O jogador que se fez treinador ainda dentro das “quatro linhas”:

Jorge Manuel Rebelo Fernandes, ou Silas no universo do futebol nacional, nasceu a 1 de setembro de 1976, em Lisboa. Hoje, aos 42 anos de idade, é encarado como um dos treinadores emergentes a atuar no nosso país, mas a ligação de Jorge ao “desporto-rei” prolonga-se já há mais de três décadas e teve o seu início do outro lado da barricada, ao serviço do Desportivo Domingos Sávio.

Após colocar ter colocado, em 2017, um ponto final numa carreira de futebolista que se pautou por 21 anos ao mais alto nível, alternados entre Portugal e o estrangeiro, onde experienciou realidades bastantes diferentes: desde a terceira divisão espanhola à primeira divisão cipriota, passando por um dos mais emblemáticos palcos do “desporto-rei”, a Premier League inglesa, deu-se uma transição que já havia começado a ser preparada em 2014 (quando voltou a Portugal, depois de cerca de dois anos no Chipre): seguir a carreira de treinador de futebol profissional.

Ora, a primeira experiência surgiu logo depois de “pendurar as botas”, tendo sido convidado para orientar o estágio destinado a futebolistas no desemprego levado a cabo pelo Sindicado dos Jogadores. Posteriormente aceitou o convite para integrar a estrutura do Belenenses SAD e passar a assumir o comando técnico da formação de sub-23. Entretanto, em janeiro de 2018, Domingos Paciência deixa a equipa principal dos Azuis, devido a uma série bastante negativa de resultados que colocara a equipa em último lugar, e Silas é o eleito para o suceder no cargo. Uma escolha acertada, já que o jovem técnico que fazia a sua estreia na Primeira Liga conseguiu amealhar 18 pontos em igual número de jornadas e, dessa forma, assegurar, com alguma tranquilidade, a manutenção no principal escalão. A isto, se acresce o facto de os “Azuis” terem protagonizado exibições positivas ante os designados três grandes, conseguindo um empate a um golo frente ao SL Benfica (logo no seu segundo jogo como treinador), um triunfo por 2-0 diante do FC Porto e, ainda, uma derrota pela margem mínima (3-4) contra o Sporting CP, num encontro em que a turma do Belém conseguiu inverter uma desvantagem de dois golos.

Fonte: Belenenses SAD

2018/2019: “A prova dos 9”

Com Jorge Silas a orientar a equipa desde o início da época, a pretérita temporada veio a revelar-se bastante mais tranquila que a anterior (terminou a Primeira Liga no nono lugar, com 44 pontos). Sob as ordens do treinador lisboeta (um profundo admirador de Jorge Jesus), a formação do Belenenses SAD, habitualmente disposta num sistema de três centrais, conseguiu aliar a prática de um futebol de qualidade, com critério, à eficácia. A título de exemplo, veja-se o facto de o Belém ter efetuado uma média de 10,3 remates por partida na Primeira Liga, tendo sido superado, apenas, por CD Feirense e CD Nacional (curiosamente, as duas formações que acabaram por ser despromovidas). Contudo, se se atender ao rácio em termos de golos marcados por número de remates efetuados, verifica-se que a equipa do Belenenses SAD se posicionou como a quinta melhor da prova, apenas, superada por Rio Ave FC e pelos três grandes.

Por conseguinte, os resultados alcançados por Jorge Silas (em conjunto com a sua equipa técnica), têm feito sobressair a competência do seu trabalho, contribuindo para que seja visto como um dos jovens treinadores com grande potencial a emergir em Portugal.

Foto de Capa: Belenenses SAD

Comentários