Após a melhor classificação da sua história na elite do futebol português (11.º lugar), os Beirões preparam-se para a sua quarta participação consecutiva na Primeira Liga, à procura de melhorar a classificação da época passada e cimentar a sua posição entre os grandes do futebol português. O clube de Viseu parece cada vez mais estabilizado e organizado, tendo começado a temporada a fazer história, entrando na fase de grupos da Taça da Liga após eliminar, em pleno Dom Afonso Henriques, o Vitória SC.

Modelo de Jogo

Pepa, técnico de 37 anos, continuará a ser o timoneiro do CD Tondela pela terceira época consecutiva. O seu percurso ao serviço dos tondelenses tem sido incrível, ganhando ele próprio outro estatuto como treinador no futebol português.

As equipas de Pepa têm como modelo de jogo a transição rápida, pautando-se pela objetividade e pragmatismo. Sempre com uma dupla de médios forte, Pepa privilegia os ataques pelos flancos, oferecendo protagonismo e liberdade para haver desequilíbrios aos seus avançados (quer aos extremos, que podem partir para o drible, tabela ou mesmo remate, quer aos pontas de lança, que têm carta verde para se movimentar muito).

A nível defensivo, os dois médios-centro são importantíssimos para haver equilíbrios (normalmente jogam Hélder Tavares e Bruno Monteiro, que são exímios taticamente e com bastante qualidade), os avançados pressionam a partir do meio campo e na defesa, onde emerge sempre o patrão Ricardo Costa, estão sempre quatro elementos competentes, que pouco avançam, mas que cumprem à risca defensivamente.

Falta falar na baliza, onde está um dos melhores guarda-redes portugueses da atualidade, Cláudio Ramos, que época após época, continua a mostrar ter qualidade para mais e até para ser chamado à seleção, mas que continua a ser preterido (com tantas demonstrações de talento, só podemos justificar a falta de aposta em Cláudio Ramos com a sua altura, 1.82 m; é incrível como se continua a apostar em estereótipos de como um bom guarda-redes deve ser e não na qualidade nua e crua).

Cláudio Ramos tem provado ser um dos melhores guarda-redes portugueses da actualidade
Fonte: CD Tondela

Mercado

A nível de mercado, o CD Tondela conseguiu manter os seus elementos mais importantes até ao momento e entrou na Taça da Liga na máxima força e também deverá entrar com todos as suas unidades na liga. No entanto, Cláudio Ramos e Hélder Tavares estão a ser muito cobiçados, sobretudo no mercado estrangeiro, e se sair um ou até mesmo os dois seriam baixas de grande peso nos beirões.

Para a baliza, o CD Tondela melhorou a alternativa a Cláudio Ramos. O jovem internacional português de 21 anos, Pedro Silva, com contrato com o Sporting CP até 2022, foi emprestado à equipa de Pepa e é um claro upgrade em relação a Ricardo Janota que voltou à II Liga.

Na defesa, chegou João Reis e conseguiu-se a manutenção de Jorge Fernandes por empréstimo do FC Porto. João Reis, que pode jogar a lateral esquerdo ou a extremo, foi importantíssimo na subida de divisão do CD Santa Clara, e Jorge Fernandes esteve muito bem na segunda metade de época na equipa e a sua permanência foi uma grande notícia para os auriverdes.

No meio-campo, destaque para o internacional peruano Sergio Peña, de 22 anos, emprestado pelo Granada CF, jogador recheado de talento que, normalmente, costuma jogar na posição 10. No entanto, Pepa joga sem 10 no seu sistema, o que poderá fazer com que Peña alinhe a extremo ou a segundo avançado. Chegaram também Boubacarry Diarra, que deu nas vistas ao serviço do Sporting do Covilhã e que é um médio de contenção, tal como João Jaquité, que voltou após um empréstimo bem sucedido ao Lusitano de Vildemoinhos da CPP. Jaquité e Diarra serão alternativas à dupla Tavares-Monteiro, portanto não terão muito espaço, mas a época é longa e acabarão por ter oportunidades.

Pepa tem tornado o Tondela um clube cada vez mais consolidado na Primeira Liga
Fonte: Bola na Rede

Chegou ainda João Mendes, médio criativo que brilhou na UD Oliveirense. João Mendes e Peña oferecem, devido às suas características, outros argumentos que mais nenhum dos médios pode oferecer (nem mesmo os titulares), o que poderá fazer com que Pepa mude o sistema e até o modelo de jogo, se assim entender, ao longo da temporada.

O ataque foi o mais bem reforçado. Juan Delgado, internacional chileno, importante na segunda metade de época, mantém-se por empréstimo do Nástic de Espanha; Jhon Murillo regressa a Tondela, após rescindir com o SL Benfica; António Xavier, que tem muita experiência de primeira liga, vem do FC Paços de Ferreira; Cristián Arango (que brilhou contra o Vitória SC na Taça da Liga), chega por empréstimo do SL Benfica; Patrick, que brilhou no FC Felgueiras com 15 golos, salta da CPP para a Primeira Liga; e ainda Pablo Sabbag, que chega por empréstimo do Deportivo Cali, e que deixou excelentes apontamentos no jogo contra o Vitória SC.

Com estas boas movimentações de mercado, aliando à permanência da base da equipa da temporada transata, o CD Tondela pode mesmo ambicionar chegar longe nas taças e melhorar o 11.º lugar obtida na Liga 17/18.

Foto de Capa: CD Tondela

Artigo revisto por: Rita Asseiceiro

Comentários