Anterior1 de 4Próximo

Cabeçalho Futebol NacionalO CD Aves recebeu e venceu o Boavista FC esta terça-feira, por 3-0, no jogo que encerrou a 21.ª jornada da liga. Esta foi a segunda vitória caseira da formação avense, que segue no fundo da tabela, e que se encontra agora às ordens de José Mota para o que falta deste campeonato.

O Boavista FC apresentou-se em Vila das Aves com duas alterações comparativamente ao jogo contra o CS Marítimo: saíram Kuca e David Simão; entraram Aymen Tahar e Fábio Espinho. Já do lado da equipa da casa, quatro alterações em relação ao jogo da 20ª jornada frente ao SC Braga: saíram Falcão, Derley, Arango e Salvador Agra e entraram o reforço de inverno Tissone, Guedes, Nildo Petrolina e Paulo Machado.

O CD Aves entrou pressionante na partida, tendo logo ao segundo minuto da partida a sua primeira oportunidade de golo: Amilton surgiu na cara de Vagner e valeu ao Boavista a intervenção do guarda-redes brasileiro. A equipa da casa veria a sua melhor entrada recompensada logo ao minuto sete. Amilton novamente a surgir na frente, é carregado em falta dentro de área por Rafael Rossi. Na marcação da grande penalidade, Paulo Machado disparou para o lado direito, Vagner voou para o lado esquerdo. Golo para o CD Aves e estava feito o primeiro da partida.

Depois do golo, o CD Aves tirou o pé do acelerador, entregando a bola ao Boavista FC, mas sem perder o controlo sobre o jogo. Do outro lado os axadrezados pareciam incapazes de criar situações de verdadeiro aperto para a defensiva avense. Pelo contrário: era o CD Aves que, quando recuperava a bola, criava perigo, mas sempre através de contra-ataques marcados por más tomadas de decisão.

O remate de Guedes que forçou Vagner a uma grande defesa à passagem do minuto 36 e o remate Paulo Machado ao minuto 42 acabaram por ser as outras grandes oportunidades de golo da primeira parte. Para além de, claro, o golo de Guedes, ao minuto 44. Depois de cruzamento de Amilton, o cabeceamento do avançado português só parou no fundo das redes de Vagner.

Jorge Simão, consciente do mau jogo da sua equipa, não esperou pelo intervalo para mexer e, ao minuto 44, fez sair Aymen Tahar e Leonardo Ruiz para entrar Rochinha e Kuca. O impacto de Kuca na partida foi imediato: um bom trabalho do extremo que acaba a descobrir Mateus ao segundo poste. Este não conseguiu fazer a emenda, naquele que foi o melhor momento do Boavista FC na primeira parte.

A formação avense dominou por completo a partida Fonte: Bola na Rede
A formação avense dominou por completo a partida
Fonte: Bola na Rede

Com o placard a assinalar 2-0 a favor do CD Aves, a segunda parte começou com mais uma oportunidade para a formação às ordens de José Mota. Nildo surgiu à entrada da área e rematou em jeito, levando a bola a bater na trave da baliza defendida por Vagner. O Boavista FC reagiu de imediato e Carraça, de livre, obrigou Facchini a uma boa intervenção. Em desvantagem na partida, os axadrezados tentaram chegar com mais critério à área adversária e, aos 63 minutos, beneficiaram de novo livre no lado direito do ataque, com Carraça a bater e Guedes a aparecer para o corte. Ainda assim, foi mesmo o CD Aves que conseguiu chegar novamente ao golo e fazer o 3-0. Na sequência de um canto batido por Paulo Machado, Guedes desviou de cabeça ao primeiro poste e Vítor Gomes apareceu para fazer o terceiro do jogo. O lance ainda foi submetido à análise do vídeo-árbitro, mas Fábio Veríssimo acabou mesmo por validar o golo.

Um dos momentos mais intensos da partida acabou mesmo por chegar aos 78 minutos, com um choque de cabeça a deixar Tissone caído no relvado. A equipa médica foi chamada de imediato a entrar em campo, o jogador ainda foi assistido pelos bombeiros presentes no estádio, mas teve mesmo de ser encaminhado para o hospital, tendo saído das quatro linhas consciente.

Depois de sete minutos de compensação, a partida terminou mesmo com a vitória do CD Aves por 3-0. Os avenses dominaram a partida, tiveram mais ocasiões de golo e conseguiram garantir a conquista de três pontos importantes na luta pela manutenção, naquela que foi apenas a segunda vitória caseira, no regresso de José Mota ao banco na Vila das Aves

Anterior1 de 4Próximo

Comentários