Era uma vez um lugar amaldiçoado, um lugar sem cor e sem brilho… uma terra onde o coração dos seus habitantes não palpita de alegria há muito tempo.

Poderia estar a falar sobre alguns dos contos que tanto nos acompanharam durante a nossa infância, mas não. Estou apenas a referir-me ao clube que tem um castelo no seu símbolo e que me inspirou para começar este artigo desta forma – CD Feirense -, que, para o campeonato, não conquista três pontos desde 12 de agosto de 2018. Já lá vão seis meses e, com estes, já lá vão também 55 pontos perdidos para o primeiro escalão do campeonato português. Uma miséria, na verdade…

Os últimos meses têm sido mesmo tempos de angústia para os adeptos de Santa Maria da Feira. A equipa do Feirense denota-se pela ausência de ideias, pelo futebol pobre e, consequentemente, pelos seus maus resultados. Mas como bem diz a maioria, um mal nunca vem só, e ultimamente tem havido outra coisa a assombrar a equipa de Filipe Martins. Ao que parece, desde o início de 2019 que, até agora, o Feirense já viu seis dos seus golos anulados pelo vídeoárbitro. Moreirense FC, GD Chaves, Vitória SC e Sporting CP: foram estes os adversários que “beneficiaram” de tais decisões.

Então vamos por partes: no jogo contra o GD Chaves, o Feirense viu um golo anulado na sequência de um grande remate colocado de Crivellaro. A anulação prendeu-se pela posição irregular do colombiano José Valencia, que não interfere na jogada. A questão aqui assenta em perceber se, de facto, o avançado (como se diz na gíria do futebol) se terá feito ao lance. Na minha opinião, é uma jogada muito complicada de analisar, até com imagens, quanto mais a olho nu. A jogada é bastante rápida e a posição de fora de jogo do avançado é por uns minuciosos centímetros. Ainda assim, acho que a anulação do golo não deveria ter acontecido, pois, a meu ver, José Valencia não interfere com a jogada. A justiça era a continuidade do resultado, mantendo-se assim a vantagem para o Feirense.

Anúncio Publicitário
O VAR já anulou seis golos ao Feirense, só em 2019
Fonte: CD Feirense

No jogo contra o Sporting, a anulação do golo suscita também bastantes dúvidas. O golo surgiu de um canto batido por Diga e depois um ressalto onde a bola vai ao encontro do jogador Marco Soares, que, por sua vez, consegue fazer com que esta acabe por entrar dentro da baliza. Momentos depois, o lance foi alvo de escrutínio por parte de Manuel Mota, que acabou mesmo por invalidar o lance. Mais uma vez, acho que o tento é injustamente anulado. Não vejo qualquer tipo de falta sobre o guarda-redes do Sporting e, sendo assim, o golo seria perfeitamente legal. Assim, o Feirense viu-lhe retirada uma excelente oportunidade para se adiantar no marcador frente a um dos três grandes e, vendo a tendência de o Sporting para “ressuscitar” últimos classificados, perdeu também uma excelente oportunidade para obter outro resultado neste jogo ou, quem sabe, ganhar algum fôlego perdido para o campeonato.

Já no jogo com o Vitória, a história é bem diferente. O golo marcado por Stivan Petkov foi bem anulado, uma vez que o avançado toca a bola com o braço dentro da área. Ao contrário dos dois lances anteriormente abordados, não tenho nada a apontar quanto a esta decisão do árbitro Nuno Almeida.

Por fim, em relação ao jogo com o Moreirense, e à semelhança do lance que nomeei há pouco no jogo com o Chaves, trata-se de uma posição adiantada de jogadores do Feirense em três diferentes ocasiões. Em todos os lances, à exceção do último, o jogador que marca está sempre uns meros centímetros adiantado em relação à linha defensiva adversária. Sendo assim, eram lances de análise bastante complicada. A meu ver, Manuel Oliveira avaliou bem os casos e tomou a decisão correta em todos eles. Desta vez, não se pode dizer que o Feirense tenha sido prejudicado nestes lances específicos.

Claramente a má época desta equipa não se pode justificar por erros de arbitragens. Vai mesmo muito para além disso. Ainda assim, não deixa de ser curiosa esta harmonia entre a falta de jeito e a falta de sorte que se tem notado em Santa Maria da Feira. Terra essa que, curiosamente, conta com um clube que tem tido tudo menos isso: harmonia.

 

Foto de Capa: CD Feirense