Protagonista de uma das transferências mais surpreendentes do último defeso, o regresso de Fábio Coentrão ao Rio Ave FC tem-se revelado mais que acertado, tanto para ele, para a equipa, como para o nosso campeonato.

Com apenas 30 anos, o internacional português por mais de 50 ocasiões (52 jogos, cinco golos pela seleção Nacional), rescindiu com o atual tricampeão da Europa e bicampeão mundial, Real Madrid CF, e assinou por uma época com o clube que o formou e lançou a nível sénior.

Trajeto

Coentrão deu nas vistas logo na sua primeira época de sénior. Aposta de João Eusébio, na II Liga Portuguesa, Fábio marcava a diferença pelas suas arrancadas pela esquerda, atuando como extremo esquerdo. De drible fácil, veloz e bastante atrevido, o miúdo das Caxinas começou logo a ser cobiçado pelos três grandes e, logo no verão de 2007, com apenas 19 anos, Coentrão assina pelo SL Benfica a troco de 900 mil euros.

Anúncio Publicitário

Para surpresa de muita gente, o jovem talento conseguiu convencer Fernando Santos e ficou no plantel até janeiro, realizando 7 jogos. Depois seguiu-se um empréstimo muito bem sucedido ao CD Nacional, onde se afirmou rapidamente e conseguiu quatro golos em 16 jogos.

Na época seguinte, Coentrão foi extremamente cobiçado e, sem a garantia de ser uma aposta recorrente na Luz, acabou por rumar à Liga Adelante para reforçar o Real Zaragoza de Marcelino Toral (atual técnico do Valencia CF). Foi um fiasco, tendo realizado apenas um jogo e saindo logo em janeiro para o Rio Ave CF, onde voltou a destacar-se.

Fábio Coentrão regressou esta época à equipa que o viu ‘nascer’ para o futebol
Fonte: Rio Ave FC

A carreira de Coentrão começa a engrenar no caminho do estrelato na época 2009/2010, com Jorge Jesus. O mítico técnico português apostou em Coentrão não a extremo esquerdo, mas sim a defesa esquerdo. Considerado irreverente e até ‘indisciplinado taticamente’, esta adaptação foi surpreendente, mas fez furor e mudou a vida do jogador. Em duas épocas pelo SL Benfica, Coentrão fez 90 jogos oficiais e marcou 8 golos, saindo, no verão de 2011, para o Real Madrid CF por 30 milhões de euros.

Lutando com Marcelo pela titularidade, Coentrão conseguiu jogar com regularidade nas duas primeiras épocas pelos ‘Merengues’, perdendo espaço nas duas épocas seguintes. Seguiu-se um empréstimo ao AS Mónaco, regresso ao Real Madrid CF e novo empréstimo, na época passada, ao Sporting CP. Atuando sempre na ala esquerda, Fábio, em todas estas temporadas, alinhou quase exclusivamente a defesa esquerdo, sendo utilizado pontualmente a extremo.

1
2
Artigo anteriorThank you, JT
Próximo artigoInstabilidade exibicional justificada!
O Rúben é um verdadeiro apaixonado pelo futebol, sem preferência clubística. Adepto do futebol, admira qualquer estratégia ou modelo de jogo. Seja o tiki taka ou o catenaccio, importante é desfrutar e descodificar os momentos do jogo e as ideias dos técnicos. Para ele, futebol é paixão, trabalho, competência, luta, talento, eficácia, etc. Tudo é possível, não existem justos vencedores ou injustos perdedores, e é isto que torna o futebol um desporto tão bonito.                                                                                                                                                 O Rúben escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.