Anúncio Publicitário

A CRÓNICA: FALTOU JOGO AO JOGO

A quinta jornada da Segunda Liga veio brindar os adeptos com o proclamado “dérbi do mar”. O Estádio do Mar foi placo de mais um encontro entre o Leixões SC e o Varzim SC. Ambas as equipas vinham para este jogo na condição de derrotados na jornada anterior, nos seus respetivos jogos e as expectativas estavam elevadas para perceber quem se ia erguer da melhor forma.

Anúncio Publicitário

O jogo começou quente, tanto em campo como nas bancadas. Ambas as equipas tiveram oportunidade de concretizar logo nos primeiros minutos, mas a mais flagrante veio da equipa da casa, onde os adeptos chegaram a gritar golo e o esférico acabou por ir para fora.

Sem mais história por desenrolar, com o Leixões SC a adormecer bastante no processo de construção ofensivo, foi o Varzim SC a tomar rédeas. Aos 32 minutos, Heliardo conseguiu pegar na bola e cruzar para Tavinho, a quem apenas restou encostar para o fundo das redes da baliza de Beunardeau. Leia-se o 1-0 no marcador a favor dos poveiros.

Chegou-se ao final dos primeiros 45 minutos da forma mais lenta possível, com o jogo a ser parado por faltas constantes parte a parte. Esperava-se pela segunda parte e por um melhor espetáculo.

Na verdade, continuou algo dentro do mesmo. Aos 65 minutos, O Varzim SC viu-se reduzido a dez elementos. Assis, depois uma falta no meio-campo, foi admoestado e foi obrigado a abandonar o terreno de jogo.

Fora isso, continuou a faltar jogo ao jogo. As paragens constantes e o acumular de faltas não deixaram o jogo rolar e dificultou o que era suposto acontecer: jogar futebol.

Aos 90 minutos, o árbitro Hugo Silva apontou para a marca da grande penalidade a favor do Leixões SC. Depois de um jogo sem criar ocasiões flagrantes de golo, Fabinho correu para a bola e rematou para o golo do empate já ao cair do pano.

Foi preciso o empate no marcador já no tempo de descontos para aparecerem as ocasiões de golo, mas foi o ponto final na partida. O dérbi do mar contou com sal a mais no encontro e tudo terminou num empate a uma bola.

 

A FIGURA

Fabinho (Leixões SC) – Foi o jogador mais constante na partida. Tentou sempre construir ofensivamente da melhor forma para a sua equipa e, dentro do que se poderia eleger, foi o jogador que mais contribui para o jogo, marcando também o golo dos visitados.

 

O FORA DE JOGO

Paragens constantes na partida – Podem até dizer que faz parte, mas as constantes faltas no decorrer do decorrer do encontro acabaram por travar o decorrer do jogo e em nada ajudam ao espetáculo.

 

ANÁLISE TÁTICA – LEIXÕES SC

José Mota montou o onze da sua equipa num 4-3-3 bastante comum, para enfrentar o Varzim SC.

Na baliza, Beunardeau assumiu o controlo entre os postes e a linha defensiva de quatro jogadores montada à sua frente foi composta poe Léo Bolgado e Ricardo Teixeira na zona central, a par de Seck e Pastor nas laterais.

No meio-campo, Nduwarugira atuou como trinco, enquanto Fabinho e Morim estavam encarregues de transportar bola e construir jogo para o último setor do terreno.

Oliveira e Kiki tomaram conta das alas da equipa de Matosinhos, enquanto Luan Santos foi o ponta de lança de serviço.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Beunardeau (5)

Pastor (5)

Léo Bolgado (5)

Nduwarugira (6)

Kiki (6)

Fabinho (6)

Oliveira (5)

Seck (5)

André Morim (6)

Ricardo Teixeira (5)

Luan Santos (5)

SUBS UTILIZADOS

Nildo Petrolina (4)

Ben Hassan (5)

George (5)

Mory Bamba (5)

Yuri (5)

 

ANÁLISE TÁTICA – VARZIM SC

António Barbosa elegeu um 4-3-3 para montar a sua equipa para este encontro frente ao Leixões SC. Com Tiago Pereira na baliza, André Micael e Cássio tomar conta da zona central da defesa, enquanto Pinheiro e João Reis ocupavam as laterais, dando total largura ao campo.

No setor do meio-campo, André Leão, Nuno Valente e Assis (que, mais tarde, veio a ser expulso) tiveram a tarefa de transportar jogo para os homens da frente. Murilo e Tavinho ficaram no apoio ao ponta de lança, Heliardo.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Tiago Pereira (4)

André Micael (5)

Assis (3)

Nuno Valente (5)

André Leão (5)

Heliardo (6)

João Reis (6)

Murilo (5)

Pinheiro (5)

Cássio (5)

Tavinho (6)

SUBS UTILIZADOS

Zé Tiago (5)

Agdon (5)

Cerveira (5)

 

BnR NA CONFERÊNCIA DE IMPRENSA

Leixões SC

BnR: Foi notória uma desaceleração no ritmo de jogo do Leixões SC no decorrer da primeira parte. Acha que foi esse fator que levou ao golo do Varzim SC e, consequentemente, dificultou o restante do encontro?

José Mota: Não acredito que tenha sido desaceleração do ritmo de jogo, mas, sim, as características de jogo de ambas as equipas. O adversário não nos deixou fazer as coisas como queríamos, não abria as linhas e não dava profundidade. Mesmo assim tivemos pelo menos uma grande oportunidade. Isto tem a ver com as estratégias das equipas. Há um aspeto extremamente importante: o respeito que as equipas nutrem pelo Leixões. Vieram aqui com uma toada de expectativa, montaram a estratégia deles e nós devíamos ter sido mais arrojados, mas não fica mal dizer que a vitória ficava bem ao Leixões.

 

Varzim SC

Não foi possível questionar o treinador do Varzim SC, António Barbosa.

Anúncio Publicitário

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome