Na época corrente, o Rio Ave FC, orientado por Carlos Carvalhal, ocupa um dos lugares cimeiros da classificação, o sexto lugar. Com quatorze jornadas passadas, o clube conta com um registo de cinco vitórias, quatro empates e cinco derrotas. Alguns destes resultados não contêm a história dos jogos, sendo que, os vila-condenses são a equipa que mais cria oportunidades flagrantes de golo no campeonato.

Estas estatísticas foram relembradas pelo técnico do plantel, num claro lamento, revelou que tem treinado a equipa para ter, pelo menos, 50% de eficácia em todas as ocasiões de perigo, os vila-condenses estariam a lutar pelo top quatro da tabela, permitindo sonhar com a europa. Até Tarantini, capitão de equipa, veio a publico lamentar o flagelo que tem assombrado o conjunto.

Nas competições internas, apesar já estar nos oitavos de final da Taça de Portugal e na luta pela passagem à próxima fase, os jogadores e treinador temem pela permanência nas competições, muito importantes para o bem-estar financeiro destes clubes.

Esta falta de golos é um surto que está cada vez mais presente nas equipas portuguesas, mesmo nos três grandes, talvez pela falta de qualidade dos planteis e pela competitividade da liga estar em queda livre, é cada vez mais difícil encontrar conjuntos eficazes e temíveis pelos adversários na nossa liga, tendo como esperança a margem de progressão apresentada pelos jogadores, podendo desenvolver jogo temível e eficaz.

Anúncio Publicitário
Fonte: Rio Ave FC

Durante as competições, manter o nível de eficácia é essencial para o sucesso coletivo. Quando as equipas não são capazes de finalizar, todo o trabalho técnico é em vão. Conseguir a vitória é o objetivo máximo do desporto. Quando não acontece, soam alarmes e mudanças começam a ser pedidas por adeptos e direções.

 

Foto de capa: Rio Ave FC

Artigo revisto por Inês Vieira Brandão