Anterior2 de 2Próximo

– Entendo, mas pelo menos em termos de limpeza está tudo nos conformes, ou não? – questionei-o.

– Queres mesmo que te diga? – interrogou-me o chefe, deixando-me um tanto ou quanto preocupado, porque sei que ele não tem papas na língua.

E continuou: aquilo está uma porcaria que mete nojo. E pior que tudo é que nem sei por onde pegar. Não sei como resolver o problema. E eu detesto quando não sei onde ‘atacar’.

– Quem havia de dizer. Nunca pensei! – exclamei com espanto.

– Pois é, meu caro. – prosseguiu. Os problemas são tantos e não é só da falta de aposta no que é nosso. É a parte em que não há organização;a parte em que todos ralham nos bastidores e não se entendem; aparte em que não sabem fazer leis (desculpa, queria dizer ementas) e depois de as fazerem nem sequer as cumprem. Anda tudo ao sabor do vento. Cada um faz o que acha melhor para si próprio e assim não vão longe. E mais: quando as coisas não correm bem, colocam a culpa em cima uns dos outros, para ver se ninguém vê que foram eles os responsáveis pelo resultado final que ficou muito aquém.

No futebol como na cozinha, o espírito de equipa é essencial
Fonte: Ljubomir Stanisic
Anúncio Publicitário

– Entendo! – disse.

– E depois é isto que se vê. Estes negócios mais pequenos são complicados. Se for bem gerido, se for tudo feito com qualidade, com dedicação e com um bem tratar das coisas, isto vai para a frente. Claro que há sempre erros. Mas só não erra quem não faz! Agora se vão pelo facilitismo, se não forem bem medidos os passos a dar, então o que acontece é isto que está a acontecer cada vez mais neste país: a extinção, a falência, o fim destes negócios que outrora tiveram grandes momentos.

– Desculpa, pá. Tenho que ir ali que não me está nada a agradar o que estou a consumir. Porra! Um gajo tem que andar a comer isto pelos olhos todos os dias? – exclamou o chefe já bastante ‘azedo’.

E lá foi ele. Fiquei a pensar no que ele me havia dito e já não consegui comer mais nada.

Passados alguns instantes batem-me no ombro. Viro-me para trás. Era o chefe Ljubomir.

– Estás a ver do que eu te falava? – Perguntou-me ele, mostrando-me uma notícia com o título: ‘Futebol Português: onde há poucos cozinheiros, mas muitos cozinhados’. Só então entendi que a conversa não era sobre cozinha, mas antes sobre o nosso Futebol.

Assim vai o país futebolístico. Quem quer provar?

Foto de Capa: Ljubomir Stanisic

Qualquer semelhança com a realidade é pura coincidência

Anterior2 de 2Próximo

Comentários