Cabeçalho Liga Brasileira

A seleção brasileira de futebol venceu a medalha de ouro destes Jogos Olímpicos 2016. Era o único título que faltava à seleção canarinha. Os brasileiros, nos dias que correm, brincam e pedem para que seja inventado um novo torneio de futebol, pois o escrete já venceu todos aqueles que existem.

A campanha do Brasil foi, pode-se dizer, meritória. Em seis jogos (três na fase de grupos e mais três no “mata-mata”) sofreu apenas um golo – precisamente na final. E se é verdade que esteve em branco contra os modestos Iraque e África do Sul (ambos 0-0), a seleção de sub-23 do Brasil acabou por ser o melhor ataque da prova, com uns impressionantes 13 tentos, nessas mesmas seis partidas disputadas.

A festa ficou mesmo em casa Fonte: Liberal
A festa ficou mesmo em casa
Fonte: Liberal

É verdade que a FIFA nunca deixará que o Comité Olímpico Internacional (COI) ofusque os seus torneios. Se pensarmos que, não raras vezes, na maioria dos desportos como as provas de atletismo, natação, equitação, e até mesmo o andebol, vólei, ou basquetebol, existe uma maior projeção ao ser-se campeão Olímpico do que campeão Mundial, no futebol isso não acontece. Aliás, eu diria até que ser campeão continental (Europeu ou Americano, por exemplo), é muito mais importante do que ganhar uma “mera” medalha de ouro nas Olimpíadas. Até porque esse ouro é só um. Não é dividido pelo número de atletas que compõem essa seleção.