Anterior1 de 4Próximo

Cabeçalho Futebol NacionalO Sporting da Covilhã e o Real Sport Clube empataram a zero num jogo da 14ª jornada da Segunda Liga, um jogo muito pobre e fraco de ambas as equipas, onde o jogo ofensivo foi quase nulo, a equipa do Sporting da Covilhã regista o terceiro empate a zero consecutivo o que deve deixar o treinador José Augusto, ainda sem derrotas desde que assumiu o comando, a refletir sobre a manobra ofensiva da equipa covilhanense.

Os espetadores que se deslocaram ao Estádio Municipal Santos Pinto não devem ter certamente apreciado a primeira parte deste encontro. Uma primeira parte muito fraca, com um claro domínio da equipa serrana, mas que não se desenvolvia para além do meio-campo da equipa de Queluz, ambas as equipas pareciam resignadas ao resultado do encontro e não demonstravam vontade em desfazer o nulo, o primeiro remate apenas surgiu aos 33 minutos por parte do Sporting da Covilhã, ainda assim um remate muito por cima, mas primeiro remate de registo.

A animação estava guardada para os últimos cinco minutos desta primeira parte com duas grandes oportunidades para cada equipa. Primeiro o Sporting da Covilhã aos 41 minutos com um cruzamento de Erivelto que encontrou Índio solto de marcação à boca da baliza, o jogador da Covilhã a falhar escandalosamente a bola que ainda terá sofrido um ligeiro desvio num defesa do Real.

O Real respondia com a sua primeira grande oportunidade também, Carlos Vinicius, o avançado letal desta equipa, a cabecear, isolado, muito bem na bola, dentro da grande área, grande defesa do guardião do Sporting da Covilhã, Igor Rodrigues, que evitou assim o primeiro desta tarde já típica de Inverno na cidade da Covilhã.

Existiram muitas bolas paradas, mas muito pouco eficazes  Fonte: Bola na Rede
Existiram muitas bolas paradas, mas muito pouco eficazes
Fonte: Bola na Rede

A segunda parte não trouxe muitas diferenças, apenas de ressalvar uma notória diferença de posicionamento por parte dos jogadores ofensivos do Real, que passaram a pressionar a defesa do Sporting da Covilhã em todo o campo, o que surtiu algum feito inicialmente com vários passes errados por partes dos defesas serranos, mas pouco mais…

Anúncio Publicitário

De registar apenas um remate muito perigoso à entrada da área por parte de Reinildo, aos 53 minutos de jogo, que só parou nas mãos de Tom, defesa apertada do guarda-redes do Real, mas lance controlado.

O Real respondia e através de transições ofensivas rápidas nas laterais conseguia muitos cantos e foi num desses cantos, ao minuto 69, que quase inaugurava o marcador, um lance aparentemente controlado teve um corte defeituoso de Zarabi que miraculosamente foi parar ás mãos do guardião dos leões da Serra, Igor Rodrigues.

Seria o último lance de perigo da partida, o que espelha bem a pobreza deste jogo ofensivamente, que viu no Sporting da Covilhã uma equipa mais capaz tecnicamente, mas muito fraca no último terço do campo, resultado justo.

 

Anterior1 de 4Próximo

Comentários