logo-BnR.png

ÚLTIMA HORA:

Vitória FC x FC Alverca

Vitória FC 1-0 FC Alverca: Sadinos “na raça” garantem acesso à fase de subida

A CRÓNICA:  COM MENOS UM JOGADOR DESDE OS 40 MINUTOS, SADINOS VENCEM E GARANTEM O 4º LUGAR DO GRUPO B

No Estádio dos Bonfim, o Vitória FC recebeu o FC Alverca, duelo este a contar para a 17º jornada da Liga 3. O último confronto entre as duas equipas realizou-se ainda em dezembro de 2021, duelo este onde o Real SC sofreu uma pesada derrota frente aos sadinos, por 3-0.

De salientar que, o Vitória FC, disputava o 4º lugar da zona de acesso à fase de subida da Liga 2 com o Amora FC: com mais um ponto de vantagem relativamente ao amorenses, os sadinos tinham como intuito a vitória no encontro de forma a assegurarem o apuramento, sem depender de um resultado do Amora FC. No que diz respeito à equipa do FC Alverca, já se encontrava apurada para a fase de subida, no 3º lugar, podendo ainda subir ao 2º lugar do Grupo B.

Os sadinos começaram o jogo com uma vontade bem patente de chegar ao golo o mais depressa possível. Esta ânsia pela vitória, fazia com que a equipa tomasse decisões precipitadas, jogando muito mais pela emoção em detrimento da razão. No entanto, esta vontade demonstrada pelos sadinos, impedia que o FC Alverca ditasse o rumo do jogo: os jogadores do Vitória FC, extremamente concentrados, “davam a vida” a cada lance que disputavam com o adversário.

Os alverquenses, que sabiam da dificuldade que iriam encontrar neste terreno, procuravam causar perigo mediante transições rápidas em contra-ataque, uma vez que estavam a ser “sufocados” pelos sadinos, que procuravam incessantemente o golo que lhes dava certa tranquilidade. De destacar uma oportunidade, aos 18 minutos, onde o guarda-redes do FC Alverca, José Costa, sai da pequena área e o médio sadino, Daniel Carvalho, atira à malha lateral da baliza.

Com o público a puxar bastante pela equipa da casa, o Vitória FC detinha então o total controle do jogo. Todavia, aos 41 minutos, Nuno Pinto tem uma entrada tardia sobre Jorge Bernardo é expulso do encontro, por vermelho direto, numa falta muita contestada pelo público. Uma expulsão que, de facto, deixa bastantes dúvidas e interrogações. Os alverquenses tinham agora a oportunidade de assumir o controle do jogo face a um Vitória FC reduzido e abalado psicologicamente por vias da expulsão de Nuno Pinto.

Na segunda parte, o Vitória FC mostrava um grande espírito de sacrifício: jogava com menos um, ou seja, a vitória estava mais difícil e o Amora FC, no outro encontro, podia a qualquer momento fazer um golo que lhes dava o 4º lugar do grupo. Aos 57 minutos, má decisão de João Freitas que entrega a bola a Robson que, com um passe a rasgar, isola Zequinha na frente que fuzila a baliza dos alverquenses: 1-0 para os sadinos, o estádio entrava em euforia.

Os alverquenses criavam perigo, mas os sadinos conseguiam controlar essas investidas e mostravam estar melhores no encontro, mesmo com menos um jogador que o adversário. Com um golo do Amora FC no jogo frente ao SC Torreense, o Vitória FC entrava em estado de alerta, pois um golo do FC Alverca colocava os sadinos em 5º lugar, fora da fase de subida.

No entanto, o Vitória FC trabalhou e sacrificou-se para vencer este encontro. 1-0 vencem os sadinos, que, como prémio, garantem o 4º lugar do Grupo B e o acesso à fase de subida.

 

A FIGURA

Zequinha – O espírito de sacrifício que demonstrou ao longo do jogo foi sublime: atacou os espaços, pressionou o adversário e esteve altamente concentrado. O golo da vitória só poderia ser dele.

 

O FORA DE JOGO

João Freitas – Por diversas vezes, foi incapaz de tomar a decisão certa na primeira fase de construção entregando a bola ao adversário. Uma dessas más tomadas de decisão, deu a bola a Robson que originou o golo dos sadinos.

 

ANÁLISE TÁTICA – VITÓRIA FC

Filipe Moreira apostou num sistema de 4-3-3, com um tridente ofensivo rápido e móvel: Zequinha fazia a função de pivô na frente, explorando por vezes as costas da defesa juntamente com Varela, e Daniel Carvalho deambulava pelo ataque tendo a liberdade de cair para ambos os flancos. Com a expulsão de Nuno Pinto, Daniel Martins deu o lugar a Robson que jogava fazia a função de segundo médio e auxiliava José Semedo com um duplo pivô no meio-campo.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

João Valido (7)

Ruben Gonçalves (7)

Bruno Bernardo (7)

Bruno Almeida (9)

 Nuno Pinto (5)

José Semedo (7)

Murilo Rosa (6)

Daniel Martins (6)

Daniel Carvalho (6)

Varela (8)

Zequinha (9)

SUBS UTILIZADOS

Robson (8)

Mendy (7)

Rodrigo Pereira (6)

Stockl (-)

 

ANÁLISE TÁTICA – FC ALVERCA

O FC Alverca apresentou-se num 4-3-3 com um ataque muito veloz apostando em transições rápidas que apanhavam o adversário desprevenido. Com a expulsão de Nuno Pinto, o FC Alverca subiu os laterais e, com o controle da posse de bola, tentava atrair o Vitória FC para atacar para sair posteriormente em transições rápidas, aproveitando assim o facto do adversário estar com menos um jogador em campo.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

José Costa (5)

Ronaldo (6)

Tiago Gomes (5)

Ricardo Rodrigues (6)

Jorge Bernardo (6)

Eurico Lima (6)

Pepo (6)

João Freitas (5)

Klismahn (6)

Jefferson Nem (7)

SUBS UTILIZADOS

Rafa Castanheiro (6)

Rodrigo Dinamite (6)

Filipe Brigues (5)

Evandro Brandão (6)

João Sousa (5)

O Felipe é um jovem que estuda Jornalismo na Escola Superior Comunicação Social. Gosta sempre de dar a sua opinião quando de futebol se trata, atentando sempre para os mínimos detalhes que acontecem dentro de campo. É devoto do Porto, daqueles que conta os dias que faltam para o jogo. Vê o futebol como um livro recheado de particularidades únicas, onde várias opiniões diferentes compõem a história.                                                                                                                                                 O Felipe escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.

O Felipe é um jovem que estuda Jornalismo na Escola Superior Comunicação Social. Gosta sempre de dar a sua opinião quando de futebol se trata, atentando sempre para os mínimos detalhes que acontecem dentro de campo. É devoto do Porto, daqueles que conta os dias que faltam para o jogo. Vê o futebol como um livro recheado de particularidades únicas, onde várias opiniões diferentes compõem a história.                                                                                                                                                 O Felipe escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.

[my_elementor_post_nav_output]

FC PORTO vs CD TONDELA