2 de 2Próximo

Seguir-se-ia a disputa da Taça da Liga 2020/2021, com o SL Benfica a derrotar o Clube da Albergaria por 2-0 nos quartos-de-final e o FC Famalicão por 3-0 nas meias-finais. A final seria disputada em Leiria, no dia 17 de Março, onde as encarnadas derrotariam o Sporting CP por 2-1, quatro dias depois de terem perdido contra a equipa leonina por 0-1 em Alcochete, colocando o título nacional em risco.

A seguir disputaram-se os jogos decisivos na Fase de Apuramento do Campeão no campeonato. No espaço de uma semana, o SL Benfica derrotaria por duas vezes o SC Braga (1-2 em Braga e 4-0 no Seixal) e ainda derrotaria o FC Famalicão por 3-1. Mas o ponto de viragem chegaria na penúltima jornada, quando as encarnadas derrotaram o Clube Condeixa por 7-0 e ainda beneficiaram da derrota do Sporting CP em Braga, saltando para a liderança isolada do campeonato.

O título seria então decidido na última jornada com um derby em Alvalade, onde a equipa encarnada daria provas da sua competência, entrega e superação, derrotando as leoas por 3-0, conquistando assim o primeiro campeonato nacional da sua história.

Todos os intervenientes tiveram mérito nestas conquistas, mas não posso deixar de mencionar a mudança de treinador como um dos principais fatores no sucesso da temporada. A substituição de Luís Andrade surtiu um efeito imediato na equipa.

Filipa Patão alterou o sistema tático da equipa, passando esta a jogar em 4-4-2 losango, que se desdobra num 4-3-3 sem a posse de bola, com Kika Nazareth a ser a principal referência na pressão à saída de bola adversária. O losango era normalmente composto por Beatriz Cameirão, Pauleta, Ana Vitória e Kika a jogar a número 10, havendo ainda Cristy Uchebe e Andreia Faria a serem apostas regulares no onze. Já a holandesa Jolina foi das jogadoras mais influentes com Luís Andrade no comando técnico, mas a sua utilização baixou drasticamente com a chegada de Filipa Patão.

Anúncio Publicitário
Cloé Lacasse esteve em destaque no SL Benfica
Cloé Lacasse esteve em destaque no SL Benfica
Fonte: Carlos Silva/ Bola na Rede

No ataque, tanto Cloé Lacasse como Nicole Raysla demonstraram grandes índices de produtividade, sendo das jogadoras que se complementam bem. A reforço de inverno Marta Cintra, depois de um período de adaptação inicial, também aproveitou uma lesão de Nicole para mostrar serviço, marcando golos importantes.

Uma das grandes mudanças trazidas por Filipa Patão foi também a mais vincada aposta nas jovens. Kika Nazareth foi a melhor jogadora da fase de apuramento de campeão, marcando 12 golos e enchendo os relvados com a sua fantasia e criatividade. Já Beatriz Cameirão era um relógio suíço no miolo, sendo um exemplo de discrição e eficácia, sabendo sempre o que fazer em campo.

Destaque ainda para as jovens Catarina Amado e Lúcia Alves. Duas extremas adaptadas a laterais, que mostraram uma grande evolução ao longo da época, acabando por serem premiadas com uma chamada à seleção nacional.

Já outro fator determinante foram as mudanças na baliza. Dani Nehaus, guarda-redes internacional brasileira contratada na primeira temporada, nunca convenceu os adeptos, levando o clube a apostar noutra internacional canarinha.

As águias conquistaram o primeiro campeonato do seu palmarés
As águias conquistaram o primeiro campeonato do seu palmarés
Fonte: Carlos Silva/ Bola na Rede

Letícia Izidoro chegou do FFSC Corinthians Paulista e tornou-se imediatamente numa mais-valia, não só pela segurança, agilidade e destreza entre os postes, mas também pela capacidade que demonstrou a jogar com os pés, tornando-se essencial no modelo de jogo da equipa, sendo frequentes as situações em que assumia a posse de bola perto da linha do meio-campo.

Nesse sentido, creio que a prioridade no mercado seria a contratação de uma defesa-central com qualidade a sair a jogar com a bola dominada, visto que Carole Costa é a única central da equipa que cumpre esse requisito.

Em três anos, a equipa feminina do SL Benfica ganhou tudo o que havia para ganhar a nível nacional. Mas como a treinadora Filipa Patão disse no discurso da vitória, o nível do SL Benfica tem de ser outro, subindo de patamar na Europa. E eu acredito que este projeto tem bastante margem de progressão.

Artigo revisto por Joana Mendes

2 de 2Próximo

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome