Kalindi Alves de Souza nasceu a 29 de agosto de 1993 no norte do Brasil, mais concretamente, no estado do Pará, o segundo maior do país.

Tendo iniciado a sua carreira no Pinheirense Esporte Clube, emblema do distrito de Icoaraci (Belém, Pará), Kalindi transferiu-se, no ano de 2013, para a Tuna Luso Brasileira, um dos principais clubes paraenses. Posteriormente, ingressou no Grêmio Esportivo Anápolis, formação do estado de Goiás, de onde saiu no verão de 2015 com destino a Portugal, para representar o FC Penafiel.

De um Natal antecipado, nasceu um jogador consolidado

Após efetuar a sua estreia em setembro pelos Rubro-Negros, num encontro relativo à segunda eliminatória da Taça da Liga ante o Portimonense SC, no qual atuou como extremo direito, o futebolista paraense sentiu algumas dificuldades para se impor no conjunto às ordens de Carlos Brito, tendo apenas disputado o seu primeiro jogo na Segunda Liga no mês de dezembro. Ora, essa partida (um empate a um golo diante do CD Mafra) acabou por ter um impacto positivo na sua trajetória no emblema penafidelense, uma vez que o desfecho pouco favorável – aliado ao mau arranque do FC Penafiel- motivou o despedimento do técnico portuense, que foi rendido por Paulo Alves.

Após a entrada deste último, Kalindi foi convertido em lateral e passou a usufruir de mais tempo de utilização, tendo-se estabelecido como um dos habituais titulares da equipa, uma realidade que se perpetuou pelas duas épocas seguintes. No total, o futebolista brasileiro disputou 102 jogos – 8923 minutos, nos quais marcou um golo e completou cinco assistências, durante as três temporadas em que esteve ao serviço dos Durienses.

(Kalind)ade de Primeira

Em época de estreia no principal escalão na hierarquia do futebol português, o lateral de 25 anos tem impressionado, acima de tudo, pela regularidade exibicional até aqui demonstrada ao ponto de se configurar como um jogador preponderante na equipa do CD Nacional.

A nível defensivo, Kalindi Souza oferece bastante consistência, visto que efetua, em média, (3,8) desarmes por encontro, dos quais cerca de (74 %) são bem-sucedidos.

O Heatmap, acima representado, ilustra a grande contribuição defensiva de Kalindi, no jogo ante o CD Tondela
Fonte: Whoscored

Por outro lado, a influência do lateral brasileiro na equipa treinada pelo antigo internacional português Costinha também se estende ao capítulo ofensivo, devido à profundidade que imprime no seu corredor, fazendo-se valer da sua velocidade e capacidade de drible.

Para além disso, note-se o facto de Kalindi ser o futebolista do CD Nacional que mais toques na bola realiza por encontro, registando uma média de (74,2) nas dez partidas já disputadas referentes à Primeira Liga.

Em jeito de conclusão, resta-me acrescentar que, com a reabertura do mercado a aproximar-se, não seria descabido pensar-se numa mudança de ares para o atleta.

 

Foto de Capa: CD Nacional

Comentários