Mais uma época, mais uma aposta forte do CS Marítimo em jogadores brasileiros. O ano passado, cerca de 26,9% dos jogadores do nosso campeonato eram brasileiros. Decerto que o clube da Madeira contribuiu bastante para esta percentagem razoável. Note-se que só no ano passado, por exemplo, o CS Marítimo conseguiu ter o mesmo número de brasileiros e de portugueses a fazer parte integrante do seu plantel.

Esta tendência do clube insular em apostar em jogadores canarinhos já não é novidade nenhuma para ninguém. Há alguns anos que assim o é. A verdade é que, dentro da realidade do CS Marítimo, esta estratégia não tem dado mau resultado. Os números não mentem: nos últimos anos, o CS Marítimo conseguiu sempre colocar-se em posições razoáveis a meio da tabela classificativa.

E agora surge a pergunta: em que medida a aposta em brasileiros terá influência nisto? Pois bem, o avançado brasileiro de 27 anos, Rodrigo Pinho, é elucidativo disso mesmo. Cumpriu mais de dois mil minutos ao serviço do clube e marcou 11 golos nas quatro diferentes competições onde o CS Marítimo esteve inserido a época passada. Foi mesmo ele o protagonista daquele que foi considerado o melhor golo da Primeira Liga 2017/2018. E que golo! Um trabalho fenomenal do avançado, um golo extraordinário e uma autêntica bomba!

Rodrigo Pinho foi protagonista daquele que foi eleito o melhor golo da Primeira Liga 2017/2018
Fonte: CS Marítimo

Mas não foi só este brasileiro que ajudou o CS Marítimo a cumprir a sua tarefa. Lembro-me de nomes de jogadores importantes na equipa insular na época passada como Bebeto e Cléber, irrepreensíveis ao nível da entrega. Dráusio Gil, apesar de ter sido maioritariamente utilizado na primeira parte da temporada, também foi, até certa altura, uma peça importante na defesa do Marítimo. Lembro-me também de Fransérgio, Dyego Sousa e Derley de outros anos. Tudo brasileiros que marcaram a diferença no clube.

Anúncio Publicitário