Cabeçalho Futebol Nacional

Já acabou. Em Braga até já se sabia o desfecho. 34 jornadas depois o quarto lugar é mesmo nosso. Com todo o mérito, diga-se. Sim, foi bom, mas não óptimo. Num campeonato para rodar, ficámos em quarto lugar. A aposta nas provas a eliminar foi a meu ver maior. Preterido em certas alturas, foi o campeonato.

«Claro que sim, meu bom senhor! Até que tem razão, podíamos ter dado mais…». Mas a verdade é que para primeiro ano, com um excelente treinador e uma equipa que se soube adequar às pedras que pelo caminho iam surgindo, fizemos um bom trabalho. Digo isto pois a marca deixada na época passada por Sérgio Conceição levou a um amargo de boca não só na Taça mas também no campeonato. E provavelmente com melhores soluções em alguns casos… É a minha opinião.

Falo do alto da minha ingenuidade para perceber que, a partir de certa altura, a luta estava a três e o Braga discutia consigo mesmo. Sendo assim, a meta seria ultrapassar os pontos conseguidos na época transacta. Chegámos lá, é certo… Mas não ultrapassámos… Sérgio e Paulo estão quites no que ao campeonato toca. Agora, é também de realçar que o que foi servido de prato principal este ano não só foi melhor do que a época passada como trouxe aquele «molhinho» extra europeu, uma dose de golos saborosos bem guarnecida, e ainda uma tacinha que estava na conta mas da qual não chegámos a beber… Na de Portugal lá estamos. Juntos. Chegados até aqui, 2-0 para o Paulo, e para a semana espera-se o hat-trick!

Ao longo do ano «futebolístico», o Braga soube bater-se contra qualquer equipa. Sim, perdemos alguns jogos e empatámos outros sem grande  sentido, mas a verdade é que o prato não dava para ter de tudo… Neste ano, as soluções apresentadas pelo Braga eram reduzidas no que ao meio campo e à defesa toca, e nem assim a toalha foi atirada ao chão. Jogando com as segundas, terceiras e quantas mais linhas quiser traçar, o Braga mostrou sempre o coração guerreiro que o move e o faz sonhar sempre mais.

Anúncio Publicitário
O 4.º lugar é justíssimo para o SC Braga Fonte: SC Braga
O 4.º lugar é justíssimo para o SC Braga
Fonte: SC Braga

Como lhe dizia, em certas alturas aquele quê de sorte não existiu para catapultar os arsenalistas na tabela. Jogos frente ao Arouca, V. Guimarães, Benfica e Moreirense em casa são alguns dos exemplos em que o Braga não conseguiu impor-se e demonstrar todo o bom futebol que praticava. Não coloco os adversários em pé de igualdade, mas a verdade é que bastaram pequenos erros para não sairmos com a vitória. No primeiro exemplo, terá sido uma das melhores sestas que eu tive ao longo do ano. Foram 90 minutos de puro relaxamento. Uma massagem «vichy» para os olhos. No segundo, inserindo a ideia de que os dérbis são jogos diferentes de todos os outros, o resultado é adequado e algo justo, mas depois de ver o que somos capazes de fazer custou um bocadinho! Sim, o peso do jogo é diferente e só a vitória conta. 3-3, tanto golo e tanto jogo que só deu para o empate. Esteve pelo quase… O terceiro caso é totalmente diferente.

O Benfica dispõe de soluções para quase todos os gostos e soube encerrar cedo o jogo em Braga. Não jogava metade do que aquilo que o fez ser campeão nacional, mas a verdade é que chegou. Se aos trinta segundos a bola vai à rede e não ao poste, estou certo de que o desfecho seria totalmente diferente! Enfim, postes e Benfica… Por último, e já bem mais tarde no que ao calendário diz respeito, o jogo frente ao Moreirense só não chateou mais pois o quarto lugar já era terra e o quinto olhava pelo telescópio. Para o ano de certeza que há mais! Poderia falar-lhe mais um bocadinho, mas prefiro ser honesto e dizer-lhe que estou feliz. Estamos de parabéns por tudo o que conseguimos. Ou quase conseguimos… Para a semana o jogo que se avizinha é particularmente interessante, no qual eu desejo, espero e quero que o Braga traga a Taça. Se desta vez a Taça vier para Braga, não vai ser só alegria que se vai sentir. Vai ver-se também uma esperança única de acreditar que para o ano estamos mais que vivos, e começamos a época a disputar mais um troféu.

Por fim, queria deixar umas poucas palavras à equipa do Braga, ao clube, à estrutura e à direcção, aos adeptos e ao Paulo Fonseca. Para este último um agradecimento especial e um pedido para que continue. Pessoal, está tudo de parabéns e para a semana lá estamos a brindar de Taça na mão!

Foto de Capa: SC Braga

Artigo revisto por: Manuela Baptista Coelho

Artigo anteriorBailando para o 36
Próximo artigoO campeonato dos contos de fadas
O Pedro tem 22 anos, é arqueólogo de formação e jornalista desportivo por inspiração. Teve oportunidade de praticar vários desportos, o que proporcionou esta paixão. Frequenta o mestrado em História e é minhoto. Gosta muito dos seus amigos e por isso tenta preservá-los. Também gosta de teatro e é ator amador. Frequentou formações no 'Cenjor' e no 'Palavras Ditas' porque gosta de enriquecer a vida profissional. Um dia espera ser relator de futebol.                                                                                                                                                 O Pedro não escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.