Após dois anos e meio sob a orientação de Pepa, o CD Tondela teve de ir ao mercado À procura de um novo treinador e a aposta foi deveras surpreendente: o espanhol Natxo González. O treinador de 52 anos irá cumprir a sua primeira experiência fora do seu país e terá a ambição de levar o CD Tondela a patamares mais altos na Primeira Liga.

Natxo González iniciou a sua carreira como treinador principal no Deportivo Alavés na temporada 2012/2013, tendo conquistado o título da Segunda Divisão B logo na época de estreia. Porém, na época seguinte já na segunda divisão, não resistira aos maus resultados e seria despedido ao fim de 16 jogos.

Em 2014/2015 assumiu os comandos do Reus Deportiu, novamente na Segunda Divisão B. Depois de na primeira temporada ter sido eliminado no play-off, na segunda temporada conseguiu novamente subir de divisão, tendo na época seguinte conduzido o Reus a um tranquilo nono lugar.

O bom trabalho ao serviço do emblema catalão atraiu o interesse de outros clubes, até que no Verão de 2017 assinou pelo Zaragoza, um clube com aspirações para subir de divisão. Ao serviço deste, terminou a Fase Regular no quarto lugar, mas seria eliminado nas meias-finais do play-off pelo Numancia.

Natxo González irá cumprir a sua primeira experiência no estrangeiro
Fonte: CD Tondela
Anúncio Publicitário

Apesar do objectivo falhado, na última temporada abraçou um novo desafio com o objectivo de subir de divisão pelo Deportivo da Coruña. Aqui as coisas já não correram tão bem, com Nato González a ser despedido após a 32ª jornada, com o clube galego a ocupar o sexto lugar (o último de acesso ao play-off) no campeonato.

Chegado uma nova temporada, Naxto González irá abraçar o seu primeiro desafio no estrangeiro. Segundo as informações que recolhi, Natxo González ao longo da sua carreira, tem alternado de sistema táctico entre o 4-2-3-1 e o 4-4-2 losango, privilegiado um futebol ofensivo e de posse, com uma participação bastante activa dos laterais.

Em contra-partida, o seu futebol que promove a presença de vários elementos no ataque, deixa a equipa descompensada na defesa, fazendo com que esta passe por calafrios em transição defensiva.

Há-que tirar o chapéu ao presidente do Tondela, que ousou na sua escolha, fugindo ao “cliché” de que os treinadores portugueses são melhores e estão mais ajustados à realidade destes clubes, quando muitas vezes à conta deste padrão, os clubes acabam por apostar em treinadores portugueses, mas que não têm o perfil pretendido.

Os bons trabalhos de Nato González na segunda e na terceira divisão espanhola deixam impressões positivas. No entanto, da mesma forma que houve ousadia na escolha, também será necessário ter tempo e paciência para o novo treinador implementar o seu modelo e também é necessário ter capacidade para avaliar se os jogadores conseguem encaixar nas suas ideias.

Seja como for, esta escolha faz do CD Tondela um clube observar na época 2019/2020.

Foto de Capa: CD Tondela

Comentários