A CRÓNICA: VIZELENSES FORAM FELIZES JÁ PERTO DO CENTÉSIMO MINUTO

O FC Vizela recebeu este sábado, em casa emprestada, o CD Tondela, numa partida a contar para a segunda jornada da Liga Portuguesa. Equipas que entraram nesta jornada com resultados distintos, visto que o FC Vizela se estreou nesta edição com uma derrota pesada por três bolas a zero frente ao campeão Sporting CP, enquanto o CD Tondela vem de uma goleada também por três golos frente à equipa revelação da temporada passada, o CD Santa Clara.

Um duelo entre duas equipas que se propõem a jogar um futebol atrativo, o jogo mostrou-se mais disputado a meio-campo nos primeiros minutos de jogo. O CD Tondela tentou tomar as rédeas do jogo, mas foi o FC Vizela que criou as primeiras oportunidades de golo. Ao minuto 6, Guzzo combina muito bem com Cassiano e fica sozinho na cara de Pedro Trigueira, mas rematou fraco, à figura do guarda-redes. À passagem do minuto 12, novamente Cassiano, a receber de costas para a baliza e a oferecer a Nuno Moreira, que atirou à baliza, mas a bola passou a rasar o poste.

Numa fase em que era o FC Vizela quem tomava conta do jogo, é o CD Tondela que chega ao golo. 36 de jogo, jogada rápida nas imediações da área vizelense, Murillo faz um passe a desmarcar Daniel dos Anjos, que é agarrado por Bruno Wilson. O árbitro não tem dúvidas e aponta para a marca dos 11 metros. João Pedro, batedor habitual, foi chamado à conversão e não vacilou, inaugurando assim o marcador para a equipa beirã.

A segunda parte iniciou-se com o FC Vizela determinado em fazer o golo do empate, algo que apenas demorou seis minutos a acontecer. Canto batido do lado direito do ataque da equipa minhota, Trigueira sai a soco para afastar a bola, que acaba nos pés de Kiko Bondoso, que só tem de empurrar para dentro da baliza, com esta escancarada.

Anúncio Publicitário

O FC Vizela continuava com mais bola, mas o CD Tondela esteve mais perto de desbloquear o jogo. Salvador Agra, através de um livre direto ainda muito longe da baliza, fez tremer a baliza defendida por Charles, ao fazer embater a bola no poste direito da baliza dos vizelenses.

Já nos dez minutos finais, chegou a derradeira oportunidade da segunda parte. Livre lateral para a equipa da casa cobrado em direção ao segundo poste, Trigueira aborda mal o lance e Kiki desvia para a baliza, mas a bola é cortada decisivamente pela equipa tondelense em cima da linha de golo.

Quando tudo parecia decidido, eis que apareceu Schettine. Passe longo nas costas da defensiva tondelense a encontrar Schettine, solto de marcação, que pica a bola por cima do guarda-redes e a carimba a primeira vitória do FC Vizela nesta edição da primeira liga, em cima do minuto 98.

O Vizela consegue, assim, a sua primeira vitória, passadoS 36 anos da última temporada na Primeira Liga.

 

A FIGURA

Guilherme Schettine – Vestiu a capa e fez de herói ao minuto 90+8, praticamente na única ação que teve com bola. Não há muito mais a dizer a não ser que foi absolutamente decisivo para o desfecho da partida.
O FORA DE JOGO

Pedro Trigueira – Comprometeu no lance do primeiro golo, com uma saída em falso, e podia ter comprometido por mais duas vezes em lances idênticos. Não mediu bem a profundidade no lance do segundo golo. Não foi, nem de perto nem de longe, uma tarde feliz para o guarda-redes beirão.
ANÁLISE TÁTICA – FC VIZELA

O FC Vizela apresentou-se na formação habitual, um 4-3-3 com um médio mais defensivo no meio-campo. Kiki de novo adaptado como central, mas desta vez subiu Marcos Paulo para o centro do terreno, entrando o central Bruno Wilson no 11 inicial.

Em situação defensiva, Marcos Paulo formou um triângulo invertido, para evitar a saída de bola do CD Tondela pelos médios mais defensivos, Tiago Dantas ou João Pedro, que desciam para pegar no jogo.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Charles (5)

Koffi (6)

Bruno Wilson (4)

Kiki (5)

Ofori (5)

Marcos Paulo (6)

Guzzo (5)

Samu (6)

Kiko Bondoso (7)

Cassiano (6)

Nuno Moreira (7)

SUBS UTILIZADOS

Claudemir (6)

Cann (5)

Zohi (5)

Schettine (9)

 

ANÁLISE TÁTICA – CD TONDELA

O CD Tondela apresentou-se num 4-2-3-1, formação já utilizada na última partida, com Rafael Barbosa à frente de João Pedro e Tiago Dantas no meio-campo.

A equipa tondelense privilegiou, quando possível, a saída a três homens na primeira fase de construção, baixando Tiago Dantas ou João Pedro para o meio dos centrais, criando superioridade naquela zona do terreno.

Em processo defensivo, a equipa posicionou-se em 4-4-2, subindo o médio mais ofensivo para fazer uma linha de dois homens com o avançado.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Trigueira (3)

Bebeto (5)

Jota (5)

Quaresma (6)

Khacef (5)

Dantas (5)

João Pedro (7)

Rafael Barbosa (6)

Salvador (6)

Jhon Murillo (5)

Daniel dos Anjos (6)

SUBS UTILIZADOS

Pedro Augusto (5)

Undabarrena (4)

Dadashov (3)

Arcanjo (3)

 

BnR NA CONFERÊNCIA DE IMPRENSA

FC VIZELA

BnR: Primeiro jogo em casa com adeptos e, mesmo em casa emprestada, o público aderiu em massa. Que importância teve a massa associativa para a chegada ao golo agora nesta parte final do jogo e o que sentiu em tê-los de volta?

Álvaro Pacheco: Fiquei muito feliz com esta vitória e com o regresso do público. Como já disse,  e hoje volta-se a confirmar, eles foram uma parte importante do sucesso que tivemos nos últimos dois anos. Empurraram-nos para a frente, é só ver a reação deles quando sofremos o golo, sempre a apoiar a equipa. Vizela é assim e luta até ao fim.

CD TONDELA

BnR: Os jogadores do meio-campo foram todos trocados no decorrer do jogo, sendo substituídos ou trocados para posições mais exteriores do campo durante o jogo, e a qualidade do jogo baixou manifestamente com essas mesmas trocas. O que quis trazer de novo ao jogo mudando os homens do meio e o que não resultou?

Paco Ayestarán: Não concordo com a qualidade do jogo ter baixado, criamos duas ou três ocasiões depois das trocas e, para mim, isso é qualidade, criar oportunidades. O FC Vizela criou muito através de bolas paradas e não defendemos bem o último lance do jogo. Mas o futebol é assim, ganhamos todos e perdemos todos.

 

Rescaldo da opinião de Francisco Silva
Artigo revisto por Gonçalo Tristão Santos

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome