A CRÓNICA: COVA DA PIEDADE DOMINOU, MARCOU E GERIU

O último classificado ainda sem ter vencido esta época recebia o Cova de Piedade, que vinha de duas derrotas consecutivas para Segunda Liga.

O duelo começou com a equipa forasteira mais atrevida no ataque. Aos quatro minutos bola no poste direito por remate de longe de Gonçalo Maria. Três minutos depois, foi Pepo do meio campo a tentar surpreender o adiantado Janota que acabou por não segurar a bola e deixá-la sair pela linha de fundo.

Logo no minuto seguinte, o Cova da Piedade teve a melhor oportunidade num canto, em que João Vieira obrigou o guardião academista para uma defesa apertada em resposta a um cabeceamento do ponta de lança que ia para dentro da baliza.

O jogo acabou por entrar numa toada mais morna, sem jogadas de perigo para as duas balizas. Só aos 22 minutos voltou a haver um remate desta vez para a equipa da casa. Numa boa combinação com Fernando Ferreira, Luisinho à entrada da área rematou para uma defesa segura de Cléber Santana.

Anúncio Publicitário

E, quando o Cova da Piedade parecia mais adormecido na partida e dar o domínio do jogo ao Académico de Viseu, os forasteiros chegaram ao golo, num lance caricato. Joel perdeu a bola para Gonçalo Maria, nas imediações da sua área que cruzou e a bola acabou por sofrer uma série de ressaltos com Joel a fazer autogolo. O Cova da Piedade ficava assim à frente no marcador e voltou a dominar a partida, estando mais perto de alargar a vantagem. Aos 42 minutos, Patrão rematou na sequência de um livre do lado esquerdo do ataque dos forasteiros para defesa apertada do guarda redes da equipa da casa. No mesmo minuto, a equipa de Almada acabaria mesmo por chegar ao 2-0 através de João Vieira. O ponta de lança recebeu a bola resultante de uma disputa de bola e isolado perante Janota rematou rasteiro para o segundo do Cova da Piedade.

Para a segunda parte, Sérgio Bóris fez uma tripla substituição. A equipa da casa passou a ter mais bola e a estar mais perto da baliza de Cleber Santana. No entanto, não havia oportunidades de perigo. A melhor foi aos 56 minutos num contra-ataque rápido, Carter acabou por fazer um cruzamento remate a passar perto do poste esquerdo da baliza do Cova do Piedade. Já na defesa, a equipa do Académico continuava desnorteada. Aos 64 minutos Mathaus demora muito a atrasar a bola para janota que pressionado acaba por a bola nos pés de Pepo, sem consequências para a baliza dos viseenses.

O jogo acabou por ficar mais dividido com o Cova da Piedade a voltar a ter nova oportunidade. Aos 78 minutos, na sequência de um livre, cabeceamento de Bruno Sapo por cima da baliza de Janota.

A vitória acabou por ser justa para o Cova do Piedade, enquanto a equipa do Académico de Viseu se mantém no fundo da tabela.

 

A FIGURA

 

João Vieira – O avançado acabou por fazer uma boa exibição na frente do ataque, com um golo marcado e com a boa parceria com Arnold. Muito bem a vir fazer buscar jogo atrás. No entanto, Arnold, Gonçalo Maria e Pepo também se destacaram na missão ofensiva.

 

O FORA DE JOGO

Joel – Apesar da defensiva do Académico de Viseu ter estado mal a defender em especial na primeira parte, o lateral teve em destaque negativo no primeiro golo do Cova da Piedade. Primeiro perdeu a bola de forma infantil nas imediações da área e depois acabou por introduzir a bola na baliza. Acabou por não regressar dos balneários depois do intervalo.

 

 ANÁLISE TÁTICA – ACADÉMICO DE VISEU FC

A equipa de Sérgio Boris apresentou um esquema em 4x5x1, com Carter como unidade ofensiva. O lateral esquerdo Jorge Miguel e especialmente o habitual extremo Luisinho juntavam-se no processo ofensivo ao ponta de lança, transformando o sistema num 4x3x3. Na segunda parte, o treinador fez três alterações, com Ayongo a juntar-se a Carter no centro do ataque, passando a jogar num sistema em 4-4-2.

 

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Janota (6)

Joel (5)

Fábio Santos (6)

Felix Mathaus (5)

Jorge Miguel (6)

Zimbabwe (6)

Fernando Ferreira (6)

André Carvalhas (6)

Yuri Araújo (6)

Luisinho (7)

Carter (5)

SUBS UTILIZADOS

Paná (6)

 Mesquita (6)

Ayongo (6)

Bruninho (6)

João Vasco (-)

 

ANÁLISE TÁTICA – CD COVA DA PIEDADE

Depois do jogo da Taça de Portugal, António Pereira voltou a apostar no onze habitual. Um esquema em 5-3-2 com 3 defesas centrais, com João Meira, Bruno Sapo e Zarabi e com João Vieira com referência ofensiva e Arnold mais móvel a serem as duas unidades mais adiantadas. Pepo era o homem responsável para a ligação do meio campo com o ataque.

 

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Cléber (7)

Gonçalo Maria (7)

João Meira (6)

Bruno Sapo (7)

Zarabi (6)

João Amorim (6)

Cele (7)

Pepo (7)

Patrão (6)

João Vieira (8)

Arnold (8)

SUBS UTILIZADOS

Kakuba (-)

 Varela (-)

Wilson Kenidy (-)

 (-)

 (-)

 

BnR NA CONFERÊNCIA DE IMPRENSA

CD Cova da Piedade

BnR: O objetivo do Cova da Piedade era dominar desde o início da partida?

António Pereira: Esta foi a forma de jogar sempre ao logo de toda a minha vida enquanto treinador. Umas vezes ganhamos, outras vezes perdemos, hoje tive a felicidade de ganhar, há quinze dias em Chaves perdi 1-0. As pessoas gostam de ir para o futebol e se divertirem. As equipas por onde passei gostam de se divertirem. É evidente que não vamos ganhar sempre, não temos hipótese. Mas vamos pelo menos tentar divertirmo-nos e é isso que tento dar aos meus jogadores.

Académico de Viseu FC

BnR: Mesmo do Campeonato de Portugal para a Segunda Liga, não houve nenhuma alteração?

António Pereira: Não mudou nada. A diretora das relações públicas do Académico de Viseu veio à sala das conferências de imprensa para informar que o treinador Sérgio Boris, nem nenhum outro responsável do clube iriam ao local responder a perguntas dos jornalistas, sem especificar os motivos.