Anterior1 de 3Próximo

A terceira jornada do Campeonato de Portugal reservou uma visita da AD Oliveirense à AD Limianos. O treinador da casa, José Carlos Fernandes, manteve os 10 jogadores de campo desde a primeira jornada e foi forçado a mexer na baliza devido a problemas físicos de Bruno Santos, fazendo entrar para o seu lugar Bean. Do outro lado, Tonau colocou Stanly de início, recuando Tiago Silva para a defesa, para o lugar de André Pereira.

O início da partida levava a crer numa tarde cheia de golos e mais facilitada para a equipa da casa do que realmente veio a acontecer. Aliás, foi o contrário que se provou. Os anfitriões entraram muito bem no jogo, acumulando jogadas bem desenhadas e numerosas oportunidades para os minutos iniciais. Aos oito minutos, Luan, através de um passe longo, descobriu Rui Magalhães que, na linha contrária e já dentro de área, fintou um adversário e rematou para uma defesa de recurso de Fábio Santos. Na recarga, Chiquinho atirou muito ao lado.

Esta jogada apareceu como ensaio para o que viria depois. Aos 11 minutos, Vítor Sousa transportou a bola para o meio campo contrário, fletiu para o centro do terreno e, em posição frontal, fez a bola passar entre os centrais burquineses e isolar Chiquinho, que na cara de Fábio inaugurou o marcador. Na resposta ao golo sofrido e apenas dois minutos depois, Dibola surge isolado, mas desta vez foi o guardião a vencer o duelo. Aos pés do avançado camaronês, Bean recolheu a bola à segunda tentativa e negou o empate que parecia inevitável.

Até ao final da primeira parte, quase só deu AD Limianos. Aos 34 minutos, Cláudio Dantas combina com Chiquinho na lateral direita, o avançado descobre Nandinho a subir pelo corredor que faz a bola chegar novamente a Cláudio. Muito pressionado, o extremo desvia ao primeiro poste, sem sucesso. Dois minutos depois, e depois de uma recuperação de bola em zona adiantada do terreno, Rui Magalhães tabelou com Chiquinho e, já dentro de área, rematou forte para uma sapatada difícil de Fábio para canto.

Aos 42 minutos, a AD Oliveirense podia ter chegado ao empate. Sem grande preocupação em rendilhar o seu futebol, a equipa de Vila Nova de Famalicão conquistou um canto na direita e foi assim que criou a oportunidade mais perigosa da primeira parte. Com a defesa contrária aos papéis, os visitantes conseguiram rematar por duas vezes, mas nas duas ocasiões esbarraram em Bean.

A AD Limianos chegou cedo ao primeiro golo, mas a incapacidade de concretizar outras oportunidades revelou-se fatal
Fonte: Diogo Gonçalves/Bola na Rede

O apito para intervalo veio trazer o descanso de que há muito os atletas precisavam. A tarde não esteve extraordinariamente quente, mas o suficiente para que aos 30 minutos fosse autorizada uma pausa para hidratação. As notas essenciais da primeira parte davam conta de uma equipa da casa esclarecida, caprichosa no momento de chegar à baliza contrária e muito perdulária quando aí chegava. Por outro lado, os visitantes eram bem mais práticos, sem cerimónias no terço defensivo e apoiavam as esperanças de pontuar nos três atletas mais avançados; dois poderios físicos e um mais técnico.

A segunda parte iniciou com os mesmos 22 atletas, mas a sensação era de que estavam com as camisolas trocadas. Numa troca perfeita de atitude, eram agora os visitantes os mais capazes de trocar a bola com propósito e de se aproximarem da baliza contrária. Logo no primeiro minuto, Tiago Letras é obrigado a negar o empate em cima da linha e a ceder canto. Os da casa entraram apáticos e prolongaram essa disposição por largos minutos. Os adeptos da casa temiam que golo do empate não tardasse e exigiam que a equipa verticalizasse mais o jogo, tentando alcançar o segundo golo e desmoralizar a entrada enérgica dos adversários.

Aos 48 minutos, três passados do regresso dos balneários, a AD Oliveirense chegou ao empate. Num livre lateral bem distante, Tiago Silva fez a bola percorrer toda a área e, sem qualquer desvio, bateu duas vezes no solo e entrou ao segundo poste. Apanhados totalmente de surpresa, adeptos e atletas da casa procuravam restabelecer-se deste balde de água fria, enquanto que a festa se iniciava do lado contrário.

Agradada com o empate, a formação de Famalicão passou a apostar no ataque pela certa, uma vez que vinda de duas derrotas, o empate era o mal menor. Por outro lado, a equipa da casa já não dispunha do vigor da primeira parte e era incapaz de enquadrar com a baliza de Fábio, embora dispusesse de muita posse de bola. Aos 68 minutos, o recém-entrado Alvinho conduziu a bola até à linha de fundo, desembaraçou-se de dois adversários já dentro da área e rematou ligeiramente por cima. Tal como esta jogada, uma ou outra semelhante foram ensaiadas pela equipa da casa, mas sem o sucesso pretendido.

A jogar com o relógio e para impaciência dos adeptos da casa, a AD Oliveirense tinha o jogo na mão e “punha gelo” quando muito bem entendia. Aos 86 minutos, Luan dispôs da melhor oportunidade para recolocar a AD Limianos na frente. Na sequência de um canto, Tiago Letras desvia ao primeiro poste e, ao segundo, Luan teve tudo para marcar, mas rematou fraco para defesa fácil de Fábio Santos. Aos 88, Tiago Silva aproveita a defesa contrária subida e tenta isolar Dibola. Letras, mais uma vez, contém as intenções forasteiras e afasta para canto.

O jogo aproximava-se do fim e os quatro minutos extra propunham-se a compensar as substituições e algumas assistências no decorrer da etapa complementar. No entanto, foram esticados até aos seis e reservavam o golo da vitória. Aos 90’+4’ foi assinalado um livre para os visitantes. Na convicção de ser o último lance da partida, a bola foi despachada para a área, desviada de cabeça ao primeiro poste e Dibola surgiu sem marcação para a emenda e estabelece o resultado final.

O poderio ofensivo e a qualidade imposta em campo pelos limianos na primeira parte não encontrou a conclusão exigida e acabaram por pagar caro. Os famalicenses souberam resistir na primeira parte e foram dando sinais de perigo aqui e ali. Quando se propuseram a tal, conseguiram criar perigo na segunda parte e chegar ao empate. Numa altura em que a vitória podia pender para qualquer uma das partes, a sorte protegeu os resistentes e a AD Oliveirense pontuou pela primeira vez e logo com uma vitória fora de portas. Por sua vez, a AD Limianos somou a primeira derrota e experimentou os três resultados possíveis nas três primeiras jornadas.

Onzes iniciais:

AD Limianos: Bean; Nandinho, Digas (Cláudio Borges, 54’), Tiago Letras e Jójó; Luan Sérgio, Rui Magalhães e Micka; Cláudio Dantas (Alvinho, 66’), Chiquinho e Vítor Sousa (Ricardo Silva, 80’).

AD Oliveirense: Fábio Santos; Tiago Silva, Dalhata Soro, Lassina Touré e João Sidónio; Apolo Silva, Fernando Neves e Jorginho (Daniel, 90’+3’); Mohamed (Cardoso, 80’), Stanly Santos e Dibola.

Anterior1 de 3Próximo

Comentários