Anterior1 de 3Próximo

O Sporting CP, que estava na terceira final consecutiva, procurava finalmente levantar o troféu pela primeira vez. Já o AFC Kairat Futsal tinha a intenção de expor a terceira taça europeia na sala de troféus. Portugueses e cazaques já se enfrentaram por duas vezes com uma vitória para cada um dos lados, com a particularidade de o último jogo ter sido nesta competição – vitória por 2-1 para o Kairat.

O minuto dois foi rico em oportunidades para os “verdes e brancos”. Primeiro, Cavinato a aproveitar uma bola pelo ar e a rematar, mas Higuita estava atento e defendeu. Segundos depois, uma jogada semelhante e o italobrasileiro a falhar novamente. Depois foi Dieguinho a falhar escandalosamente ao segundo poste onde era apenas necessário encostar a bola.

Começava muito melhor o Sporting do que o Kairat. Os portugueses começavam esta final mais sólidos tanto a defender como a atacar e os cazaques mostravam muito nervosismo talvez por serem anfitriões. Porém, o equilíbrio voltou a encontrar os caminhos deste jogo importante, novamente.

Dez minutos onde as oportunidades acabavam por não surgir porque as equipas estavam muito equilibradas e não davam espaço para que nenhuma criasse perigo. Havia muita luta a meio campo e poucos remates. Quando apareciam, estava lá tanto Higuita como Guitta para deixar um nulo no resultado.

O Kairat a não conseguir usar a sua tática habitual com Higuita subido no terreno, tendo vantagem num cinco para quatro. Os cazaques chegavam com perigo à baliza leonina através de bolas paradas. Mas as melhores oportunidades acabavam por ser dos “verdes e brancos”.

Ao minuto 17, após remate de Erick, o ala do Sporting Cavinato a falhar novamente ao segundo poste de forma incrível quando se encontrava sozinho. O facto de a bola ter vindo de um ressalto pode ter dificultado a tarefa ao número 17 dos “leões”.

Anúncio Publicitário

Higuita, a faltar 1.57 para o final da primeira parte, a subir no terreno para uma reposição lateral e a rematar de primeira com força para a defesa de Guitta. Na resposta Dieguinho a rematar muito perto da baliza, mas a bola teimava em entrar na baliza dos cazaques.

A faltar 35 segundos para o intervalo, uma grande defesa de Guitta após um canto batido no lado esquerdo do ataque. O remate foi de Taynan Silva que depois de um canto apareceu em zona frontal, mas estava atento o guarda-redes do Sporting para negar o golo.

Os jogadores de ambas as equipas foram para o intervalo com um nulo na partida. O Sporting estava por cima do jogo e estava mais próximo de conseguir o primeiro golo nesta final europeia. Mas isso não aconteceu neste primeiro tempo e faltou isso mesmo à equipa portuguesa: o golo.

A segunda parte começou muito bem para o Sporting. Ao segundo minuto, Cardinal fundamental a fazer um grande trabalho pela direita, cruzou a bola para dentro e ao segundo poste estava Cavinato que, finalmente, conseguiu encostar para o primeiro golo da tarde. O número 17 tinha encontrado o caminho do golo.

Ao minuto 7, Merlim a não ter dó nem piedade de Higuita e a fazer um “golaço” de bico no ângulo direito. O ala do Sporting não hesitou e rematou para o segundo golo da equipa. Os golos que não tinham sido feitos na primeira parte a entrarem todos agora na segunda. Estava feito o 2-0 para os “leões”.

Alex Merlim no momento do remate do segundo golo que valeu ao Sporting CP o primeiro título europeu na modalidade
Fonte: UEFA

O Kairat já estava a tentar, antes do segundo golo, tudo com o cinco para quatro com Higuita. Agora subia muito mais as suas linhas e procuravam reduzir a desvantagem no jogo. Já o Sporting tentava manter a posse de bola para que o tempo, que corria a seu favor, passasse muito mais rápido e ter assim o controlo do jogo.

O número seis do Kairat, Edson, a subir no terreno sozinho e praticamente sem ângulo conseguiu rematar, mas estava lá Guitta, que fez um jogo irrepreensível, para defender. Continuava o marcador igual na Almaty Arena muito graças ao guarda-redes brasileiro.

Ao minuto 18, finalmente o cinco para quatro funcionou para a equipa cazaque, porém, com a marca de Tursagulov. Após uma boa jogada coletiva, o número 14 Douglas Júnior a marcar para o Kairat com um belo remate. O jogo continuava ainda 2-1 a favor do Sporting e o nervosismo instalava-se.

A faltar apenas 36.9 segundos para o final. O guarda-redes avançado do Kairat Tursagulov a rematar perto do segundo poste, mas Guitta não deixou marcar o golo que empatava o jogo e poderia levar ao prolongamento. Esta foi a defesa que valeu o título europeu ao Sporting.

Final do jogo com vitória mais do que justa para a equipa do Sporting, que foi a melhor a todos os níveis durante todos os períodos do jogo do que a equipa do Kairat Almaty. O Sporting ganhou, finalmente, o primeiro título europeu de futsal na sua história.

Afinal, o ditado português estava correto e à terceira vez foi mesmo de vez! Os “leões” que estavam na terceira final consecutiva ganharam-na! O Kairat Almaty continua sem conseguir vencer a competição europeia em condição de anfitrião.

O futsal do Sporting e o português está de parabéns por conseguir a UEFA Futsal Champions League. Este é o segundo troféu a vir para Portugal, depois de o SL Benfica já ter vencido em 2010, em Lisboa, a primeira para os portugueses.

CINCOS INICIAIS:

Sporting CP – Guitta (GR), Erick, Dieguinho, Alex Merlim e Cavinato

AFC Kairat Futsal – Higuita (GR), Edson, Rangel, John Lennon e Taynan

Anterior1 de 3Próximo

Comentários

Artigo anteriorE-Prix | Paris, como te amo!
Próximo artigoO homem do leme
É aluno de Jornalismo na Escola Superior de Comunicação Social, tem 20 anos e é de Queluz. É um apaixonado pelo desporto. Praticou futebol, futsal e atletismo, mas sem grande sucesso. Prefere apreciar o desporto do lado de fora. O seu sonho é conciliar as duas coisas de que gosta, a escrita e o desporto.                                                                                                                                                 O João escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.