A CRÓNICA: ATÉ O VAR AJUDOU

Começou da melhor maneira a era de Custódio ao comando do SC Braga. Os arsenalistas entraram dominadores e foram claramente superiores até ao 3-0, acabando por relaxar um pouco no segundo tempo.

Anúncio Publicitário

Logo a abrir, Ricardo Horta e Paulinho colocaram a bola a bater nos ferros da baliza de Gonda ainda nos primeiros dez minutos, o mesmo período que contou ainda com uma excelente intervenção do guardião japonês. Com o encontro completamente controlado, os da casa foram criando jogada de perigo após jogada de perigo até que Paulinho aproveitou um erro colossal de Jadson para assistir Trincão que, na cara do golo não desperdiçou.

Em cima do intervalo, na sequência de uma bola parada, Raul Silva aproveitou uma recarga para dilatar a vantagem. O árbitro até começou por dar o lance como anulado por fora-de-jogo, mas o VAR esclareceu que era mesmo o 2-0.

A abrir a segunda parte, foi a vez de Ricardo Horta, logo aos 47’, escrever o seu nome na lista de marcadores do encontro, aproveitando também novo erro de Jadson. O jogo parecia resolvido e o Braga acabou por descontrair, permitindo ao Portimonense SC equilibrar mais o encontro. Gonda teve  uma dupla intervenção soberba aos 74’ para manter o resultado e os de Portimão marcaram quatro minutos depois, mas o VAR voltaria a reverter a decisão inicial do árbitro, desta feita para anular o golo.

Já em período de compensação, Boa Morte aproveitou o relaxamento bracarense para marcar o golo de honra, mas o resultado nunca esteve em questão e os agora comandados por Custódio somam os três pontos de forma convincente.

 

A FIGURA

Fonte: SC Braga

Trincão – Delicioso jogo do extremo que, além do golo, nos brindou com dribles e intensidade, instalando o pânico na defesa de Portimão.

 

O FORA DE JOGO

Fonte: Portimonense SC

Jadson – Erros graves em dois dos golos bracarenses foram decisivos para o resultado e o capitão algarvio acaba por ser um dos culpados de mais um jogo sem pontuar.

 

ANÁLISE TÁTICA – SC BRAGA

Mudou o treinador, mas não o esquema de jogo e a equipa arsenalista voltou a apresentar-se em 3-4-3, com um onze muito semelhante ao habitual de Ruben Amorim. Ainda assim, fruto da lesão de Sequeira, chegou pela primeira vez ao onze inicial o jovem Pedro Amador, que esteve bem à altura dos acontecimentos com boas intervenções e mostrando características mais semelhantes às de Esgaio, permitindo dar maior balanço à equipa. A defesa tremeu algumas vezes, mas, com um centro sólido e um tridente ofensivo em dia sim, é muito complicado parar este Braga.

 

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Matheus (6)

Esgaio (6)

Raul Silva (6)

Carmo (5)

Bruno Viana (5)

Pedro Amador (6)

Palhinha (6)

Fransérgio (7)

Trincão (8)

Paulinho (7)

Ricardo Horta (6)

SUBS UTILIZADOS

Galeno (5)

André Horta (4)

Abel Ruiz (-)

 

 

ANÁLISE TÁTICA – PORTIMONENSE SC

Paulo Sérgio apresentou um onze inicial órfão de Jackson Martinez organizado em 4-5-1 e acabou por passar o jogo à defesa. Pedro Sá foi o mais inconformado no centro do terreno, mas os visitantes não conseguiram incomodar verdadeiramente o meio-campo arsenalista e o treinador mexeu para a segunda metade, lançando Boa Morte, um avançado, para o lugar de um dos médios. Contudo, o golo logo bracarense à abrir o segundo tempo acabou por colocar a equipa fora do encontro.

 

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Gonda (7)

Hackman (5)

Possignolo (5)

Jadson (2)

Henrique Custódio (5(

Willyan (4)

Pedro Sá (6)

Lucas Fernandes (5)

Bruno Costa (5)

Tabata (5)

Ali (5)

SUBS UTILIZADOS

Boa Morte (6)

Junior Tavares (5)

Vaz Tê (5)

 

BnR NA CONFERÊNCIA DE IMPRENSA

Portimonense SC

O BnR não colocou perguntas ao treinador do Portimonense SC, Paulo Sérgio.

Outras declarações:

«O Ricardo [Vaz Tê] não compete há vários meses. É difícil para ele. Achei que era importante dar-lhe estes minutos para acelerar o processo».

«Cometemos erros em quantidade. Hoje não estivemos à altura do que fizemos nos últimos três jogos».

«Não funcionou o que tínhamos preparado. Foi trágico para nós o momento em que sofremos o segundo e terceiro golo».

«Aproveitei também para salvaguardar alguns jogadores que estavam à bica para o cartão amarelo.».

SC Braga

BnR: Tem sido raro para o Braga esta época ter jogos sem sofrer e hoje, mesmo com a partida controlada, acabou por sofrer um no final. Que pensa alterar, agora com mais tempo de trabalho, para corrigir esta situação?

Custódio: Exatamente isso que falei ontem na apresentação. Temos grande dinâmica, jogamos muito bem, temos grandes jogadores, tenho a certeza absoluta que no futuro iremos fazê-lo ainda com mais equilíbrio. A verdade é que foi um golo desnecessário, não tínhamos, principalmente daquela forma, como sofrer aquele golo, mas aconteceu.

Vamos trabalhar nisso, vamos trabalhar nos equilíbrios, mas não tira um ponto de brilho a esta vitória, que foi bem merecida e de grande qualidade.

Outras declarações:

«Na segunda parte podíamos ter controlado melhor o jogo».

«[o sistema de Ruben Amorim] já era parecido com o que eu usava nos sub17, por isso vamos manter o sistema. Há uma ou outra ideia que vamos mudar com o tempo, mas a equipa está muito bem».

«[sobre não poder dar instruções para o campo] No banco vivemos um pouco condicionados, mas a informação chega aos jogadores e isso é o mais importante».