A CRÓNICA: TRÊS GOLOS NOS ÚLTIMOS DEZ MINUTOS DÃO VITÓRIA AO GD ESTORIL PRAIA

Num encontro entre duas equipas em lados opostos da tabela classificativa, o GD Estoril Praia conseguiu uma vitória moralizadora, em cima do apito final, frente ao CD Cova da Piedade, na 25.ª jornada da Segunda Liga.

O conjunto lisboeta entrou para este encontro como claro favorito: primeiro classificado e com uma série de cinco vitórias consecutivas para o campeonato, o Estoril procurava aumentar para dez a diferença pontual para o segundo lugar. No entanto, a equipa da margem sul tinha outros planos.

Primeiro através de canto e depois por intermédio de Crespo, os “canarinhos” assustaram Adriano Facchini, mas o guardião conseguiu a defesa. Já Dani Figueira, guarda-redes estorilista, não conseguiu fazer o mesmo quando se encontrou frente a frente com Alex Freitas na marca dos onze metros. Após falta sobre João Vieira, o árbitro da partida assinalou grande penalidade e o médio do Cova da Piedade marcou a contar, inaugurando o marcador.

Anúncio Publicitário

Nos minutos que se seguiram os visitantes mantiveram a pressão alta, mas não se conseguiam aproximar da baliza adversária. Quem o fez foi João Vieira, que após passe de Alex Freitas, rematou de primeira e fez o segundo golo do jogo no segundo remate da equipa da casa.

No regresso do intervalo o marcador assinalava 2-0, mas Gamboa teve oportunidade de relançar a incerteza no encontro quando o árbitro voltou a apontar para a marca de grande penalidade, desta feita a favor do Estoril. O médio português fez uma corrida muito lenta, mas não conseguiu enganar Adriano, que defendeu o remate inicial e a recarga de Hugo Gomes.

O técnico Bruno Pinheiro optou por fazer uma tripla substituição, e os canarinhos começaram a aproximar-se cada vez mais da baliza da equipa da casa, que abdicava quase totalmente do jogo ofensivo. E demorou algum tempo, mas as substituições surtiram efeito.

À passagem do minuto 83, Rosier marcou, de cabeça, o 2-1, e sete minutos depois foi a vez de André Clóvis fazer o empate em cima do minuto 90. Após um cruzamento de João Diogo, o avançado apareceu sozinho e encostou de cabeça para o 2-2. Os visitantes estavam por cima do encontro e continuavam a aproximar-se da baliza do Cova da Piedade.

No último lance do encontro, e após muita confusão dentro da área, Clóvis rematou e bisou na partida, fazendo o 3-2 e levando à loucura a equipa estorilista. O Estoril venceu a partida com três golos marcados depois do minuto 80!

 

A FIGURA

André Clóvis – O avançado da equipa da Linha foi uma aposta ganha por parte de Bruno Pinheiro. Com dois golos nos últimos minutos foi decisivo, sendo a chave para desbloquear o jogo e chegar à vitória.

 

O FORA DE JOGO

CD Cova da Piedade – O conjunto da margem sul abdicou de atacar durante praticamente todo o segundo tempo – o primeiro remate após o intervalo apenas apareceu aos 90 minutos – e mostrou muita intranquilidade após o primeiro golo do Estoril.

 

ANÁLISE TÁTICA – CD COVA DA PIEDADE

Defensivamente, o Cova da Piedade apresentou-se num 4-1-4-1, com Shimabuku no papel de médio mais recuado, e João Oliveira a assumir o lugar mais à esquerda na linha de quatro médios. Com uma linha defensiva muito coesa, o ataque estorilista nunca conseguiu explorar a profundidade no primeiro tempo, e isso permitiu que a baliza almadense se mantivesse inviolada.

Ofensivamente, e como tem sido regra até agora, o Cova da Piedade abdicou quase na totalidade do seu ataque organizado, optando antes por lançar contra-ataques. No entanto, e apesar dessa estratégia ter funcionado no primeiro tempo, na segunda parte acabou por uma das razões para o seu desaire. Sem a capacidade de ter bola, a equipa da margem sul “ofereceu” o esférico ao seu adversário que foi criando cada vez mais perigo e conseguiu o triunfo.

 

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Adriano Facchini (8)

Cristiano Gomes (6)

Bruno Bernardo (7)

João Meira (7)

Filipe Maio (6)

Bruno Alves (6)

Cele (6)

Shimabuku (7)

Alex Freitas (8)

João Vieira (6)

João Oliveira (6)

SUBS UTILIZADOS

Arnold (6)

Firmino (6)

Patrão (6)

Simão Jr. (5)

 

ANÁLISE TÁTICA – GD ESTORIL PRAIA

Como favorito à entrada para este encontro, o Estoril procurou ativamente o golo, tanto no processo ofensivo como defensivo, pressionando de forma muito alta e condicionando a saída de bola da equipa da casa e obrigando-os a jogar um futebol mais direto. Apesar dos dois golos sofridos, a equipa estorilista foi quase sempre coesa e não permitiu que o Cova da Piedade criasse lances perigosos em ataque organizado.

Ofensivamente, e apesar dos três golos, os comandados de Bruno Pinheiro nem sempre foram criteriosos e mostraram alguma previsibilidade. A entrada de Vidigal, Clóvis e Rosier colocaram os canarinhos mais perto da baliza adversária, mas a equipa apostou – talvez em demasia – em cruzamentos para a área que, na maior parte dos casos, não causavam perigo. Ainda assim, os golos acabaram mesmo por surgir pelo ar, devido à intranquilidade mostrada pela defesa do Cova da Piedade.

 

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Dani Figueira (6)

João Diogo (7)

Hugo Basto (6)

Hugo Gomes (7)

Joãozinho (6)

André Franco (6)

Gamboa (6)

Crespo (6)

Bruno Lourenço (6)

Yakubu Aziz (6)

Murilo (6)

SUBS UTILIZADOS

Rosier (7)

Lazare (6)

Vidigal (7)

André Clóvis (8)

Chiquinho (6)

 

BnR NA CONFERÊNCIA DE IMPRENSA

CD Cova da Piedade

BnR: Na primeira parte a defesa do Cova da Piedade conseguiu controlar muito bem o ataque do Estoril, que procurava constantemente a profundidade. O que mudou, no Estoril e no Cova da Piedade, que explique as dificuldades defensivas apresentadas no segundo tempo?

Mário Nunes: O Estoril mudou a sua forma de iniciar o seu processo ofensivo, deixou de procurar uma ligação que eles procuram do central do lado esquerdo, depois começou também com a situação da bola entrar no lateral do lado direito e procurar logo as costas do nosso lateral, mas essa situação foi muito bem anulada na primeira parte. Na segunda parte mudaram completamente, forçaram mais uma saída pelo corredor, nomeadamente pelo seu corredor direito, nosso corredor esquerdo, e nós aí tivemos bastantes dificuldades em conseguir controlar ou anular esta dinâmica, e fruto dessas dificuldades e do momento da equipa que não é positivo, começamos a sentir que estávamos a perder algum controlo do jogo e começou a ficar num estado de ansiedade muito grande.

 

GD Estoril Praia

Não foram colocadas questões ao técnico do GD Estoril Praia, Bruno Pinheiro.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome