Ao fim de dois anos a representar o Belenenses SAD, o guarda-redes Muriel Becker, de 32 anos, regressa agora ao Brasil onde alinhará pelo Fluminense FC, com o qualquer assinou um contrato válido por três anos e meio. Vale a pena fazer uma pequena retrospectiva da carreira do guarda-redes brasileiro.

“Um atleta determinado e com muita vontade de trabalhar e de conquistar.” Foi com estas palavras que Muriel Becker, irmão do guarda-redes mais valioso do mundo Alisson Becker, apresentou-se aos sócios e adeptos do Belenenses aquando da sua chegada ao Restelo como reforço para a época de 2017/2018.

Após uma longa ligação ao Internacional de Porto Alegre (na época anterior fora cedido ao Bahia), o guardião brasileiro e internacional jovem pela Canarinha deixava o Gigante de Beira-Rio rumo ao mítico Estádio do Restelo, destinado a suprir a vaga deixada pelo guarda-redes português Hugo Ventura.

Muriel formou-se e revelou-se no Internacional de Porto Alegre, clube no qual esteve vinculado durante 17 anos, e que o cedeu em três ocasiões: ao SER Caxias do Sul e à Portuguesa dos Desportos, em 2009, e ao EC Bahia, em 2016.  O melhor momento do guarda-rede em Portugal começaria a partir de 2011, i.e., na época seguinte à da conquista da Libertadores pelo Colorado (alcunha pela qual o Internacional é conhecido no Brasil). Muito concretamente, Muriel tem o seu primeiro grande momento de afirmação em 19 de Junho de 2011, na deslocação do Internacional ao Couto Pereira para defrontar o Coritiba FC. O jogo resultou num empate agridoce para o Colorado que não estava nos seus dias. Todavia, quer a imprensa desportiva brasileira quer os diversos fóruns de adeptos do Internacional foram unânimes a tecer rasgadíssimos elogios à exibição de Muriel, que chegou inclusive a defender uma grande penalidade.

Entre os anos de 2011 e 2013, Muriel assumiu a titularidade da baliza do Internacional somando 161 jogos, incluindo os que disputou na Copa Libertadores 2012.

Em 2014, Muriel perdeu a titularidade para o veterano Dida. Só viria a reassumir a titularidade no campeonato brasileiro em 14 de Setembro de 2014 na recepção ao Botafogo em resultou a vitória do Colorado. Todavia ainda no primeiro tempo, Muriel sofreu uma grave lesão na virilha que ditou o seu afastamento durante um mês, sendo substituído por Dida.

Mas o próprio veterano e multicampeão Dida viria a entrar em declínio após a suspensão de que foi alvo em virtude de o veterano ter sido expulso no final do jogo do campeonato brasileiro frente à Associação Chapecoense de Futebol, na Arena Condá, em 9 de Outubro de 2014,  em que resultou uma humilhante derrota de cinco bolas a zero ao Colorado. Abriu-se, então, uma oportunidade para o terceiro guarda redes, Alisson Becker, que era conhecido como “o irmão do Muriel”, assumir a titularidade na baliza do Internacional que iniciou assim a sua ascensão vertiginosa até se tornar o guarda-redes de topo mundial que todos nós tão bem conhecemos.

Após a lesão, durante 2014 e 2015, poucas foram as vezes em que Muriel assumiu a titularidade. Acabou por ser cedido por uma temporada, em 2016, ao Bahia que competia no Campeonato Brasileiro da Série B.

O seu contrato com o Internacional cessou em 31 de Maio de 2017, uma vez que nem Muriel nem o clube de Porto Alegre FC estavam interessados na renovação. Chegou a ser noticiado que Muriel poderia mesmo integrar o Bahia mas tal não veio a acontecer.

Durante a sua estadia em Lisboa, Muriel realizou 19 jogos com um total de 26 golos sofridos na sua primeira época (2017/2018); e 33 jogos com um total de 40 golos sofridos na época passada (2018/2019), tendo sido esta a época em que mais se destacou.

O seu grande momento da época passada foi, sem qualquer dúvida, na recepção do Belenenses SAD ao SL Benfica a contar para a 8.ª jornada da Primeira Liga em que os “Azuis” venceram os Encarnados por duas bolas a zero. O brasileiro efectuou sete grandes defesas, sem contar com as realizadas em lances com o jogo interrompido. O próprio guarda-redes referiu que o jogo com o SL Benfica estava no seu “Top 3”.

Em traços gerais, podemos concluir que Muriel teve uma influência gigante no futebol praticado pelo Belenenses SAD. Foi por inúmeras vezes posto à prova, talvez, devido em grande parte à fragilidade do processo defensivo do Belenenses. Note-se que é comum nas diversas intervenções de elevada dificuldade feitas por Muriel que os jogadores adversários encontravam-se em boa posição para finalizar. Aliás, raras não foram as vezes em que os avançados adversários conseguiram sair em situações de um para um com o guarda-redes brasileiros. Ainda assim, Muriel conseguiu ao longo da época passada protagonizar grandes defesas sempre com muita segurança.

Muriel recebe o prémio de melhor guarda-redes da Primeira Liga do mês de Dezembro
Fonte: Liga de Portugal

Muriel não se destacou apenas no processo defensivo do Belenenses SAD: tornou-se inclusive uma parte activa na organização do jogo dos Azuis na medida em que passava quase sempre pelo seus pés obrigando-o a tomar muitas decisões.

É, por isso, legítimo concluir, em termos de balanço, que Muriel foi um elemento-chave na formação orientada por Silas, tendo em conta o processo de ruptura que o clube viveu – a crise interna do clube lisboeta – mas nem por isso o seu nível exibicional baixou.

Ao “Tricolor” do Rio de Janeiro chega, portanto, um guarda-redes experiente e completo, com apetência para destacar-se na equipa liderada por Fernando Diniz, e, quem sabe, para almejar a conquista da Copa Sul-Americana, que é um dos objectivos do Fluminense para esta nova, competição para a qual o Fluminense defrontará o Peñarol a contar para os oitavos-de-final já no próxima dia 23 de Julho no Uruguai e, depois, no dia 30 do mesmo mês no Maracanã.

 Foto de Capa: Fluminense FC

Comentários