Cabeçalho Futebol NacionalÀs 16h00, numa tarde de fim de Verão onde o calor pairava sobre o estádio de São Miguel, o Santa Clara disputava os três pontos contra o CF União que ocupava, à partida, o quinto lugar na II liga.

A equipa madeirense vinha de um empate contra o Sporting B, no passado dia 27 de Agosto. Antes dos dez dias de pausa para as seleções, a equipa micaelense tinha sofrido uma derrota frente ao Porto B, a única no campeonato.

A equipa da casa entrou no encontro da melhor forma, a marcar logo aos três minutos, por Santana que respondeu de cabeça a uma bela jogada criada pelo lado esquerdo do ataque do Santa Clara.

Depois do golo era de esperar uma reação forte da equipa madeirense, mas a equipa da casa continuou a assumir mais o jogo e a ter mais posse de bola. Com o passar dos minutos, o jogo ia ficando mais equilibrando, com muita luta no meio-campo pela posse de bola. O União tentava pegar no jogo, mas faltava qualidade na circulação e discernimento por parte da equipa de Paulo Alves.

Fonte: CD Santa Clara
Fonte: CD Santa Clara

Os passes não iam entrando e o Santa Clara aproveitava. Até ao final da primeira parte, a equipa de Carlos Pinto dispôs de alguns lances de perigo que podiam ter dado golo mas alguma displicência ditou a magra vantagem da equipa da casa ao intervalo.

Anúncio Publicitário

Nesta primeira parte, sinal mais para o Santa Clara, com mais posse de bola, mais lances de perigo e a jogar mais perto da baliza adversária. Já a equipa do União da Madeira mostrou uma exibição muito cinzenta, sem mostrar muitos argumentos para chegar ao golo.

A segunda parte jogou-se a um ritmo mais morno. O Santa Clara ia controlando a partida, sem deixar grandes espaços para a equipa forasteira, tentando aproveitar a profundidade dos seus avançados para criar perigo, algo que aconteceu muitas vezes. À medida que o cronómetro de jogo avançava, o jogo ficava mais partido, muito físico, com a equipa madeirense a tentar chegar ao golo.

Com a perda de intensidade no meio-campo do Santa Clara, o União começava a mandar mais no jogo, mesmo sem criar grandes oportunidades de perigo. Ao minuto 78, quando nada fazia prever, Júnior atira para o empate. Um remate indefensável para Serginho, de fora de área, após um ressalto. O resultado não espelhava aquilo que tinha sido o jogo até ali.

Com o golo, a equipa da casa voltou à carga. O Santa Clara tentou responder de imediato ao golo sofrido e, no minuto seguinte, esteve perto de chegar de novo à vantagem; primeiro por Thiago Santana e depois por Clemente. Clemente, avançado micaelense, viria mesmo a marcar ao minuto 86, num golo à ponta de lança. O avançado segurou uma bola despejada na defesa do União da Madeira, aguentou a carga e atirou a contar para o segundo golo dos da casa.

Até final da partida, o União ainda tentou chegar ao golo, mas sem resultados práticos. No final, ajusta-se a vitória da equipa da casa. O Santa Clara foi a equipa que mais fez pela vitória, para além de ser a equipa mais esclarecida em campo. Quanto aos madeirenses, a equipa de Paulo Alves fez uma primeira parte muito fraca. Na segunda-parte, mostrou outros argumentos, mesmo assim insuficientes para ganhar pontos na partida.