futebol nacional cabeçalho

Um Restelo bem composto para ver o assalto às posições da Europa no jogo contra o FC Arouca viu um jogo competitivo e emotivo.

A primeira parte teve um Belém com mais bola, mas um Arouca a saber melhor como chegar à baliza adversária. As principais oportunidades foram todas para os canarinhos, apesar de não existir nenhum remate de grande perigo.

O grande destaque desta primeira parte é mesmo a expulsão de Jubal. O defesa central brasileiro do Arouca viu dois amarelos em 15 minutos, naquela que foi apenas a primeira expulsão do jogo.

A partir daí o Belenenses passou a ter ainda mais tempo de posse de bola, mas continuou a ser pouco esclarecido, apostando muito nos cruzamentos quando tinha apenas um homem e mais baixo que os defesas da equipa de Aveiro.

Anúncio Publicitário

Na saída para o intervalo deu-se alguma confusão entre a equipa de arbitragem e membros da equipa técnica dos arouqueses. Primeiro foi Lito Vidigal e depois o Presidente Carlos Pinho, numa conversa muito quente. A expulsão de Jubal foi considerada injusta.

Com mais um homem, o Belenenses entrou determinado e carregou, mas esbarrou na defesa sólida do Arouca, um dos pontos fortes desta equipa. Apesar de ter bola, a equipa do Restelo criava poucas oportunidades, e as poucas que criava eram remates ou cabeceamentos fáceis para Bracali. E, no Futebol, quem não marca… é uma velha máxima do Futebol, mas aplica-se neste jogo.

Um passe a cruzar a defesa de Mateus (o famoso Mateus do caso que manteve o Belenenses na primeira) para Walter, herói da vitória frente ao FC Porto, e o paraguaio tira Rafael Amorim com classe e mete para o fundo das redes. Um balde de água fria no Restelo, e a equipa da casa a ressentir-se do golo.

Lito fez uma conferência de imprensa muito focada no Belenenses

Lito fez uma conferência de imprensa muito focada no Belenenses
Fonte: Bola na Rede

Confortável com o resultado, a equipa arouquense começou a defender o resultado, recorrendo ao anti-jogo. Foram várias as situações em que os jogadores ficavam caídos no chão, principalmente Bracali, que usou e abusou do anti-jogo, ficando quase sempre no chão. Aconteceu o caso insólito de Bracali estar no chão, o árbitro não parou o jogo e o guarda-redes recuperou milagrosamente e continuou em jogo. Foram várias situações assim que foram cortando o ritmo de jogo.

No meio da polémica, o Arouca faz o segundo e mata o jogo. Um lance também polémico. Rafael Amorim é expulso por fazer falta quando o jogador do Arouca seguia isolado para a baliza. No entanto, fica a dúvida sobre se há falta ou se o jogador corta primeiro a bola. Lucas Lima marcou um belo golo de livre e sentenciou a partida. De cabeça perdida, o Belenenses bem tentou o golo que os fizesse entrar na partida, mas sem sorte. Lucas Lima evitou por duas vezes na linha o golo. Já com tanto anti-jogo e assobios, o jogo acabou. Vitória de um Arouca eficaz e que abusou do anti-jogo.

Lito Vidigal pode não reconhecer, mas este Arouca começa a assumir uma imagem de candidato à Europa. Pela primeira vez conseguem três vitórias consecutivas. A vila de Arouca é uma vila feliz e é incrível a evolução deste clube.

Na conferência de imprensa, Lito Vidigal mandou imensas indirectas a Rui Pedro Soares e, em resposta ao Bola na Rede, afirmou que o Arouca ainda tem muito para crescer no campeonato, apesar do bom momento por que passa.

Já Llorente, adjunto de Velasquez, lamentou a derrota mas, em resposta ao Bola na Rede, afirmou ter ficado satisfeito com a produção da equipa, apesar de não terem marcado.

 

Figura:

Lucas Lima – O defesa esquerdo do Arouca salvou por duas vezes a equipa de sofrer um golo certo e marcou, matando o jogo.

Fora de jogo:

Bracali – Usou e abusou do anti-jogo na parte final, tendo um episódio caricato, como já foi referido. É incrível como não viu nenhum cartão.

Reportagem de André Conde e Rodrigo Fernandes
Foto de Capa: Bola na Rede