futebol de formação cabeçalho

Em tempos mornos dos campeonatos vamos para lá dos bastidores do relvado, revelando algumas das esferas pilares da formação. Para começar, aquela que ocupa um dos lugares cimeiros: a família. Mais especificamente, os pais. A importância, relevância e actualidade do tema são confirmadas pelos inúmeros estudos desenvolvidos e publicados sistematicamente na última década em revistas internacionais da especialidade (por exemplo, Psychology of Sport and Exercise, Journal of Sport Science,…).

Poucos são os pais que não ofereceram uma bola de futebol aos filhos assim que os viram dar os primeiros passos. Vivendo num contexto social em que o futebol ocupa tanto tempo de antena na rádio e na televisão, tanto espaço nos jornais desportivos e tantos minutos nas conversas de café, estão reunidas as condições para que exista uma forte motivação extrínseca para o sonho partilhado entre pais e filhos: singrar numa carreira futebolística.

Não raras vezes os pais de um atleta reestruturam a sua vida social para o acompanhar neste longo e atribulado percurso. Treinos durante a semana, jogos ao fim-de-semana, torneios nas férias de Natal e da Páscoa, férias de verão limitadas pelos treinos pré-época… Mas os pais não olham a meios para apoiarem os filhos na concretização dos seus objectivos. Na verdade, até há pais que desenvolvem interesse pelos desportos que os filhos praticam; alguns tornam-se bons espectadores, outros tentam mesmo desempenhar os papéis de “psicólogo”, “preparador físico”, “nutricionista” ou até de “treinador”. O papel dos pais é de tal forma determinante na vida desportiva dos filhos que clubes de alta competição elaboram manuais com um conjunto de normas e conselhos para optimizar os seus comportamentos, alertando para erros que não devem ser cometidos.

Por de trás de cada jovem está um tipo específico de família. A literatura internacional identifica famílias que hiperbolizam a performance do atleta, o que pode contribuir para que este tenha excesso de confiança e, consequentemente, não evolua. Refere também famílias que incentivam o atleta a traçar metas reais, alertando-o para as dificuldades inerentes ao desafio que definiu, e famílias que se super envolvem no sonho do atleta, excedendo a sua participação na vida desportiva do mesmo e não sabendo separar os seus desejos pessoais das necessidades do filho. Há ainda as famílias que não se envolvem no processo, deixando as decisões do atleta ao seu critério – o que muitas vezes tem reflexo na consistência e no compromisso que o filho dedica à prática, especialmente se esta falta de envolvimento parental acontece desde as fases mais precoces de desenvolvimento desportivo.

Cada jogo pode gerar sentimentos de sofrimento ou alegria, dependendo da performance do filho, criando ambivalências difíceis de gerir. Dicotomias que ultrapassam os momentos dos jogos e são transpostas “para lá das quatro linhas”, para o planeamento do futuro, longínquo e incerto, para a esfera da conciliação da paixão pelo futebol com a vida académica, para a construção de um plano “B”, quando querem a todo o custo que o plano “A” resulte.

Pais que apalpam caminhos, que querem ser fiáveis faróis, mas que muitas vezes vêem precocemente os seus filhos deixarem a casa para integrarem academias, abrindo mão de tantas influências na sua educação. Filhos que abruptamente queimam etapas de desenvolvimento, entrando num processo altamente competitivo, de desafios múltiplos, de auto-conhecimento e de superação.

Saber valorizar o esforço e o empenho mais do que os êxitos desportivos, promover a motivação intrínseca nos momentos em que o sucesso teima em aparecer, tornar o desporto como ponte facilitadora de comunicação e de fortalecimento da relação podem ser estratégias eficazes não só para ajudar os filhos enquanto desportistas como para ajudar os pais a fruírem dos momentos desportivos e desta opção de vida.

A verdade é que os pais não nascem ensinados, não aprendem sem errar, nem sequer têm uma bola de cristal que os tranquilize perante o futuro. Se pensarmos que sonham exponencialmente quando sonham pelos e para os filhos, compreendemos a complexidade de sentimentos que transportam quando acompanham a formação e a carreira desportiva dos seus filhos.

Comentários

Artigo anteriorEu Renuncio
Próximo artigoOrgulho português dentro de água
A Maria é uma rapariga que nasceu numa família em que o sexo masculino está em grande maioria, por isso desde cedo começou a ver futebol profissional, a jogar Football Manager, a ler jornais desportivos e a assistir a jogos de futebol formação. Os hábitos e a paixão perduram até hoje.                                                                                                                                                 A Maria não escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.