À sexta jornada, o Clube Desportivo das Aves conquistou a primeira vitória na Primeira Liga, com um contundente 3-0 frente ao Portimonense SC. O capitão dos avenses, Vítor Gomes, foi a grande figura, marcando os três golos da partida, numa noite em que tudo correu de feição à turma da casa.

O Desportivo das Aves, após a derrota por 2-0 contra o Benfica, tinha uma oportunidade de ouro para conquistar a primeira vitória na Primeira Liga diante dos algarvios. Diante dos seus adeptos, os avenses mantiveram o mesmo onze que saiu derrotado no Estádio da Luz, com a exceção de Rúben Oliveira, que assumiu a titularidade em detrimento de Braga. O Portimonense, por sua vez, também só fez uma alteração (Lucas entrou para o lugar de Jadson) após a vitória por 3-2 na semana transata diante do Vitória SC.

A equipa da casa foi a primeira a dar sinais de perigo. Mama Baldé, com um remate forte à passagem do minuto 4, testou os reflexos de Leo. Os avenses acabaram mesmo por inaugurar o marcador aos oito minutos de jogo. Defendi, na sequência de um canto, cabeceou ao poste e o capitão Vítor Gomes estava no sítio certo para inaugurar o marcador.

Os homens de José Mota encontravam-se mais confortáveis no jogo, perante um Portimonense que não conseguia ter bola. A turma da Vila das Aves apostava mais no lado direito do seu ataque, através das combinações entre Rodrigo e Mama Baldé, explorando os buracos defensivos do adversário.

Anúncio Publicitário

À passagem da meia hora, o conjunto de Portimão conseguiu acertar a sua linha defensiva, permitindo uma maior confiança na construção de jogo. E quando a construção lenta não resultava, Nakajima encontrava espaços que mais nenhum dos homens em campo conseguia encontrar. O Desportivo das Aves perdia, aos poucos, o controlo da partida e nem o intento de Bruno Gomes, aos 41 minutos, ofuscava o rendimento dos algarvios nos instantes finais da primeira parte.

Vítor Gomes fez um jogo memorável, apontando os três golos dos Avenses
Fonte: Liga Portugal

Com o céu já pintado de preto, a segunda parte começou e a ‘estrelinha da sorte’ guiou o coletivo avense rumo ao segundo golo. Com apenas seis minutos de jogo na etapa complementar, Vítor Gomes voltou a fazer gosto ao pé, contando ainda com um desvio que enganou o guardião Leo.

António Folha reagiu de imediato, lançando Lucas e a arma (pouco) secreta Jackson Martínez. O ex-Porto procurava, principalmente, as combinações com Nakajima e Tabata, mas o seio da defesa avense estava fechado a sete chaves. José Mota respondeu às decisões do seu homólogo e, apesar da vantagem de dois golos, lançou Amilton e Derley, duas setas apontadas à baliza do Portimonense.

Com a presença de Jackson na frente de ataque, a turma algarvia ganhou uma nova dinâmica, oferecendo a confiança que o Portimonense tanto pretendia. O Aves soube aproveitar a falta de homens de Portimão no setor mais recuado e, contra a corrente do jogo, voltou a dilatar a sua vantagem no marcador. Vítor Gomes (sim, ele outra vez) respondeu na perfeição ao cruzamento de Derley e completou o seu hat-trick na partida.

Já sem aspirações, o Portimonense era uma equipa perdida , que jogava mais com o coração do que com a razão. Razão aquela que raramente se deslumbrou, perante um Desportivo das Aves que justificava a liderança no marcador.

O Desportivo das Aves conquista, assim, a primeira vitória na Primeira Liga, igualando o Portimonense na tabela classificativa. Apesar da vitória, a turma do concelho de Santo Tirso continua na zona de despromoção, contando com a companhia do conjunto de António Folha.