Agora, e quando o FC Porto já trabalha para iniciar a época 2017/18, todos os olhos estão postos no espanhol. Pela atual composição do plantel fica a ideia que a equipa se irá dispor, estruturalmente, num 4x3x3, sendo que a única dúvida no presumível trio de meio campo deverá ser quem vai acompanhar Óliver como médio interior. Qualquer que seja a opção (Herrera, André André ou Otávio), certo é que o espanhol deverá ser o principal responsável por pautar os ritmos da equipa no momento ofensivo e, acima de tudo, importa que tal ocorra mais próximo da grande área contrária. Fazer com que um futebolista tão brilhante quanto Óliver baixe para pegar no jogo no meio campo defensivo, limitando a sua chegada a zonas nas quais pode efetivamente criar desequilíbrios, constitui um desaproveitamento das caraterísticas do jogador e da influência que o mesmo pode ter no jogar da equipa.

Fonte: Página do Facebook de Oliver Torres
Fonte: Página do Facebook de Oliver Torres

Já próximo do início da época futebolística 2017/18 o plantel do FC Porto parece apresentar algumas lacunas, não é ainda muito equilibrado, mas conta com alguns bons valores individuais. De entre alguns diamantes, o mais valioso e o único que parece poder afirmar-se como melhor jogador da Liga NOS dá pelo nome de Óliver Torres, e é nele que se focam as atenções dos olheiros dos clubes com maior capacidade financeira. Se todo o seu potencial se expressar dentro das quatro linhas, é quase certo que Óliver Torres poderá terminar o ano numa equipa europeia de topo e, quem sabe, disputar o Campeonato Mundial de Futebol FIFA de 2018 ao serviço da seleção espanhola. Haja modelo de jogo que o permita, porque tudo o resto o pequeno craque espanhol já tem.

Foto de Capa: Página do Facebook de Oliver Torres

artigo revisto por: Ana Ferreira