A CRÓNICA: LIVRE DE ANGEL GARANTE TERCEIRA VITÓRIA NA LIGA

Boavista FC e Moreirense FC encontraram-se no Estádio do Bessa, em jogo a contar para a 20.ª jornada da Primeira Liga. Num jogo especial para Vasco Seabra, que começou a época ao comando dos axadrezados, o técnico saiu com um sabor amargo, após ter sido derrotado por uma bola a zero.

Para se vencer, é necessário ser-se incisivo, principalmente no último terço do terreno, e nenhuma das equipas o conseguiu ser no primeiro tempo. Com o Moreirense por cima do jogo, sempre sob a batuta de Filipe Soares no meio-campo, foi o Boavista que criou a melhor oportunidade do primeiro tempo. Elis, isolado, atirou, aos 17′, para uma excelente intervenção de Pasinato.

A segunda parte começou praticamente com os festejos axadrezados. Aos 53′, Angel Gomes sofreu uma falta à entrada da área adversária e converteu, com grande classe e eficácia, o livre direto, dando vantagem ao Boavista. Três minutos depois, o mesmo número 10 dos homens da casa esteve em destaque ao desmarcar Elis, que, isolado, perdoou perante Pasinato.

Aos 68′, o Moreirense marcou mesmo, por Rafael Martins, mas o lance foi anulado por fora de jogo. Não marcaram os cónegos, iam marcando os boavisteiros por Javi García. Mais uma vez, Angel, na cobrança do canto, e o espanhol cabeceou ao poste direito da baliza de Pasinato.

Anúncio Publicitário

Já em tempo de compensação, com o Moreirense todo subido à procura do golo que daria o empate, Ferraresi cruzou e Derik atirou ao primeiro poste, mas Léo Jardim salvou e garantiu a vitória do Boavista. As panteras sobem, assim, provisoriamente, ao 14.º posto da Primeira Liga.

A FIGURA

Fonte: Diogo Cardoso / Bola na Rede

O FORA DE JOGO

Fonte: Diogo Cardoso/Bola na Rede

Saída de Filipe Soares – O número 21, apesar de alguns erros na distribuição, vinha sendo o mais esclarecido em campo e o principal interveniente no caudal ofensivo do emblema de Moreira de Cónegos.

ANÁLISE TÁTICA – BOAVISTA FC

 O Boavista FC apresentou-se no 4-4-2 habitual, sendo que, no processo ofensivo, os médios axadrezados baixavam, alternadamente, para vir buscar jogo e criar a partir de trás. Javi García colocou-se mesmo entre os centrais para distribuir em superioridade e dar mais linhas de passe à defesa, face à pressão dos cónegos.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Léo Jardim (6)
Mangas (5)
Chidozie (5)
Devenish (5)
Cannon (5)
Paulinho (5)
Javi García (6)
Sauer (6)
Nuno Santos (5)
Elis (6)
Angel Gomes (7)

SUBS UTILIZADOS

Porozo (5)
Yusupha (5)
Sebastian Perez (5)

ANÁLISE TÁTICA – MOREIRENSE FC 

O Moreirense FC manteve o 5-3-2 habitual, sendo que, em momento de ataque, os laterais subiam para dar apoio ofensivo e a construção era feita pelos três centrais, mas quase sempre com a mesma direção: Filipe Soares. O 21 do Moreirense foi o cérebro da equipa, distribuindo jogo. A nível defensivo, os cónegos tentaram pressionar  a saída de bola axadrezada, de forma a recuperar alto e aproveitar a velocidade dos seus avançados.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

 Pasinato (6)
Abdoulaye (5)
Rosic (5)
Ferraresi (6)
Abdu (5)
D’ Alberto (5)
Fábio Pacheco (5)
Yan Matheus (5)
Filipe Soares (6)
Lucas Silva (5)
Walterson (5)

SUBS UTILIZADOS

Rafael Martins (6)
David Simão (5)
Derik (6)
André Luís (5)

BnR NA CONFERÊNCIA DE IMPRENSA

Boavista FC

Bola na Rede: Apesar da vitória, o Boavista podia ter conseguido uma margem mais folgada, fruto das oportunidades que desperdiçou. Isto traz-lhe um misto de satisfação e tristeza por, por um lado, a equipa conseguir criar mais, mas, por outro, ter desperdiçado ocasiões flagrantes de golo?

Jesualdo Ferreira: Há que dividir o jogo em dois níveis: um nos primeiros 35 minutos, em que a equipa fez um jogo de grande qualidade, pelas oportunidades criadas. Temos de ser realistas e pragmáticos, o Moreirense teve duas ocasiões no jogo todo, tivemos mais ocasiões, tivemos o controlo do jogo de forma clara nos primeiros 35 minutos e, na segunda parte, entramos com uma estrutura tática mais aberta, quando fizemos o golo voltou todo o filme atrás, a equipa acabou por perder o fio, é difícil haver discernimento, é difícil jogar em situações como estas. O gosto, prazer meu, é pelos jogadores e não pelo que fizemos nos últimos 30 minutos. Eu compreendo-os e eles compreendem-me. Esta foi aquela vitória que, desde a quarta jornada, nunca conseguimos, e essa vitória significa um estado mais saudável durante os próximos dias e a animação que vamos ter para o jogo com o Vitória SC. A partir de agora são finais, temos de levar daqui a atitude dos jogadores, todos trabalharam, assumiram aquilo quer era o nosso objetivo, não só os três pontos, mas também a atitude.

Moreirense FC

Bola na Rede: Apesar de alguns erros na distribuição, o Filipe Soares vinha sendo o principal interveniente da equipa no processo ofensivo na primeira parte. Quando o tirou, sente que a equipa perdeu um pouco de esclarecimento no meio-campo?

Vasco Seabra: Aquilo que sentíamos era que o Filipe estava a traduzir coisas importantes para o jogo, aquilo que procuramos foi trazer um jogador que tinha uma ligação de passe mais à frente e estávamos a sentir algum desgaste nos jogadores que tiramos. O objetivo era sermos mais velozes na forma como rodamos a bola no último terço para criarmos mais oportunidades.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome