Cabeçalho Futebol Nacional

Moreirense FC e CS Marítimo empataram esta tarde a uma bola, em jogo a contar para a 13ª jornada da primeira liga. Frente a frente duas equipas a precisarem de pontuar, embora para lutar por objectivos diferentes. De um lado um Moreirense FC aflito na zona de despromoção, a precisar de pontos para tentar subir na tabela e, do outro, os insulares na perseguição dos lugares europeus, querendo manter a pressão sobre o quarto classificado, SC Braga.

O Moreirense FC entrou no jogo com vontade de chegar ao golo e desde cedo se foi mantendo por cima no encontro. Do lado do CS Marítimo, e até à meia hora, apenas de realçar os cerca de 50 adeptos insulares, que nos primeiros minutos fizeram questão de se fazerem ouvir. A equipa da casa, classificada na zona de despromoção com apenas sete pontos em 12 jornadas disputadas, deu desde início sinais de querer agarrar a conquista dos três pontos e foi quem mais oportunidades criou.

Logo aos 8 minutos, na sequência de uma jogada iniciada por Tozé, Ângelo Neto cabeceou e obrigou Charles a aplicar-se e a evitar o desbloquear do marcador. Apenas quatro minutos depois, um lance de insistência dos cônegos quase deu o golo à equipa da casa. Primeiro Ângelo Neto, de cabeça, encontrou o guarda redes atento, depois Haberhoun rematou para nova defesa de Charles e, por fim, Peña atirou à trave. Adeptos e equipa técnica ainda reclamaram golo, mas a bola não terá mesmo ultrapassado a linha de baliza.

O Moreirense FC não desarmava na frente e, aos 20 minutos, conquistou um livre perigoso à entrada da área, por falta cometida sobre Penã. O pontapé foi cobrado por Tozé, que voltou a enviar o esférico à barra. O golo acabou por chegar cinco minutos depois, na sequência de uma grande penalidade, novamente com Peña a sofrer a falta e Tozé a ser chamado a assumir a marcação do castigo máximo. Desta vez a barra não esteve no caminho do golo e a equipa da casa chegou, com justiça, ao um a zero.

Anúncio Publicitário
A segunda parte trouxe algum equilíbrio à partida, com o Moreirense a continuar a ser a formação que mais procurou o golo Fonte: Bola na Rede
A segunda parte trouxe algum equilíbrio à partida, com o Moreirense a continuar a ser a formação que mais procurou o golo
Fonte: Bola na Rede

Ainda antes da meia hora os insulares conseguiram entrar no meio campo cônego e chegar com perigo à baliza de Jhonatan. E, no seguimento desse processo ofensivo, adeptos e equipa do CS Marítimo reclamaram novo penalti, por mão na bola, mas o árbitro Tiago Silva nada assinalou. Mas se não foi de penalti, foi na sequência desse lance. Após cobrança do canto de que beneficiou, a equipa madeirense chegou ao empate com um pontapé de bicicleta de Drausio. Estava reposta a igualdade em Moreira de Cônegos naquele que foi o primeiro remate insular na partida. O apito para intervalo não chegou sem que a equipa da casa se voltasse a lançar no ataque e sem uma nova bola na barra. Novamente Ângelo Neto, aos 33 minutos, a cabecear ao ferro da baliza defendida por Charles.

A precisar de pontuar para manter a pressão sobre o SC Braga, depois de a semana passada ter empatado em casa e ter visto os arsenalistas isolarem-se na quarta posição, o CS Marítimo viu o Moreirense FC entrar novamente por cima para a segunda parte. Logo aos 48 minutos Alan Schons rematou forte, mas por cima. Embora sem criarem oportunidades de perigo iminente, os cônegos foram mantendo o domínio e evitando que os madeirenses importunassem Jhonatan. A exibição superior da equipa da casa apenas ficou em perigo à passagem dos 70 minutos, com Belkeroui a ver o segundo amarelo e ser expulso, deixando o Moreirense FC reduzido a dez unidades em campo. O SC Marítimo tentou aproveitar a superioridade no terreno e conseguiu mesmo crescer no jogo, mas não foi o suficiente para levar perigo à baliza defendida por Jhonatan. Aliás, foram mesmo os da casa que terminaram a partida por cima.

Classificado nos últimos lugares da tabela, o Moreirense FC garantiu a conquista de um ponto na recepção aos insulares, um resultado que acabou por saber a pouco para um equipa que foi superior durante os 90 minutos. O CS Marítimo cedeu assim o segundo empate consecutivo na liga, num jogo em que não foi capaz de criar lances ofensivos de perigo, e pode ver já amanhã o SC Braga isolar-se ainda mais no quarto lugar.