Todos se lembram bem da célebre frase de José Eduardo Bettencourt, ex presidente do Sporting CP, para se referir a João Moutinho na altura em que o jogador se transferiu para o FC Porto. “O João Moutinho é uma maçã podre”, disse ele. Muitas capas de jornais, muito parlapier televisivo, muita polémica gerada à volta destas declarações que durou meses. Ou, pelos vistos, se calhar até anos.

Quase volvida uma década após tal episódio, eis que a frase ressuscita dos mortos e é proferida por um treinador para descrever, adivinhem só, um jogador.

Augusto Inácio veio tecer duras críticas a Amilton, jogador do Aves que neste momento está emprestado ao Antalyaspor, da Turquia. Chega mesmo a dizer que se o jogador “está com a cabeça noutro lado e não no Aves, pode ser o melhor jogador do mundo, mas não serve”. Disse ainda que Amilton fez chantagem para sair e que passava a vida a inventar lesões e desculpas para faltar ao treino.

A isto, o extremo respondeu com uma queixa no Sindicato de Jogadores Profissionais de Futebol. Garante ainda que Augusto Inácio vai a tribunal por difamação e não fica atrás nas críticas: diz que o treinador sai de todos os clubes “como um rato no esgoto”.

O extremo diz que saiu pela porta grande do Aves, enquanto Augusto Inácio, alega Amilton, sai sempre pela porta pequena de todos os clubes por onde passa
Fonte: CD Aves

As maçãs podres acabam por cair. Mas será que é só isso que cai?

Mais um bate-boca, mais um diz que disse, mais uma situação que era completamente evitável no futebol português. As pessoas estão fartas de polémicas, de mesquinhices, etc. Sinceramente, já não há paciência para tantos “mind games“. Não acredito que haja um adepto, que goste realmente de futebol na sua essência, que ainda tenha paciência para estas balelas.

Como bem diz o título, o futebol português está cheio de maçãs podres. E o engraçado de tudo isto é que acham-se todos donos da razão. A fruta podre costuma cair sozinha, mas, neste caso concreto, o que parece que cai é mesmo o futebol português…

Quanto a esta troca de galhardetes, só pergunto: qual era a necessidade de este desentendimento vir a público? Os problemas de um clube devem ser resolvidos internamente e não em plena praça pública. Isto só mostra falta de profissionalismo por parte de três entidades: clube, treinador e jogador.

Não consigo estar do lado de nenhum. Ambos estiveram mal, na minha opinião. São atitudes como estas que têm intoxicado o futebol português até ao tutano, um futebol cheio de maçãs podres onde reina a falsa moralidade. Depois ainda querem que as pessoas vão ao estádio. Para ver novelas, geralmente costuma-se ficar em casa. Se calhar convinha haver menos enredos fora de campo e que se jogasse mais à bola. Digo eu… Será que ainda se lembram, de facto, como é? O futebol só com golos, jogadas bonitas, remates de tirar o fôlego e essas coisas todas? Eu cá tenho saudades e vocês?

Foto de Capa: CD Aves

Artigo revisto por: Rita Asseiceiro

Comentários