Anterior1 de 3Próximo

Cabeçalho Futebol NacionalO Estádio Marcolino de Castro voltou, neste sábado, a receber a Liga NOS, desta vez a 9ª jornada, que colocou frente a frente a equipa da casa, o CD Feirense, e a equipa do Rio Ave FC, duas equipas que na época passada terminaram o campeonato em posições da primeira metade da tabela. Nesta temporada, para este jogo, chega melhor a equipa de Vila do Conde, atual sexta classificada da Liga, e que tem sido uma das boas surpresas do campeonato, ao comando de Miguel Cardoso. O Feirense, na 12ª posição, chega à nona jornada numa série de resultados menos positivos na qual perdera os últimos quatro jogos, pelo que não se adivinhava fácil esta receção ao Rio Ave, que se encontrava em boa forma.

O jogo iniciou-se, mas só após se ter cumprido um minuto de silêncio em homenagem às vítimas dos incêndios que afetaram o nosso país na última semana.

O primeiro lance de grande perigo pertenceu ao Feirense. João Silva, isolado, não conseguiu impedir que Cássio defendesse a sua bola e evitasse o primeiro golo da partida. O jogo estava, por esta altura, muito rápido, o que entusiasmava os adeptos de parte a parte.

Até que, aos treze minutos do encontro, após alguma insistência da equipa da casa e de muita confusão na área, depois da cobrança de um canto, a bola sobra para Luís Rocha, que, no meio de vários jogadores, consegue atirar para o fundo das redes. No entanto, alguns minutos após o golo, o árbitro Rui Oliveira ainda consultou o vídeo-árbitro, consulta essa que foi inconsequente. Estava mesmo feito o 1-0 para a equipa fogaceira. Seguiram-se alguns momentos de tensão entre os jogadores, mas que foram resolvidos pela equipa de arbitragem, na sequência de uma falta cometida pelo Feirense.

Aos 29 minutos, foi a vez de o Rio Ave quase chegar ao golo. Após a cobrança de um canto, um cabeceamento muito perigoso fez Caio Seco defender a bola por instinto e brilhar na baliza do Feirense, defesa completada pelo alívio dos defesas que afastaram o perigo da área.

A melhor oportunidade para a equipa vila-condense empatar haveria de chegar poucos minutos depois, após a marcação de uma grande penalidade a favor da equipa forasteira, marcação confirmada pela consulta ao vídeo-árbitro por parte de Rui Oliveira, mais uma vez, e que resultou na expulsão de Luís Rocha, marcador do, até então, único golo do encontro, por ver o segundo cartão amarelo. Na marca dos 11 metros, no entanto, Pelé não conseguiu ser eficaz e atirou ao poste, para alegria da quase totalidade dos adeptos do estádio, que rapidamente se fez ouvir. Continuava a vantagem feirense no marcador, vantagem essa que continuou até ao final da primeira parte.

Para o segundo tempo esperava-se a mesma agressividade por parte de ambas as equipas que demonstraram na primeira de maneira a que o jogo continuasse a entusiasmar e com muita qualidade, mas pedia-se mais ao Rio Ave, que, como o tempo, esteve cinzento no decorrer da primeira parte, sem criar grandes lances de perigo e sem a organização tática que carateriza a sua equipa. Seria interessante também verificar como o Feirense iria estar no jogo com a vantagem e com menos um jogador, perceber se a sua atitude e postura e campo iria alterar-se.

Momento do golo do Feirense Fonte: Bola na Rede
Momento do golo do Feirense
Fonte: Bola na Rede

Reatado o jogo, o primeiro incidente de realce foi um cartão vermelho mostrado a Bruno Teles, após um choque frontal bastante forte com um atleta do Feirense.

Nos momentos seguintes viu-se mais uma oportunidade flagrante de golo para a equipa do Rio Ave, através de Guedes, que, recém-entrado, cabeceou na pequena área para uma grande defesa da Caio, que ainda viu a bola entra na sua baliza, num lance que o árbitro logo interrompeu por ter visto uma falta ser cometida por um jogador vila-condense.

Pouco depois, mais um lance onde o vídeo-árbitro foi chamado a intervir. Protestos na área do Rio Ave por suposta falta sobre Etebo, mas que foram logo silenciados pela decisão tomada pelo árbitro após consultar o VAR, pela terceira vez no jogo…

E as intervenções do VAR não iam ficar por aqui, isto porque aos 75 minutos, após nova consulta ao vídeo-árbitro, Rui Oliveira mostrou mais um cartão vermelho, desta vez ao defesa do Rio Ave Marcão.

Até ao final do jogo o resultado não sofreu nenhuma alteração. 1-0, resultado que se justifica neste jogo, onde o principal destaque talvez tenham sido os três cartões vermelhos mostrados. Ignorando este facto, esta foi uma partida bem disputada, na qual o resultado final foi sempre incerto, mas que acabou por sorrir ao Feirense, que seis jogos depois conseguiu uma nova vitória no campeonato, e frente a uma excelente equipa como a do Rio Ave. Está de parabéns a equipa de Nuno Manta, contrariamente à de Miguel Cardoso, que hoje não conseguiu impor o seu jogo nem se manter organizada durante grande parte da partida, para além da indisciplina dos seus jogadores. Para os vila-condenses há muito a melhorar para os jogos futuros em relação a este. Já para o Feirense, deve trabalhar para manter a estabilidade tática e qualidade de jogo que mostrou hoje, para poder subir na tabela e corresponder às expetativas dos adeptos.

Anterior1 de 3Próximo

Comentários