Anterior1 de 4Próximo

Cabeçalho Futebol Nacional

Na décima oitava jornada da liga portuguesa, Braga e Vitória de Guimarães mediram forças no municipal de Braga no sempre escaldante dérbi minhoto. A vitória sorriu aos vimaranenses, que cedo souberam encerrar as contas do jogo. Já o Braga pecou na finalização e não soube discernir no último terço do terreno. Com o final da partida e feitas as contas, o Braga segue em terceiro lugar, com 36 pontos, e o Vitória de Guimarães em quinto, com 34. Nada muda a não ser a distância pontual, que agora é mais ténue entre Braga, Sporting e Vitória de Guimarães.

Se existe jogo que braguistas e vitorianos querem vencer é o dérbi minhoto. O ambiente vivido é único, pois estes históricos rivais cedo começam a preparar o jogo, desde logo no que toca às recorrentes picardias entre os dois emblemas. Público não faltou, e bons jogadores também não. Preparada a festa, vamos então jogar!

Soava o apito inicial e já as gargantas entoavam cânticos de apoio às suas equipas. O Braga, a jogar em casa, tentou criar perigo desde muito cedo, com um remate de Wilson Eduardo a passar muito perto da baliza de Douglas. Na resposta, o Vitória não poderia ter sido mais pragmático. Na cobrança de um pontapé de canto Josué faz o primeiro da partida e coloca os visitantes em vantagem. Apareceu bem ao segundo poste e livre de marcação. 1-0 para os conquistadores.

O Braga bem tentou responder logo de seguida, com Pedro Santos a cabecear e a cheirar o golo, mas Douglas negou-lhe a boa disposição com uma defesa atenta e cheia de intenção. A velha máxima «Quem não marca sofre» não poderia ter sido tão evidente quando logo de seguida, e num lance onde a defesa do Braga se viu toda atrapalhada, o Vitória chegou ao segundo. Bruno Gaspar coloca a bola na cabeça de Soares e este faz o golo. 2-0 para os visitantes ao fim de um quarto de hora de jogo foi algo pesado para um Braga que praticou nos primeiros dez minutos um bom futebol. Valia o jogo pela eficácia demonstrada e pela lição estudada.

Pela meia hora volta a haver nova ocasião para os visitantes, onde Soares quase fez novamente o gosto ao pé. Hêrnani ilude a defesa bracarense e toca para Soares, enviando este a bola com estrondo à barra de Marafona. Quase que era o terceiro do Vitória e os adeptos da casa começavam a levar as mãos à cabeça. Num lance caricato logo depois, a bola parece embater no braço de um jogador do Vitória dentro de área, mas Fábio Veríssimo mandou seguir. O Braga não desistiu e tentou reduzir ainda antes do intervalo, através de um cruzamento tenso de Wilson Eduardo, que viu no corte de Paulo Henrique quase ser golo. Susto na baliza vitoriana, mas já estávamos quase em tempo de descanso. Refrescar a cabeça e perceber como dar a volta ao resultado era o que o Braga desejava com alguma pressa.

braga - vitória
Fonte: Sporting Clube de Braga

Começava a segunda parte e Vukcevic rendia Xeca, que esteve um pouco distante durante o primeiro tempo. O Braga procurou reduzir cedo a desvantagem por intermédio de Velásquez, que numa jogada de insistência, a cruzamento de Wilson Eduardo, tentou fuzilar Douglas com toda a força que tinha. A intenção era boa mas não deu certo. Numa bola parada logo de seguida para os visitantes, o duelo aceso entre Soares e Vukcevic resultou em amarelo para o primeiro por protestos. Dérbi no seu melhor…

O Braga não desistiu nunca de tentar o golo, com Batagllia em grande destaque numa jogada algo confusa, em que a bola volta a embater no braço de Paulo Henrique. Seguiu o argentino com a bola, rematando para fora. Foi perto mas não deu aquela tão desejada alegria. Chegávamos ao minuto 66, e ocorreu um dos lances capitais do encontro. Na cobrança de um livre bastante longe da baliza e com alguma anarquia nos posicionamentos, o Braga vê a bola embater no ferro depois de um mau alívio de um defesa vimaranense. Continuava tudo na mesma e o tempo começava a esgotar-se para os Guerreiros.

O Vitória de Guimarães ia pautando bem os ritmos e segurava a bola com o intuito de ganhar alguns metros no terreno. Conseguiu eficazmente o que pretendia e chegava cada vez mais perto da baliza bracarense. Primeiro, num lance concluído por Soares, onde Marafona faz uma excelente defesa à «queima-roupa», e depois num novo pontapé de livre, em que Josué remata para uma nova defesa de Marafona. Eram vários os sustos perto da baliza bracarense e era necessária alguma atitude. Nos minutos finais, mais precisamente aos 85, Velásquez leva o segundo cartão amarelo e consequente vermelho. Foi um lance sem qualquer tipo de falta que penalizou o Braga nesta fase final.

Ainda antes de terminar, no último lance do encontro, o Braga iria mesmo conseguir reduzir a vantagem com um golo de Stoijilkovic, de cabeça. Douglas bem tentou, mas não conseguiu negar o golo ao avançado do Braga. 1-2 foi o resultado final no sempre aguardado dérbi minhoto. Sorriu a vitória aos vimaranenses, no primeiro jogo da segunda volta da Liga Portuguesa 2016/2017.

Para o Braga, é levantar a cabeça, que a Taça da Liga aguarda-nos e campeonato não falta!

 

Foto de Capa: Sporting Clube de Braga

Anterior1 de 4Próximo

Comentários