Anterior1 de 3

Sempre ouvi dizer durante o meu percurso académico que a história não se repete, mas se o caminho da seleção portuguesa feminina não se está a repetir então é puro destino. Espero que acredites no destino, caso contrário não sentirás da mesma maneira do que eu a última parte da afirmação anterior. Enfim, mas a última decisão para Portugal antes de mais um Campeonato da Europa, desta vez de 2022, será novamente no longínquo Leste Europeu, agora na Rússia.

Em 2017, as jogadoras portuguesas ficaram em 2.º lugar em igualdade pontual com a Finlândia – situação contrária a esta qualificação em que as finlandesas lideraram o grupo. O lugar em que a seleção tinha ficado dava direito a disputar um play-off para ainda sonhar com o tão inédito Europeu nos Países Baixos, o primeiro para as portuguesas. A verdade é que depois de um nulo em Portugal e de mais um no tempo regulamentar em Cluj, na Roménia, as decisões ficaram adiadas para o prolongamento.

Ana Borges, com a magia feita pelos seus pés, conseguiu ter a possibilidade de ficar numa excelente posição para passar para Andreia Norton fazer o 0-1, que praticamente punha Portugal no Europeu. As romenas ainda empataram a partida, mas as portuguesas tinham já comprado a passagem de avião para os Países Baixos. Ainda me lembro de em plena aula estar a viver esta bonita história do Futebol Feminino português.

Anúncio Publicitário

Em 2021, novo cenário de play-off para a seleção portuguesa depois de voltar a ficar em 2.º lugar na qualificação. O local é diferente agora, contudo, só queremos que o desfecho final seja o mesmo e que a seleção portuguesa marque, pela segunda vez consecutiva, presença num Europeu, mas agora o de 2022.

Anterior1 de 3