No decorrer da passada semana, e depois de a imprensa nacional ter avançado vários nomes (José Couceiro, José Peseiro e, até mesmo, Daniel Ramos), o CD Santa Clara anunciou João Henriques, como técnico que sucederá a Carlos Pinto, na liderança dos Açoreanos, na próxima temporada que marcará o regresso do clube ao principal escalão do futebol luso.

A sua contratação por parte dos responsáveis do emblema de Ponta de Delgada pode ser entendida como uma aposta na continuidade do modelo de treinador que tem vindo a ser escolhido pelo clube açoriano, um técnico jovem, português e que sirva de condutor à valorização dos principais ativos da equipa, isto é os seus jogadores.

Perfil do treinador:

João Alexandre Oliveira Nunes Henriques, 45 anos, natural de Tomar, concluiu, sem sucesso, a época transata ao serviço do FC Paços de Ferreira, uma vez que não conseguiu assegurar a permanência dos Castores na Primeira Liga. Na equipa da Capital do Móvel, João Henriques procurou explorar a construção de jogadas de ataque pelas alas, tirando partido da velocidade e capacidade de cruzamento dos extremos Awer Mabil e António Xavier, assim como do bom jogo aéreo de Luiz Phellype (melhor marcador da equipa com oito golos). Como tal, o esquema- tático utilizado oscilou entre o seu habitual 4-3-3 e o 4-2-3-1. No que se refere à organização defensiva, os Pacences evidenciaram grandes dificuldades em evitar contra-ataques, especialmente quando os mesmos eram feitos a partir das alas e, ainda, na defesa de lances de bola parada.

Awer Mabil foi um dos futebolistas potenciados por João Henriques
Fonte: FC Paços Ferreira

Antes disso, havia orientado até janeiro o Leixões SC (substituiu, no comando da equipa principal, ao fim da terceira jornada, Daniel Kenedy) alcançando um registo bastante positivo na Segunda Liga (sete vitórias; sete empates e, apenas, duas derrotas) que permitiu, aos Bébés, ambicionarem, a dada altura, a subida de divisão. Para além disso, durante a sua passagem por Matosinhos, João Henriques privilegiou a utilização de um sistema 4-3-3 que permitiu combinar a prática de um futebol atrativo com resultados positivos, contribuindo deste modo para a valorização de diversos futebolistas, dos quais são exemplos o médio Stephen Eustáquio (futebolista de 21 anos que se estreou, em novembro passado, pela seleção sub-21 de Portugal), o lateral Derick Poloni ou o avançado Evandro Brandão.

No CD Santa Clara, o treinador de 45 anos irá liderar uma equipa que contará com a permanência de muitos dos “heróis” que materializaram o regresso do emblema insular à Primeira Liga após um longo período de ausência (15 anos).

Foto de Capa: CD Santa Clara

Comentários