E eis que à 31.ª jornada, lá bem ao fundo, se viu aproximar essa arma mortífera, pronta a deixar KO os seus adversários. E eis que surgiu, finalmente e de forma avassaladora, William Oliveira. E os adeptos do GD Chaves voltaram assim a acreditar que a batalha não está perdida, e que um tanque carregará sobre as defesas adversárias, até à exaustão destas e à rendição final.

William Oliveira é essa arma que esteve somente meio carregada ao longo da presente época. Inexplicavelmente, e após a época passada em que surpreendeu muitos dos mais atentos, William este ano andou ‘meio escondido’ por entre as defesas contrárias. Apesar disso, foi sempre aposta regular do seu treinador, tanto de Daniel Ramos, como depois de José Mota.

Já antes escrevi sobre William. Primeiro apelidando-o do tanque do futebol português, e depois como uma das decepções da época. Cumprindo quase todos os jogos da Primeira Liga, era de facto difícil de explicar a sua factura de somente um golo marcado. No entanto, e voltando à confiança que os seus treinadores sempre depositaram em si, esta deve ter uma justificação qualquer. Correcto?

William voltou (finalmente) aos golos, prometendo ser a arma mais mortífera do Chaves para o final da época
Fonte: GD Chaves

William é muito mais que um simples homem de área, mesmo que a sua estampa física nos leve a achar que não. O que joga e o que faz jogar, abrindo espaços para os seus colegas de ataque e do meio-campo, levam-no a ser um jogador imprescindível no ataque flaviense…mesmo que não atire a redondinha lá para dentro.

No entanto, no passado fim de semana, e logo por três vezes, William presenciou a sua sandes preferida com o tão famoso ketchup, alimentando assim a esperança dos valentes transmontanos de que a manutenção pode ainda ser uma realidade.

Sou um confesso admirador das qualidades do ponta de lança do Chaves. Parece-me que lhe falta algum faro de golo, ou pelo menos a antecipação aos defesas, o saber onde ‘vai a bola cair’, que faz dos melhores isso mesmo: melhores que os demais. Ainda assim, antevejo-lhe um excelente futuro. Tem características ‘especiais’ que se forem potenciadas poderão fazer dele um caso sério no nosso Campeonato. E, mesmo que o seu clube desça, com certeza que William se irá manter no campeonato maior do nosso país.

Boa sorte William!

 

Foto de Capa: GD Chaves

Comentários