A CRÓNICA: ESTE RIO AVE JOGA COMO EQUIPA DE I LIGA

CF Estrela da Amadora e Rio Ave FC abriram a 5.ª jornada da Segunda Liga Portuguesa e, mal o árbitro apitara para o início do encontro, as redes de uma das balizas já abanavam. Com uma entrada de rompante, o CF Estrela da Amadora precisou apenas de três minutos para marcar: após um grande remate de Xavi que embateu na barra, Diogo Pinto aproveitou a recarga da melhor maneira e marcou o seu terceiro golo no campeonato.

O jogo esteve depois interrompido durante dez minutos, devido a uma falha numa das torres de iluminação do Estádio José Gomes.

No recomeço da partida, o Rio Ave FC foi avassalador, controlou a posse de bola, quando não a tinha pressionava alto o adversário e criou oportunidades de golo, que depois chegou com naturalidade.

Ao minuto 31, Gabrielzinho teve espaço para fazer um cruzamento perfeito para Pedro Mendes que, desmarcado, faturou com facilidade.

Anúncio Publicitário

A equipa visitante estava muito confortável no jogo e precisaria apenas de sete minutos para consumar a reviravolta no resultado. Num pontapé de canto batido por Pedro Amaral, Costinha saltou mais alto do que todos e marcou o segundo golo do Rio Ave FC.

Até ao intervalo, o CF Estrela da Amadora ainda conseguiu criar um ligeiro ascendente, insuficiente, no entanto para conseguir marcar.

Iniciada a segunda parte, foi a vez do Rio Ave FC marcar num abrir e fechar de olhos, e novamente através de um pontapé de canto. Desta vez, o esférico foi desviado ao primeiro poste por Zé Manuel e colocado dentro da baliza por Hugo Gomes.

Seguiu-se um período em que o jogo esteve morno, sem que nenhuma das equipas conseguisse criar perigo.

Chegado o minuto 71, de forma inesperada, a equipa da casa marcou: Miguel Rosa cobrou de forma certeira um livre direto e beneficiou de um erro crasso de Jhonatan para fazer o 2-3. O CF Estrela da Amadora voltava a ter esperanças de lutar pelo resultado, mas tal sentimento não duraria muito tempo.

Dois minutos depois, o Rio Ave FC construiu um contra-ataque rapidíssimo, isolando Gabrielzinho, que não perdoou. Estava feito o quarto golo dos vilacondenses.

Pouco depois, o CF Estrela da Amadora cometeu um erro imperdoável na troca de bola defensiva e Gabrielzinho aproveitou a oportunidade para coroar a sua exibição de gala e fazer o quinto golo da equipa visitante.

Até ao final da partida, o Rio Ave FC até foi a equipa que conseguiu criar mais perigo, mas o resultado não sofreria mais alterações.

 

A FIGURA

Gabrielzinho – O extremo esquerdo do Rio Ave FC foi uma constante dor de cabeça para o lado direito da defensiva do CF Estrela da Amadora, e como se isso não fosse suficiente, teve um papel importante no resultado. É dele o cruzamento para o primeiro golo do Rio Ave FC, apontado por Pedro Mendes, é também ele que conquista os pontapés de canto que resultam no segundo e terceiro golo e é igualmente o autor do quarto e quinto golos.

O FORA DE JOGO
Fonte: Zito Delgado / Bola na Rede

Paulinho – O avançado do CF Estrela da Amadora teve muitas dificuldades ao longo do jogo, poucas vezes conseguindo fazer a diferença. Com exceção de uma boa combinação que resultou numa oportunidade para Diogo Pinto, o avançado não teve muita bola (não deu sequência às bolas que lhe eram dirigidas) e não conseguiu ajudar muito a equipa.

 

ANÁLISE TÁTICA – CF ESTRELA DA AMADORA

A equipa de Rui Santos apresentou-se para este jogo disposta num 4-3-3, que em momento defensivo se transformava em 4-1-4-1. Aloísio era o homem que se posicionava à frente do quarteto defensivo, atrás dos médios interiores Diogo Pinto e Chapi. Os corredores laterais pertenciam a Xavi (direita) e Diogo Salomão (esquerda), e Paulinho era o jogador mais adiantado do ataque.

O golo cedo animou a equipa da Amadora, que conseguiu impor-se até ao momento da falta de luz num dos holofotes do estádio. Depois disso, a equipa teve mais dificuldades a conter o futebol do Rio Ave FC e permitiu a reviravolta com alguma naturalidade. Destaque ainda para a fragilidade da equipa em defender bolas paradas, tendo sofrido dois golos de canto, um deles no início da segunda parte, o que dificultou a reação para a segunda parte.

A entrada de Tipote ainda permitiu ao conjunto da Amadora jogar com dois avançados e o Estrela ainda ameaçou reentrar na luta pelo resultado, com o livre direto de Miguel Rosa (e o frango de Jhonatan), mas sofreu o 4-2 logo a seguir e o Rio Ave FC embalou para a goleada.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Vítor São Bento (4)

Sérgio Conceição (4)

Mamadou Traoré (4)

Matheus Dantas (4)

Edu Duarte (4)

Aloísio (4)

Chapi (5)

Diogo Pinto (6)

Xavi (6)

Diogo Salomão (5)

Paulinho (4)

SUBS UTILIZADOS

Miguel Rosa (6)

Reko (5)

Tipote (5)

Bruno Gonçalves (-)

Tiago Melo (-)

 

ANÁLISE TÁTICA – RIO AVE FC

A disposição tática do Rio Ave FC para este jogo não foi diferente da das últimas partidas: 4-2-3-1, com Guga e Vítor Gomes à frente do quarteto defensivo, e três homens atrás do ponta de lança Pedro Mendes (foram eles Joca e Zé Manuel, mais móveis, e Gabrielzinho, mais fixo na esquerda). Depois de um golo sofrido bastante cedo, a equipa de Luís Freire podia ter abanado, mas, depois do apagão, lá conseguiu impor o seu futebol, chegando aos dois golos que valeram vantagem à saída para o intervalo.

Os vilacondenses fizeram o CF Estrela da Amadora provar do seu próprio veneno, com um golo cedo na segunda parte, e a partir daí foram controlando o jogo. Ainda ameaçaram perder o controlo do mesmo quando Jhonatan ‘furou’ no livre de Miguel Rosa, mas reagiram rapidamente e chegaram à goleada.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Jhonatan (4)

Costinha (7)

Hugo Gomes (7)

Aderllan Santos (6)

Pedro Amaral (7)

Guga (6)

Vítor Gomes (5)

Gabrielzinho (10)

Zé Manuel (7)

Joca (6)

Pedro Mendes (7)

SUBS UTILIZADOS

Ukra (5)

Aziz (5)

Rúben Gonçalves (5)

 

BnR NA CONFERÊNCIA DE IMPRENSA

CF Estrela da Amadora

Como consequência de ter sido expulso durante o decorrer da partida, o treinador do CF Estrela da Amadora, Rui Santos, não compareceu à conferência de imprensa.

Rio Ave FC

BnR: Até agora, no campeonato, o Rio Ave FC tem 16 golos marcados, quatro vitórias e um empate em cinco jogos. Com este início de época tão positivo, pergunto-lhe se será possível para a sua equipa, ao longo da época, conseguir manter esta consistência, não só nos resultados, como também na qualidade das exibições?

Luís Freire: “Ninguém pode prometer vitórias. Podemos prometer tentar jogar bom futebol, um futebol ofensivo, ter uma equipa organizada que consiga responder à adversidade, sabendo que não vai ser só ganhar, ganhar, ganhar. Ninguém fez isso, portanto não vamos pensar assim. Vamos pensar jogo a jogo, temos um próximo jogo [contra o CD Feirense] dificílimo, com uma equipa que está muito bem também, e vamos pensar jogo a jogo.

O objetivo é subir de divisão, também não o escondemos a ninguém, mas vai ter que ser um jogo de cada vez. Dentro daquilo que cometemos erros hoje, vamos ter que melhorar para a semana, tentar não cometer os mesmos erros e evoluir desta maneira. A ideia de jogo pode melhorar, principalmente hoje, que sofremos dois golos, temos que refletir. Ofensivamente, é continuar perigosos em todas as oportunidades e aproveitar a qualidade dos jogadores e a confiança que eles têm neste momento”.

 

Rescaldo de opinião de Afonso Santos e Bernardo Figueiredo

Artigo revisto por Gonçalo Tristão Santos

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome