Cabeçalho Futebol Nacional

Duelo de candidatos à subida no Municipal de Arouca, partindo o Famalicão com um ponto de vantagem sobre o adversário de hoje, que procurava vingar a derrota sofrida em Vila Nova de Famalicão na jornada inaugural. Nota de destaque para a ausência de Rui Costa, figura dos famalicenses, que, ao que conseguimos apurar, estará de saída para a equipa B do Futebol Clube do Porto.

Os minutos iniciais foram de estudo, com as equipas algo encaixadas e a apostar muito na bola longa para as costas da defesa, também devido ao degradado estado do terreno. Mesmo assim, nos minutos iniciais, os melhores esboços de oportunidades pertenceram aos visitantes. A equipa da casa foi mais pragmática e, na primeira oportunidade digna de registo, balançou as redes adversárias. Bela incursão de Bukia pela esquerda, que cruzou para um corte incompleto de João Faria que serviu de assistência para Barnes Osei rodar e rematar rasteiro para o único golo da partida.

O Famalicão acusou o golo e, animada pela vantagem, a turma arouquense começou a controlar o jogo e a ter algumas investidas interessantes, que podiam ter dobrado a vantagem. No entanto, a única ocasião antes do intervalo foi a melhor do Famalicão em toda a partida, com uma tentativa de chapéu de João Mendes a ser travada por Bracali.

O golo de Barnes fez toda a diferença num jogo muito disputado Fonte: FC Arouca
O golo de Barnes fez toda a diferença num jogo muito disputado
Fonte: FC Arouca

Ao intervalo estava mais desagradado Dito, que não perdeu tempo e trocou um defesa-central (João Faria) por um avançado (Anderson). Apesar de muita vontade, o ataque famalicense foi quase inconsequente, não pondo nunca verdadeiramente à prova Bracali. A segunda parte foi de domínio permanente do Arouca, que podia ter ampliado a vantagem numa combinação sublime entre Roberto e Palocevic que o primeiro desperdiçou. Também Ernest, na primeira vez que tocou na bola, podia ter picado o ponto, mas o remate saiu ao lado. O jogo caminhava para o fim e, sempre com mais coração do que com cabeça, o Famalicão despejava bolas que, invariavelmente, a defensiva caseira aliviava. Até final, os ânimos aqueceram, com o árbitro Manuel Oliveira a querer também ele ser protagonista, ao expulsar dois elementos da equipa técnica do Arouca e ao dar uns exagerados seis minutos de compensação, que, na prática, se transformaram em onze.

Anúncio Publicitário

Vitória muito importante para o Arouca, que tem em sua casa uma autêntica fortaleza, atravessando uma serie de sete vitórias consecutivas no seu reduto, todas com Miguel Leal ao comando, estabelecendo um recorde do clube. Com esta justa vitória, ultrapassa o oponente de hoje, mas fica em desvantagem no confronto direto. Já o Famalicão vai em quatro derrotas seguidas, que o atrasaram na luta pela subida.

Num jogo muito disputado, um erro defensivo fez a diferença. As duas equipas continuam na luta pela promoção e assim será até bem perto do final do campeonato.