar o golo à seleção nacional. Contudo, a um momento de magia nada se pode fazer e foi isso mesmo que aconteceu bem perto do final. Jordan, numa situação bem complicada, conseguiu sair de uma cabine telefónica e disparou para o fundo das redes bielorussas, confirmando a vitória lusa na etapa de Siófok.

Naquele que foi o seu melhor período do encontro, onde foi nitidamente superior, Portugal garantiu mais uma vitória, assim como, a conquista, a par da Hungria na divisão B, da quarta etapa da liga europeia de futebol de praia.

Para além da conquista da etapa, Portugal ainda conquistou um prémio individual, visto que, Jordan foi considerado o MVP da competição.

Terminada a sua fase de prolongamento, Portugal apenas voltará a jogar em setembro na Superfinal que se realiza entre os dias 14 a 17 em Terracina, Itália.

Foto de Capa: FPF

Comentários