Anterior1 de 4Próximo

CD Aves e CD Tondela empataram a duas bolas no primeiro jogo desta segunda jornada. A equipa visitante chegou ao golo logo aos três minutos, mas os avenses conseguiram a reviravolta e chegaram ao 2-1, primeiro por Derley e depois por Nildo. Sabbag fez o 2-2 e fechou as contas da partida.

No arranque da segunda jornada do campeonato, duas formações em busca dos primeiros pontos nesta edição da liga. O CD Aves perdeu por duas bolas a zero na deslocação a Setúbal e o CD Tondela, apesar das várias oportunidades de golo, não conseguiu igualmente vencer na recepção ao Belenenses. E se na semana passada os avenses entraram praticamente a perder, hoje voltaram a sofrer cedo.

Com as bancadas bem compostas em Vila das Aves, Chicho Arango regressou, como adversário, a uma casa que conhece bem e foi um dos protagonistas da jogada do primeiro golo. Arango recuperou a bola no meio campo e lançou o ataque do CD Tondela. Tomané cruzou e Delgado, no coração da área, rematou para o fundo das redes de Beunardeau e abriu o marcador.

O CD Tondela entrou melhor na partida mas o CD Aves reagiu e, aos sete minutos, podia ter chegado ao empate. No seguimento de um canto cobrado por Rodrigo, o primeiro do jogo, Vítor Gomes desviou na cara de Cláudio Ramos. Os avenses reclamaram golo, mas a bola não ultrapassou a linha de baliza e, após consultar o vídeo-árbitro, Artur Soares Dias mandou seguir. Ainda assim, o empate acabou por chegar ainda antes do quarto de hora de jogo. Aos 13 minutos, Derley repôs a igualdade, na sequência de um livre cobrado por Nildo no lado esquerdo do ataque avense.

Em cima da meia hora, Arango voltou a criar perigo para a ex-equipa. Na sequência de um livre, cobrado praticamente em zona frontal, o avançado obrigou Beunardeau a uma boa defesa. O CD Aves reclamou penalti pouco depois, por alegada falta sobre Nildo, que seguia em posição privilegiada na frente. Muito perto do lance, Artur Soares Dias mandou seguir e, depois de receber instruções do vídeo-árbitro, confirmou a sua decisão.

A formação às ordens de José Mota terminou a primeira parte por cima na partida e, já perto do intervalo, Defendi esteve muito perto de fazer o 2-1. Após cruzamento de Amilton, o central permitiu a Cláudio Ramos uma boa intervenção, para canto, que levou o empate para o intervalo.

O CD Aves entrou por cima no segundo tempo
Fonte: Bola na Rede

E se a primeira parte terminou com os avenses por cima, a segunda começou com uma boa oportunidade para a formação da casa se colocar em vantagem. Nildo surgiu em posição frontal, à entrada da área, e Moufi foi obrigado a travar o avançado em falta. Na cobrança do livre, Nildo obrigou Cláudio Ramos a nova grande defesa.

Depois de várias ameaças, o Aves conseguiu mesmo chegar à reviravolta no marcador aos 60 minutos. Derley isolou Nildo, com um passe de calcanhar e o avançado, apenas com o guarda-redes do CD Tondela pela frente, não desperdiçou e fez o 2-1. Sem conseguir voltar a superiorizar-se no jogo, a formação de Pepa viu Braga rematar forte ao poste e quase fazer o 3-1, ainda antes dos 70 minutos.

A igualdade voltou a ser reposta aos 73 minutos. Murillo surgiu na direita do ataque e serviu Miguel Cardoso, para corte de Ponck. No ressalto, Sabbag ficou com o esférico e rematou para o 2-2. Sem ter criado ainda muito perigo junto da baliza avense, o CD Tondela soube ser eficaz.

Recém-entrado na partida, Douglas ainda voltou a tentar o 3-2, mas o empate prevaleceu mesmo até ao apito final. O CD Aves acabou por reagir bem ao golo madrugador dos visitantes e conseguiu ser superior durante praticamente todo o tempo de jogo. Ainda assim, permitiu que o CD Tondela refizesse a igualdade e o resultado foi a divisão de pontos.

Onzes iniciais:

CD Aves: Beunardeau, Rodrigo (Baldé, 20’), Defendi, Ponck, Nélson Lenho; El- Adoua, Vítor Gomes, Braga (R. Oliveira 67’), Amilton, Nildo (Douglas, 81’) e Derley.

CD Tondela: Cláudio Ramos, Moufi (Xavier, 65’), Bruno Monteiro, Jorge Fernandes e Joãozinho; Hélder Tavares, S. Peña, Miguel Cardoso, Delgado (J. Murillo, 57’), Arango (Sabbag, 70’) e Tomané.

Anterior1 de 4Próximo

Comentários