Cabeçalho Futebol Nacional

O Gil Vicente vinha a Coimbra com a missão de cozer feridas abertas por dois desaires consecutivos – em Penafiel, para Liga, e em Vizela, para a Taça da Liga. Não teria vida fácil, pois em Coimbra sentia-se um espírito de imbatibilidade criado por uma sequência de 8 jogos seguidos sem derrotas que conferia à equipa da casa uma confiança enorme.

Portanto, duas equipas que procuravam a vitória. Uma por necessidade, a outra pelo hábito. E ambas deram provas disso mesmo nos instantes iniciais, fazendo jus à tarde fantástica que brindou Coimbra. Paulinho, do Gil Vicente, logo aos dois minutos, aproveitando um erro de Nii Plange, abriu a carreira de tiro, obrigando Ricardo a boa intervenção. A Académica respondeu com boa circulação de bola, própria de um equipa grande a jogar perante o seu público, mas cuja consequência maior, no primeiro quarto de hora, se resumiu a um remate de Pedro Nuno, a entrada da área, ao lado da baliza de Vozinha.

A Briosa ia-se balanceando para a frente, sem ter em atenção que, com isto, deixava as costas descobertas. Matreira, a equipa do Gil explorou isto e por duas ocasiões esteve perto de chegar ao golo – Abou Toure e Paulinho viram Ricardo negar-lhe os intentos.

Refeita do susto, a equipa da casa reagiu… com demasiada precisão. Marinho executou cruzamento milimétrico para o cabeceamento com excesso de colocação de Toze Marreco – embateu no poste. Não se ficou o Gil, e na sequência de um pontapé de canto batido por Arthur, Toure fez a bola beijar a trave da baliza academista.

Anúncio Publicitário

A “parada-e-resposta” ficou-se por aí até final da primeira parte. É que a a partir daí desse terceiro aviso forasteiro, a Académica assentou jogo defensivo e partiu, com consistência, em busca da felicidade. Primeiro foi Vozinha, guarda-redes gilista, com grande estirada, a impedir que o passe de Marinho para Tozé Marreco tivesse um final feliz, depois foi a falta de aproveitamento dos avançados da Académica aos cruzamentos bem tirados de Traquina – Nii Plange cabeceou ao lado numa primeira instância e, depois, foi Tozé Marreco a falhar a emenda.

Mancha Negra, muito representada, esteve incansável no apoio à 'Briosa'
Mancha Negra, muito representada, esteve incansável no apoio à ‘Briosa’

A Académica ia para os balneários a dominar o jogo e só não terá feito mais devido à permissividade de Gonçalo Martins, árbitro da partida, perante a agressividade do Gil Vicente, que muito condicionou, de forma ilegal e sem sanção adequada (cartões ficaram no bolso), a saída de bola dos estudantes.

A segunda parte começou mais calma e equilibrada, sem alterações de ambos os lados, e a única situação de perigo nos primeiros quinze minutos foi criada por João Real, que cabeceou por cima em resposta a cruzamento de Makonda.

O Gil Vicente defendia mais, mantendo a agressividade, mas desta vez com a correspondente admoestação. Gonçalo Martins começou a mostrar cartões e isso inclinou o campo para a sua baliza. Primeiro, pela forma condicionada como abordavam os lances e, mais tarde, com a expulsão de Alphonse.

Em superioridade numérica, a Académica sufocou o Gil, encostando-o ao seu meio-campo, mas depois de duas oportunidades nos instantes iniciais a esta vantagem (primeiro, João Real cabeceou por cima, depois, Nii Plange, de livre, atirou a rasar a barra), a Briosa entrou numa crise de objectividade e o fruto do seu domínio apenas teve umas gotas de sumo espremido: sobre o minuto 90, altura em que, após canto, Toze Marreco, em plena pequena área gilista, atirou por cima. O resultado acaba por castigar a Académica, que foi quem mais procurou a vitória e beneficiar o Gil Vicente, que mais defendeu.

De um lado criticar-se-à o anti-jogo, do outro elogiar-se-à a performance táctica. Ambos com razões legítimas para o fazer. O que fica, e é inatacável, é o resultado e os pontos. 0-0 e um ponto de cada lado. Um bálsamo para o Gil, uma farpa para a Briosa (apesar dos aplausos, merecidos, dos adeptos no final do jogo), que perdeu a oportunidade de se aproximar da zona de subida, ficando agora a 6 pontos.