A CRÓNICA: A EFICÁCIA DO PIOR ATAQUE DA LIGA NOS

O Vitória FC derrotou esta noite o Belenenses SAD graças a um golo solitário de Hélder Guedes. O avançado afastou assim os males que afetaram os sadinos na última semana e ofereceu aos seus adeptos, que se deslocaram em massa ao Estádio Nacional, a bonança depois da tempestade. O Belenenses SAD entrou melhor e encostou o Vitória às cordas, pressionando alto e criando vários lances de perigo mas demonstrando algum desacerto na hora de rematar à baliza.

Os sadinos foram crescendo de rendimento a partir da meia hora de jogo e mostraram-se mais eficazes que o adversário, chegando à vantagem por intermédio de Hélder Guedes, num cabeceamento após cruzamento de Sílvio. No segundo tempo, o Belenenses continuou a ter mais posse de bola e continuou o desacerto na finalização, tendo efetuado quase o dobro dos remates que o adversário. O Vitória, que é o pior ataque da Primeira Liga, mostrou aqui que, mais do que quantidade, é preciso qualidade na hora de rematar à baliza. Com este resultado, os Sadinos somam 22 pontos e sobem ao oitavo lugar à condição. O Belenenses continua aflito e está apenas um ponto acima da linha de água.

 

A FIGURA

Fonte: Bola na Rede

Adeptos do Vitória FC – Ambiente fantástico aquele que os adeptos do Vitória FC criaram nesta deslocação ao Jamor. Numa fria noite de janeiro, os adeptos sadinos aqueceram o ambiente e foram incansáveis no apoio à sua equipa.

 

O FORA DE JOGO

Fonte: Liga Portugal

Finalização do Belenenses SAD – Esteve em noite não a equipa do Belenenses SAD em termos de finalização, fazendo quase o dobro dos remates do Vitória mas não conseguindo fazer a rede balançar.

 

ANÁLISE TÁTICA – BELENENSES SAD

Para o primeiro jogo como técnico do Belenenses SAD, Petit apresentou a equipa em 3-4-3, uma variação no esquema que era o habitual nos azuis do Jamor. Mantendo a aposta em André Moreira na baliza, as principais novidades no onze inicial em relação ao jogo com o Gil Vicente foram as saídas de Show e Tomás Castro para dar o lugar a André Santos e Gonçalo Silva, assim como Marco Matias, que ficou no banco em detrimento de Cassierra. O Belenenses SAD começou a primeira fase de construção com uma linha de três jogadores composta por Tomás Ribeiro, Gonçalo Silva e Nuno Coelho. Esgaio, na direita, e Nilton, na esquerda, surgiam como alas, ao lado dos médios André Sousa e André Santos. O tridente ofensivo da equipa de Petit foi constituído por Licá, Varela e Cassierra. No momento defensivo a equipa passava a 5-3-2, com Esgaio e Nilton a juntarem aos três centrais.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

André Moreira (5)

Esgaio (5)

Tomás Ribeiro (5)

Gonçalo Silva (5)

Nuno Coelho (6)

Nilton (6)

André Sousa (5)

André Santos (6)

Varela (5)

Licá (5)

Cassierra (6)

 

SUBS UTILIZADOS

Robinho (3)

Marco Matias (2)

Kikas (-)

 

ANÁLISE TÁTICA – VITÓRIA FC

Júlio Velasquez escalou a sua equipa em 4-1-4-1, com Makaridze de regresso à baliza e quarteto defensivo composto por Sílvio, Pirri, João Meira e André Sousa. Semedo surgiu como trinco, sendo o guarda-costas de uma linha média que incluiu Zequinha, Carlinhos, Éder Bessa e Mansilla. A frente de ataque ficou entregue novamente a Hélder Guedes. Os sadinos entraram com as linhas baixas e mostraram dificuldades em soltar-se da pressão do adversário, jogando a maior parte do tempo em contra-ataque. A equipa acabou por ter o melhor período no jogo nos últimos 15 minutos da primeira parte, quando conseguiu subir as linhas e atacar em bloco, o que resultou no único golo do jogo.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Makaridze (7)

Sílvio (7)

João Meira (6)

Pirri (6)

André Sousa (6)

Carlinhos (6)

Semedo (5)

Mansilla (6)

Zequinha (5)

Éder Bessa (6)

Hélder Guedes (7)

SUBS UTILIZADOS

Leandro Vilela (2)

Artur Jorge (2)

Jubal (-)

 

BnR NA CONFERÊNCIA DE IMPRENSA

Belenenses SAD

BnR: Petit, referiu na antevisão que vinha um bocado às escuras para este jogo pelo facto de ter tido poucos dias de trabalho com a equipa e também devido ao problema de saúde que afetou o plantel do Vitória FC. Ficou surpreendido com a equipa que o Júlio apresentou hoje?

Petit: “Não diria surpreendido, com a equipa não, a ideia de jogo do Vitória estava lá e não mudou. Claro que não sabíamos bem com o que contar em relação a jogadores, houve algumas trocas em relação ao último jogo. Acho que nós é que os surpreendemos até, com a colocação dos nossos alas e eles tiveram dificuldades em acertar as marcações aos nossos jogadores.”

Vitória FC

BnR: Julio, disse na antevisão do jogo que era uma dificuldade acrescida o facto de o Belenenses SAD ter um novo treinador. Ficou surpreendido com a forma como Petit apresentou o Belenenses SAD?

Julio Velásquez: “Sim, falei disso com os jogadores durante a semana. É difícil preparar um jogo quando não sabes qual é o modelo habitual do adversário, a organização, as movimentações, porque um treinador novo traz novas ideias. Analisámos a forma como o Petit se apresentou quando pegou em equipas numa situação semelhante, a meio da época, no Marítimo, no Tondela, etc, e tentámos encontrar padrões, estruturas e formas de jogar que nos pudessem dar uma ideia de como se iria apresentar aqui hoje. Treinámos tendo em conta a variabilidade de modelos e táticas que podíamos enfrentar e depois soubemos ajustar durante o jogo, não sabíamos se eles iriam jogar com uma linha de quatro ou de cinco, por isso ajustámos ao longo do jogo”.

Foto de Capa: Bola na Rede

artigo revisto por: Ana Ferreira

Comentários