A CRÓNICA: RESULTADO ILUSTRA IDEIAS PARA CHEGAR À BALIZA

O penúltimo classificado, o Académico de Viseu FC, recebia o sétimo classificado da Segunda Liga, o FC Penafiel.

O jogo começou numa toada interessante, com as duas equipas a construírem jogadas bem pensadas, com boas trocas de bola. No entanto, À medida que o tempo foi pensando rapidamente desvaneceu-se. As equipas passaram a tentar explorar mais bolas longas, para ter chegar à baliza adversária, com um ligeiro ascendente dos viseenses.

Contudo, o intervalo acabou por chegar sem uma oportunidade, nem sequer nenhum remate digno de registo. A única situação digna de registo foi o cartão amarelado admoestado a Carter, por entrada dura sobre Vasco Braga.

Anúncio Publicitário

A segunda parte começou como a primeira: as equipas a quererem contruir jogo através de combinações, a partir de atrás. Contudo, só aos 58 minutos surgiria o primeiro remate do jogo, no início dos dois/três minutos mais alucinantes do jogo. Ronaldo cabeceou, em bola posição na área, à figura de Ricardo Fernandes. Na jogada a seguir, André Carvalhas chegou atrasado ao cruzamento de Jorge Miguel e em bola posição para rematar apenas conseguiu desviar a bola para a linha de fundo. Logo de seguida, os visitantes responderam novamente por Ronaldo. À entrada da grande área, o avançado tentou picar a bola por cima do guardião academista, que estava adiantado, mas Ricardo Fernandes fez bem a mancha. A bola sobrou para Wagner, que já fora da área, rematou muito por cima.

A seguir voltou-se à mesma toada da primeira parte, com os técnicos a aproveitarem para mexerem nos onzes.

Aos 75 minutos, Ayongo à entrada da área fez remate acrobático por cima da baliza de Luís Ribeiro. Logo de seguida, o recém-entrado Gustavo Henrique rematou, de fora de área, perto do poste direito da baliza dos da casa, e obrigou Ricardo Fernandes a esticar-se para uma defesa mais vistosa do que difícil.

O Académico de Viseu FC acabaria por estar perto de marcar, na sequência de um canto do lado direito, num lance confuso, com muitos ressaltos, em que o capitão Capela afastou a bola, já quase em cima da linha de golo.

Académico de Viseu x Penafiel
Fonte: Bola na Rede

Nos minutos finais, foi a equipa da casa que acabou por estar mais perto da baliza adversária, com vários remates efetuados, contudo, sem a melhor direção.

Empate final aceita-se, que demostra a falta de ideias das equipas, na maioria do tempo do jogo. Como disse o lançador Marcos Fortes, nos Jogos Olímpicos de Pequim, “De manhã, só estou bem na caminha”. É o que devem ter pensado todos os que assistiram a esta partida.

 

A FIGURA

 

Bruninho – Jogou só 20 minutos, mas bastou para se destacar. Dinamizou o lado direito do ataque viseense, como não se viu no resto do jogo. Fez vários cruzamentos e teve várias combinações com colegas, que podiam ter sido melhor aproveitados.

 

O FORA DE JOGO

O jogador Bruno César foi emprestado ao FC Penafiel pelo CR Vasco da Gama até ao final da época. Bem-vindo Bruno César! #penafielemmarcha pic.twitter.com/sH6fDLN5nc

— FC Penafiel (@fcpenafiel) October 5, 2020

Bruno CésarDe um jogador com a experiência e ainda com a qualidade do jogador brasileiro, esperava-se muito mais. Esteve desinspirado e sem dar nenhuma contribuição ao jogo. Não se viu em campo, até aos 62 minutos, altura em que foi substituído. 

ANÁLISE TÁTICA – ACADÉMICO DE VISEU FC

Pedro Duarte apostou num 4-4-2, que se transformava, por vezes, em 4-2-4, em momento ofensivo. Explorou os corredores, em especial, o direito com Yuri Araújo. Carter era a referência atacante, para conseguir segurar a bola, em direção à área. A equipa da casa tentou exercer pressão alta sobre o Penafiel, em especial quando estivessem a trocar a bola, nas imediações da sua grande área, mas sem eficácia. André Carvalhas funcionava como apoio ao ponta de lança. para as alas do meio-campo/ataque. Zimbabwe e Paná faziam a dupla no meio campo. Na altura de arriscar, o treinador retirou Paná e meteu mais unidade ofensiva, Bruninho.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Ricardo Fernandes (6)

Jorge Miguel (7)

Mathaus (7)

João Pica (7)

Mesquita (7)

Zimbabwe (6)

Paná (6)

Luisinho (6)

André Carvalhas (5)

Yuri Araújo (6)

Carter (5)

SUBS UTILIZADOS

Jeremias Push (5)

Ayongo (6)

Bruninho (7)

João Vasco (-)

 

ANÁLISE TÁTICA – FC PENAFIEL

Pedro Ribeiro apostou num 4-4-2, com Wagner e Ronaldo na frente do ataque. A nível ofensivo, o Penafiel explorou mais a ala esquerda, aproveitando a velocidade de Simão. A defender, o esquema tático alterava-se para um 5-2-2, com o recuo de Simão para a lateral esquerda e Paulo Henrique a juntar-se à dupla de centrais, David Santos e Vini, no centro da defesa.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Luís Ribeiro (6)

Vini (7)

David Santos (7)

Paulo Henrique (7)

Simão (6)

Capela (6)

João Amorim (6)

Bruno César (5)

Vasco Braga (6)

Wagner (5)

Ronaldo (6)

SUBS UTILIZADOS

Coronas (6)

Ludovic (6)

Franco (6)

Gustavo Henrique (6)

BnR NA CONFERÊNCIA DE IMPRENSA

Bola na Rede: Inicialmente no jogo, o objetivo do Penafiel era ter o domínio de jogo ou deixar o Académico de Viseu FC tomar as rédeas da partida para explorar o espaço vazio?

Pedro Ribeiro: O Penafiel tem uma ideia de jogo muito clara e quem nos analisa sabe perfeitamente como nós jogamos e quem nos analisa entende perfeitamente como nós jogamos. No futebol não há segredos e as equipas com ideias claras como é o caso do adversário, qualquer adversário sabe perfeitamente o que vai acontecer. A equipa que esperou pelo jogo não foi a equipa do Penafiel. A equipa do Penafiel procurou durante todo o jogo chegar à vitória. A estratégia do Académico que eu respeito e que eventualmente poderá dar os frutos que a equipa pretende, foi de esperar pelo jogo, ver o que jogo daria em situações de contra-ataque fundamentalmente. A nossa equipa teve sempre muito mais bola, pressionou, tentou condicionar e levar o jogo para onde nos interessava. Nós não tivemos a inspiração a que estamos habituados, mas trabalhámos muito, fomos uma equipa compacta, uma equipa com querer. Vamos procurar os três pontos no próximo jogo.

Bola na Rede: As substituições feitas foram no sentido de ganhar a partida? Vamos ver um Académico mais ofensivo, nos próximos jogos, à semelhança dos últimos minutos deste duelo?

Pedro Duarte: Nós queríamos a vitória. E, nós, treinadores, quando queremos a vitória, temos de dar sinais aos jogadores que a queremos. O jogo estava 0-0 e as substituições foram nesse sentido. Satisfeito com os atletas que entraram acabaram por fazer o que nós pedimos e acrescentaram qualidade à equipa, mantendo a equipa bem organizada e competitiva. Mas acho que o treinador, equipa técnica, tem também o papel importante, a fazer sentir à equipa que está 0-0, mas que temos condições para ganhar. O caminho é longo, o trabalho vai ser duro, mas estamos satisfeitos com o que os jogadores têm feito. Obviamente, temos de traduzir em mais vitórias e vamos consegui-lo, pela forma como os jogadores se entregam, pelo crescimento que a equipa tem tido. Tenho a convicção que vamos conseguir os nossos objetivos.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome