Acabámos de vir de uma jornada europeia com cinco clubes portugueses a entrar em acção, e o saldo não foi nada positivo: derrotas de SL Benfica, FC Porto e Vitória SC, um empate caseiro do SC Braga contra o Slovan Bratislava e uma vitória sofrida do Sporting sobre o LASK Linz. Partiu-se para esta época com o objectivo de ultrapassar a Rússia no ranking da UEFA, mas o cenário actual não prevê nada de bom.

Apesar de estarmos mais próximos da Rússia no ranking, visto que já houve dois clubes russos a serem eliminados das competições europeias (Spartak de Moscovo e FC Krasnodar), a distância para os principais campeonatos europeus continua a acentuar-se, o que não prevê nada de bom.

Desde há muito que os clubes portugueses, nomeadamente os três grandes, têm fama de conseguirem fazer muito com pouco, conseguindo competir contra equipas de campeonatos mais poderosos. Isto devia-se a vários motivos, entre os quais a qualidade do treino e a capacidade de detectar e de potenciar talentos. Esta fama veio das conquistas de quatro títulos de campeão europeu, duas Taças UEFA/Liga Europa e uma Taça das Taças por parte dos clubes nacionais.

No entanto, ao longo de todo este período, o futebol português sempre teve os “Big-5” em mente, com o objectivo de se aproximar o máximo possível do patamar onde estes estão inseridos. Mas, perante o cenário que se avizinha actualmente, o futebol português vai perdendo cada vez mais terreno para os tubarões, o que faz com que deva haver uma reflexão sobre quais devem ser as prioridades do futebol português.

Verdade seja dita, qualquer pessoa que acompanhe o futebol português e que tenha dois dedos de testa, consegue perceber que é praticamente impossível chegar ao patamar dos “Big-5”, visto que existem muitas diferenças entre a nossa realidade e a deles, sobretudo a nível financeiro e a nível de mercado.

Portugal continua a distanciar-se dos principais países no ranking
Fonte: UEFA

No entanto, como é que é possível competir com estes tubarões, quando até clubes de países como a Holanda, a Suíça, a Bélgica e a Áustria se conseguem superiorizar aos nossos? É aqui que a principal questão se prende. São estes os nossos adversários directos na UEFA.

A verdade, é que têm aparecido cada vez mais clubes de campeonatos periféricos que conseguem competir nas competições europeias com clubes dos “Big-5”. Para além destes feitos se deverem a uma boa política desportiva destes clubes, estes também saem beneficiados de campeonatos cujo formato privilegia a competitividade. Mas, afinal de contas, como podemos ter um campeonato mais competitivo com esta realidade financeira, muito distante da dos principais campeonatos europeus?

Pegando nos países que já aqui mencionei, podemos verificar que com excepção da Holanda, os outros países têm campeonatos com formatos peculiares e mais ajustados às suas realidades, tanto desportiva, como financeira. O campeonato suíço é disputado por 10 equipas, mas é disputado em quatro voltas e não apenas duas, sendo realizadas 36 jornadas. O campeonato belga é disputado por 16 equipas, nas quais as seis primeiras classificadas disputam um play-off de apuramento do campeão. O campeonato austríaco é disputado por 12 equipas, que depois de dividem em dois grupos: o grupo de despromoção e o grupo do apuramento do campeão; à imagem do que acontece também no campeonato sérvio, mas com 16 equipas.

A presença de menos equipas na Primeira divisão diminui o fosso de qualidade entre as melhores e as piores equipas e a realização de mais jogos entre as melhores equipas promove a competitividade e a evolução dos jogadores.

Portanto, a conclusão que se pode retirar daqui, é a de que para termos um campeonato mais competitivo, de modo a que possamos competir com os tubarões na Europa, a Liga de Clubes deveria de inovar no formato do nosso campeonato, em vez de teimar em apostar no modelo actual que, para além de não passar de uma “cópia” do formato dos principais campeonatos europeus, é um modelo desajustado à nossa realidade.

E, já agora, para termos um campeonato mais competitivo, não é nada recomendável termos pausas de 25 dias.

Foto de Capa: Sporting CP

Artigo revisto por Diogo Teixeira

 

 

Comentários