Cabeçalho Futebol NacionalO CF União venceu sem grandes dificuldades o Real SC, graças a uma boa primeira parte de domínio quase incontestado, no Centro Desportivo da Madeira, na Ribeira Brava. O encontro representava a estreia em casa do União para a Segunda Liga, depois do empate conseguido na jornada inaugural em casa do SC Braga B, enquanto o Real se deslocava à Madeira, depois da contundente vitória por 4-1 na receção ao Leixões SC.

Logo aos 36 segundos de jogo, Tiago Moreira intercetava a subida da equipa do Real e lançava em contra-ataque Júnior, que colocou em vantagem os azuis e amarelos. Uma entrada forte do União, que nos minutos seguintes fez por justificar a supremacia. Apenas de livre conseguiu o Real incomodar minimamente o guarda-redes da casa, obrigando Tony Batista a uma saída de punhos, embora sem grande dificuldade.

Os lisboetas eram uma equipa praticamente inofensiva e, face à pressão e intensidade exercidas pelos unionistas, foi sem grandes surpresas que surgiu o segundo golo. Depois de um canto batido pela esquerda, por Mica Silva, foi o central costa-marfinense Romaric quem tornou a introduzir a bola na baliza defendida por Tom, aos 29 minutos.

Anúncio Publicitário

 

Fonte: Bola na Rede
Fonte: Bola na Rede

O Real procurava dar seguimento ao bom arranque da primeira jornada, mas viu a estratégia derrubada com o golo sofrido bem cedo

Só à passagem da meia-hora, surgiu a primeira grande oportunidade para o Real, por intermédio de Marcos Barbeiro, jogador emprestado pelo CS Marítimo. Afastado o perigo, contudo, a toada geral do encontro permaneceu inalterada, com a equipa da casa a dominar em quase todos os aspetos do jogo. À saída para os balneários, tudo corria de feição para os insulares. O Real, por seu turno, desiludia, face ao que havia demonstrado nos encontros anteriores.

No reatamento, os forasteiros voltaram com mais vontade e mais ativos em busca do golo que os relançasse na partida, embora sem grande consequência. O União geria o resultado, perdendo alguma influência ofensiva, apesar de continuar a dispor das maiores oportunidades de perigo quando se aproximava da baliza dos realistas.

A partir daí, o encontro foi parco em oportunidades, até aos minutos finais, quando a equipa da casa voltou a imprimir alguma velocidade e dispôs de três boas jogadas para incomodar o guarda-redes do Real. O resultado, contudo, manteve-se inalterado até ao apito final, que selou a justa vitória unionista, conseguida depois de uma boa entrada no jogo por parte dos comandados de Paulo Alves.

Foto de capa: Bola na Rede