logo-BnR.png

ÚLTIMA HORA:

Vitória FC x SC Braga B

Vitória FC 2-2 SC Braga B: Empate em duelo aceso até ao fim

A CRÓNICA:  DUELO “QUENTE” ENTRE DUAS EQUIPAS QUE, ATÉ AO FIM, TENTARAM A VITÓRIA

Após a derrota frente à UD Oliveirense, no Estádio Carlos Osório, o Vitória FC enfrentava agora o SC Braga B, no Estádio do Bonfim, jogo este a contar para a segunda jornada do acesso à fase de subida. Detalhe que as duas equipas nunca antes se tinham enfrentado, sendo então esta a primeira vez que travavam, entre si, um duelo.

O Vitória FC, como já referido, vinha de uma derrota frente ao UD Oliveirense, por 2-1, e o SC Braga B de uma vitória, em casa, frente ao UD Leiria por 1-0.

A passividade e tranquilidade com que os sadinos começaram o encontro, custou-lhes caro: o SC Braga B, com uma jogada a três toques, chega facilmente ao golo inaugural, aproveitando a passividade dos sadinos. 1-0, os minhotos inauguravam o marcador por intermédio de Berna. No entanto, quando o Vitória FC joga em seu território, parece outra equipa, fruto do apoio incondicional dos seus adeptos. Os sadinos reagiram ao golo e, rapidamente, chegaram ao golo do empate: cruzamento de Diogo Leitão, Miguel Lourenço levanta de cabeça, e Bruno Bernardo encosta para dentro da baliza minhota.

No entanto, por vezes, quem é “herói” rapidamente passa a “vilão”: Berna remata à entrada de área e a bola desvia no braço de Bruno Bernardo, o autor do golo do empate. Após consulta do vídeo-árbitro, o árbitro assinala para a marca da grande penalidade – Schurrle é chamado à conversão, João Valido adivinha o lado, mas não consegue chegar à bola por pouco. Os minhotos voltavam, novamente, a estar na frente do marcador.

Com o apoio do público, que puxava bastante pela equipa, o Vitória FC conseguia ter mais posse de bola e gerar mais ocasiões de perigo que o adversário, faltava apenas o golo. De destacar o cabeceamento de Ruben Gonçalves, aos 41 minutos, que acerta na barra e a bola cai mesmo em cima da linha de golo.

Na segunda parte, o Vitória FC entrou a “todo o vapor” com a intenção de dar a volta ao marcador. Os sadinos detinham o controle de jogo e criavam oportunidades flagrantes de golo, mas, assim como na primeira parte, faltava o golo. O guarda-redes dos minhotos, Lukas Hornicek, impedia constantemente o golo do empate da equipa da casa. A partir dos 60 minutos, do outro lado, temos uma exibição absoluta de João Valido que, por diversas vezes, impediu ocasiões de golo de “um para um” dos atacantes do SC Braga B.

De um lado, João Valido, do outro, Lukas Hornicek: duas exibições de alto nível, mas a qualquer momento um deles acabaria por ceder. Aos 76 minutos, cruzamento de Diogo Leitão, Zequinha ganha no salto ao defesa-central do SC Braga B, e cabeceia para o fundo das redes. Este golo do empate reacendeu, nos sadinos, a possibilidade de saírem vitoriosos no encontro.

Filipe Moreira fez entrar vários jogadores para o ataque, os sadinos pressionavam, mas não conseguiam chegar ao golo da vitória. O SC Braga B tentava explorar as costas da defesa sadina que, por vezes, era apanhada desprevenida. Num final de encontro impróprio para cardíacos, ambas as equipas proporcionaram um espetáculo bem disputado. No entanto, foram incapazes de sair do empate: 2-2, tudo empatado no Estádio do Bonfim.

 

A FIGURA

João Valido – Uma segunda parte de altíssimo nível. Com o Vitória FC ainda a perder por 2-1, fez três defesas fulcrais para os sadinos permanecerem vivos no encontro. Sem ele, o jogo poderia ter terminado de outra forma.

 

O FORA DE JOGO

Hernâni – Nos minutos finais do encontro, falhou uma tremenda oportunidade de golo, com a baliza completamente “aberta”. Se tivesse feito o golo, o resultado poderia ter sido diferente.

 

ANÁLISE TÁTICA – VITÓRIA FC

Filipe Moreira apostou num sistema de 5x3x2, com Daniel Martins a juntar-se a Bruno Bernardo e Miguel Lourenço. Em fase ofensiva, o Vitória FC variava para um 3x5x2 com os alas, Nuno Pinto e Ruca, a ocuparem posições mais avançadas no terreno.  No decorrer da segunda parte com a saída de Nuno Pinto, optou por alternar a equipa para um 4x4x2 com a entrada de Mendy.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

João Valido (9)

Ruca (6)

Bruno Bernardo (6)

Miguel Lourenço (7)

 Nuno Pinto (7)

José Semedo (6)

Ruben Gonçalves (8)

Daniel Martins (6)

Diogo Leitão (7)

Varela (6)

Zequinha (7)

SUBS UTILIZADOS

Gabriel Lima (7)

Mendy (7)

Robson (6)

Murilo (6)

 Rodrigo Pereira (6)

 

ANÁLISE TÁTICA – SC BRAGA B

O SC Braga B apresentou-se num 4-4-2 com jogadores muito velozes, apostando em transições rápidas que apanhavam o adversário desprevenido. Na segunda parte, com o Vitória FC a ter o controle da posse de bola, criava perigo através de passes longos no ataque à profundidade.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Lucas Hornieck (8)

Dinis Pinto (6)

Guilherme Soares (5)

Zé Pedro (6)

Dinis Pinto (6)

Buta (7)

Schurrle (7)

Pedro Santos (7)

Hernâni (6)

 Berna (8)

Kodisang (7)

SUBS UTILIZADOS

Djaló (6)

Vasco Moreira (6)

Rodrigo Borges (6)

Edu (6)

 

BnR NA CONFERÊNCIA DE IMPRENSA

Vitória FC

BnR: Hoje vimos um Vitória composto por uma linha de três atrás, com Nuno Pinto e Ruca a ocuparem posições mais adiantas no terreno. Pergunto-lhe o porquê de ter apostado neste sistema, e se podemos ver, mais vezes, este Vitória com este sistema.

Filipe Moreira: O treinador não respondeu à pergunta.

 

SC Braga B

BnR: O David Veiga hoje, por estar em constante vigilância a Diogo Leitão, limitou o adversário de jogar em ataque posicional pela zona central, uma arma forte do Vitória. Foi uma estratégia pensada para o jogo de hoje?

João Cardoso: “Os médios do Vitória têm uma grande dinâmica, sempre com dois pontas de lança, o que nos obriga a linha de quatro a ficar muitas vezes junta, depois os nossos médios a terem que ter esse cuidado entre a linha defensiva e a linha média. Conseguimos fechar bem, delineamos um plano e foi bem cumprido.”

O Felipe é um jovem que estuda Jornalismo na Escola Superior Comunicação Social. Gosta sempre de dar a sua opinião quando de futebol se trata, atentando sempre para os mínimos detalhes que acontecem dentro de campo. É devoto do Porto, daqueles que conta os dias que faltam para o jogo. Vê o futebol como um livro recheado de particularidades únicas, onde várias opiniões diferentes compõem a história.                                                                                                                                                 O Felipe escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.

O Felipe é um jovem que estuda Jornalismo na Escola Superior Comunicação Social. Gosta sempre de dar a sua opinião quando de futebol se trata, atentando sempre para os mínimos detalhes que acontecem dentro de campo. É devoto do Porto, daqueles que conta os dias que faltam para o jogo. Vê o futebol como um livro recheado de particularidades únicas, onde várias opiniões diferentes compõem a história.                                                                                                                                                 O Felipe escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.

[my_elementor_post_nav_output]

FC PORTO vs CD TONDELA